Michelangelo representou Moisés com chifres. A culpa foi de uma má tradução da Bíblia

A escultura apresenta a figura bíblica de Moisés, no momento em que este desce do monte Sinai com as tábuas dos dez mandamentos e se depara com os israelitas a adorar um bezerro de ouro.

Quando Michelangelo começou a esculpir a figura de Moisés, em 1513, já era um artista reconhecido em Itália. Na época, Florença era o centro de arte da Europa e o berço dos melhores artistas do continente.

O pintor conseguiu destacar-se ao ganhar as comissões para criar a “Pietà”, agora na basílica de São Pedro, e “David”, na catedral de Florença. Foi também nesta altura que muitos artistas nascidos em Florença, como Leonardo da Vinci e Andrea del Verrocchio, saíram da cidade à procura de melhores comissões.

Nesta conjuntura, Michelangelo ganhou a fama de “homem do Renascimento” e atraiu a atenção do Papa Júlio II – daí ter pintado o teto da Capela Sistina, um trabalho que durou quatro anos.

Após completar o teto da capela, Michelangelo encontrou em “Moisés” a realização em escultura das várias figuras que pintou na capela e dedicou cerca de dois anos da sua vida à obra.

A escultura apresenta a figura bíblica de Moisés do Êxodo, no momento em que este desce do monte Sinai com as tábuas dos dez mandamentos e depara-se com os israelitas a adorar um bezerro de ouro – que representava os falsos deuses.

Na obra de Michelangelo, Moisés aparece imponente, sentado com as Tábuas da Lei debaixo do braço e acariciar a barba com a outra mão. Mas o elemento mais premente da escultura são os dois cornos na cabeça de Moisés, que tem levantado mistérios há vários anos.

De acordo com o National Geographic, especialistas em arte renascentista já conseguiram explicar que era comum algumas personagens da Bíblia serem assim representadas, devido a uma tradução de uma palavra.

Em Hebreu não se escrevem vogais. Tendo isto em mente, nos finais do século IV, quando o padre São Jerónimo de Estridão traduziu a Bíblia desde o Grego e Hebreu para o Latim, enganou-se numa palavra. A confusão começou quando o tradutor deparou-se no Êxodo 34 e 35 com a palavra “KNR”, que se pode interpretar como “keren” – radiante, luminoso, com raios de luz – ou como “karan” – chifres.

“E os filhos de Israel viram então os raios de luz que emanavam da face de Moisés”, pode ler-se na maioria das Bíblias. São Jerónimo, contrariamente, optou por traduzir o texto assim: “E os filhos de Israel viram então os chifres que emanavam da face de Moisés”.

Embora a tradução possa explicar os chifres da escultura, até hoje, ainda não se sabe porque é que São Jerónimo de Estridão decidiu traduzir a passagem do Êxodo desta forma.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Pois a bíblia é terrena. O que conta são histórias adequadas aquela época. Por isso a igreja decai. Se realmente existisse o divino a bíblia teria sido todos os anos atualizada até hoje.

    • Tu não existes. Devias ter feito a ultima actualização versão 2018 depois de Cristo e estarias actualizado até hoje.

  2. Não se trata de chifres, e sim bastões (ou feixes) de luz. Em qualquer pintura de Moisés é possível encontrar isso, e aí só não há porque é uma escultura.

  3. Michelângelo não cometia erros em sua obras porque era extremamente culto seus trabalhos são considerados modelos de perfeição. Na verdade moisés não era o puro profeta que se autoproclamou, mas sim um personagem histórico que retirou um povo de suas casas e empregos para escraviza-los em nome de uma entidade megalomaníaca. E como se não bastasse, usurpou a cultura egípcia ao gravar nas tábuas os dez mandamentos que era um conjunto de regras populares no egito. Como ele foi filho adotivo da filha do faraó, conhecia bem a cultura e os mistérios daquela civilização. Assim, os chifres em sua cabeça representam a verdadeira natureza de suas ações manipuladoras.

RESPONDER

Liveblog Autárquicas. Carlos Moedas ganha Lisboa

Realizam-se este domingo Eleições Autárquicas em Portugal, nas quais está em jogo a eleição de 308 presidentes de câmaras municipais, os seus vereadores e assembleias municipais, bem como 3091 assembleias de freguesia. Acompanhe tudo no …

Medina assume derrota em Lisboa. "É uma indiscutível vitória de Carlos Moedas"

Fernando Medina acaba de assumir a derrota nas eleições autárquicas, felicitando Carlos Moedas pela vitória na Câmara de Lisboa. "É uma indiscutível vitória pessoal e política de Carlos Moedas", sublinha Medina. "Foi um privilégio servir esta …

Contra a "vigarice" das sondagens, "o PSD teve um excelente resultado"

O PSD conseguiu todos os objectivos a que se propôs nestas eleições autárquicas, segundo Rui Rio. O presidente do PSD considera que o partido teve "um excelente resultado" contra a "vigarice" das sondagens e "contra …

Costa: "PS continua a ser o maior partido autárquico nacional"

António Costa canta vitória nas eleições autárquicas, apesar de ainda não se conhecerem os resultados finais de Lisboa, Sintra e Loures. Para o secretário-geral socialista, não há dúvida de que o "PS continua a ser …

O "primeiro amarelo" para Costa e o "CDS superou todos os objectivos"

"O CDS superou todos os objectivos a que se propôs nestas autárquicas". É assim que Francisco Rodrigues dos Santos, líder do CDS-PP, canta vitória, considerando que António Costa "viu o seu primeiro cartão amarelo". Na reacção …

Pegadas provam que as Américas foram povoadas milhares de anos antes do que pensávamos

Investigadores descobriram evidências da presença de humanos nas Américas: pegadas com, pelo menos, cerca de 23.000 anos. A nossa espécie começou a migrar para fora de África há cerca de 100.000 anos. Além da Antártida, as …

Jerónimo assume que CDU ficou "aquém", mas não é "determinante para a política nacional"

Jerónimo de Sousa reconhece que os resultados da CDU, nas eleições autárquicas, ficaram "aquém" dos objectivos, mas alerta que não são "determinantes para a política nacional" e rejeita a hipótese de deixar a liderança do …

Geringonça à direita... ou à esquerda? Com Moedas e Medina taco a taco, IL e Bloco entram em jogo

Freguesia a freguesia, eis como Fernando Medina e Carlos Moedas estão a disputar a eleição para a Câmara de Lisboa. As sondagens dão um empate técnico e a Iniciativa Liberal já manifestou que está disponível …

Autárquicas: PS reivindica vitória e acredita que ganha em Lisboa

O secretário-geral adjunto do PS reivindicou hoje vitória do seu partido nas eleições autárquicas, dizendo que irá vencer em número de câmaras e de freguesias, e manifestou-se confiante no quinto triunfo consecutivo em Lisboa. Esta posição …

Autárquicas: Santana reconquista a Figueira e fala numa "proeza sem igual"

Pedro Santana Lopes já fez o seu discurso de vitória como presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, num autoelogio pelo facto de ter ganho a dois "grandes partidos", o PS e o PSD, …