Mikhail Gorbachov alerta para risco de “nova Guerra Fria”

European Parliament / Flickr

Mikhail Gorbachev, último líder daUnião Soviética, o artífice da "perestroika" e da "glasnost"

Mikhail Gorbachov, último líder daUnião Soviética, o artífice da “perestroika” e da “glasnost”

O último líder da União Soviética, Mikhail Gorbachov, alertou este sábado para o risco de “uma nova Guerra Fria”, durante as comemorações que assinalam a queda do Muro de Berlim, na Alemanha.

“O mundo está à beira de uma nova Guerra Fria. Alguns dizem mesmo que já começou“, declarou Mikhail Gorbachov, na abertura de uma conferência sobre o mundo, um quarto de século depois da queda do Muro de Berlim.

Num cenário em que as tensões entre Ocidente e Rússia aumentam, o ex-líder soviético exprimiu “profunda preocupação” com a “rutura no diálogo” e a “quebra de confiança” entre os líderes internacionais.

“Não haverá segurança na Europa sem a cooperação de Alemanha e Rússia”, recordou o artífice das reformas “perestroika” (reconstrução) e “glasnost” (transparência), que abriram caminho à queda do Muro de Berlim, a 09 de novembro de 1989.

Recuperar o diálogo é “a prioridade máxima”, insistiu, considerando que, apesar das “duras críticas” aos Estados Unidos e à Europa, o atual presidente russo, Vladimir Putin, está a tentar “encontrar uma via para baixar as tensões e construir uma nova base de cooperação”.

Assinalando que os acontecimentos da década de 1980 são a prova de que, “mesmo para situações aparentemente sem esperança, existe uma saída”, Gorbachov sublinhou que a realidade daquela época “não era menos urgente e perigosa” do que a de hoje.

Numa entrevista à radio e televisão suíça RTS, que será transmitida este domingo, Gorbachov considerou que “a Europa corre o perigo de perder a voz nos assuntos internacionais e passar a ser, gradualmente, irrelevante”.

O ex-líder soviético concretizou: “Em vez de liderar a mudança num mundo global, a Europa converteu-se numa arena de agitação política, de competição por esferas de influência e de conflito militar. A consequência inevitável é a fragilização da Europa, numa altura em que outros centros de poder e influência ganham força.”

Por seu lado, a NATO “quer provar que pode salvar o mundo”, quando já não é sequer necessária, sustentou.

“Vêem-se novos muros. Na Ucrânia, querem cavar um enorme fosso”, reconheceu, admitindo que na atual situação “é muito difícil ser otimista”, mas frisando que não há razão para “sucumbir ao pânico e ao desespero”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Aeronave autónoma é uma alternativa acessível aos satélites (e já fez o seu primeiro voo)

A empresa Swift Engineering, em parceria com o Ames Research Center, da NASA, desenvolveu uma alternativa acessível aos satélites: uma aeronave autónoma de alta altitude e longa resistência. Já nasceu a alternativa acessível aos satélites: chama-se …

Reservas naturais chinesas salvaram os pandas da extinção (mas "esqueceram-se" dos leopardos)

Uma nova investigação revela que os esforços da China para salvar os pandas gigantes foram bem sucedidos, mas os mesmos falharam na proteção de outros animais que partilham o mesmo habitat, como é o caso …

Comunidade científica critica Trump por dizer que NASA estava "morta"

Na quarta-feira, o Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, afirmou no Twitter que "a NASA estava fechada e morta" até que o próprio fez com que voltasse a funcionar, afirmação que gerou consternação na …

É "bastante provável" que chegue à Europa uma Cybertruck de menores dimensões

É "bastante provável" que uma Cybertruck de menores dimensões venha a ser produzida e chegue depois ao mercado europeu, revelou Elon Musk, CEO da Tesla, empresa que produz estas pickups elétricas. Questionado na rede social …

Mais seis mortos e 131 novos casos em Portugal nas últimas 24 horas

Portugal regista hoje mais seis mortos e 131 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sábado, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. O número de pessoas internadas é de 366, mais nove …

"Erro" do Instagram favoreceu conteúdo de Trump face ao de Biden

Um "erro" da rede social Instagram favoreceu durante dois meses o conteúdo gerado pela campanha de reeleição do atual Presidente norte-americano, Donald Trump, quando comparado com as publicações de Joe Biden, candidato democrata que está …

Fotografia partilhada nas redes sociais levou à suspensão de alunos nos Estados Unidos

Pelo menos dois alunos da North Paulding High School, no estado da Georgia, dizem ter sido suspensos depois de terem partilhado nas redes sociais uma fotografia na qual é possível ver um corredor da escola repleto …

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …

Ventura anuncia recandidatura ao Chega e só sai do parlamento quando “metade daquela esquerda" sair

André Ventura anunciou esta noite a recandidatura à liderança do Chega, numa cerimónia em Leiria em que disse que só vai sair do parlamento “quando metade daquela esquerda sair”. “Estamos a fazer uma revolução democrática e …