MH17. Novas provas revelam contactos frequentes entre a Rússia e separatistas ucranianos

romanboed / Flickr

Memorial às vítimas do voo MH17, no Amsterdam Schiphol Airport

A equipa internacional que conduziu a investigação sobre a queda do voo MH17 em 2014 no leste da Ucrânia divulgou novas provas que apontam para contactos muito frequentes entre a Rússia e os rebeldes separatistas ucranianos.

O voo MH17, um aparelho Boeing 777 da companhia aérea Malaysia Airlines, despenhou-se em 17 de julho de 2014 quando sobrevoava um território controlado por separatistas pró-russos no leste ucraniano, cenário de um conflito armado.

As 298 pessoas a bordo do avião, que fazia a ligação Amsterdão–Kuala Lumpur, – maioritariamente holandeses (196) – morreram.

A equipa de investigadores internacionais, liderada pela Holanda, revelou esta quinta-feira “novas conversas telefónicas gravadas entre líderes separatistas da (designada) República Popular de Donetsk [no leste ucraniano] e altos responsáveis russos”.

Perante estes novos registos, os investigadores internacionais querem ouvir novamente testemunhas para esclarecer as circunstâncias destes contactos. Segundo a equipa de investigadores, estas novas provas revelam que “a influência russa na República Popular de Donetsk foi além do apoio militar”.

“As evidências de laços estreitos entre representantes do Governo russo e os líderes da República Popular de Donetsk levantam questões sobre o seu eventual envolvimento no estabelecimento do BUK-Telar [sistema de mísseis antiaéreos desenvolvido pelos russos] que causou a destruição do avião”, referiu o chefe da unidade criminal da polícia holandesa, Andy Kraag.

Segundo este comité internacional, que também integrou investigadores da Austrália, Bélgica, Malásia e Ucrânia, o aparelho da Malaysia Airlines foi abatido por um míssil BUK proveniente da 53.ª brigada antiaérea russa, baseada em Kursk (oeste da Rússia).

Em junho passado, este comité internacional acusou formalmente três russos (Sergei Doubinski, Igor Guirkine e Oleg Poulatov) e um ucraniano (Leonid Khartchenko) pela queda do voo MH17. O julgamento dos quatro suspeitos, acusados de homicídio, deverá começar em março de 2020 na Holanda, país que responsabiliza a Rússia pela participação na destruição do avião.

É muito provável que os suspeitos sejam julgados à revelia (com a ausência dos réus), uma vez que a Rússia e a Ucrânia não permitem a extradição dos seus cidadãos para serem julgados no estrangeiro.

Em junho, e em reação à decisão do comité de investigação internacional, o Presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que “não havia provas” sobre a implicação da Rússia na queda do voo MH17.  “O que foi apresentado como provas de responsabilidade da Rússia, não nos convence absolutamente. Acreditamos que não há provas”, disse então Putin.

// Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Esses “investigadores” têm que verificar toda a informação utilizada nas publicações. “Novas conversas telefónicas” gravadas pela Ucrânia depois muito tempo de bagunças…

RESPONDER

Benfica 4-0 Famalicão | Pizzi entrega saco cheio de Natal

O Benfica terminou o seu ano de Liga NOS com mais uma vitória, de novo por 4-0, tal como havia acontecido na anterior partida no Estádio da Luz, ante o Marítimo. Desta vez frente ao …

Morreu o ator Danny Aiello

Morreu esta quinta-feira, em Nova Jérsia, o ator Danny Aiello, que recordamos pelos seus muitos êxitos dos anos 80. Tinha 86 anos. "É com profunda dor que comunicamos que Danny Aiello, amado marido, pai, avô, ator …

Videojogo chinês incita jogadores a atacar os "traidores" em Hong Kong

Há um novo videojogo que está a ganhar popularidade na China. Chama-se "Fight the Traitors Together" e permite que os jogadores ataquem manifestantes de Hong Kong. No jogo, os jogadores podem bater nos manifestantes pró-democracia, sendo …

Mundial de Clubes proíbe demonstrações públicas de afeto

Começou na passada quarta-feira, dia 11 de dezembro, em Doha, capital do Catar, o Mundial de Clubes da FIFA, prova onde estão inseridos clubes como Flamengo e Liverpool. E esta até poderia ser mais uma …

Al Gore diz ser o maior fã de Greta Thunberg

Al Gore, antigo vice-presidente de Barack Obama e autor do documentário ambiental "Uma verdade inconveniente", elogiou esta semana o trabalho desenvolvido pela ativista sueca Greta Thunberg, dizendo ser o seu maior fã. "Sou o seu …

A água é comum nos mundos extraterrestres (mas surpreendentemente mais escassa do que se esperava)

A presença de água em exoplanetas é comum, mas surpreendentemente mais escassa do que se esperava, concluiu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Para chegar a …

"Encontrei a minha alma gémea". Presidente do Flamengo disposto a (quase) tudo para segurar Jesus

O presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, ficou encantado com Jorge Jesus logo quando o conheceu. É o que o dirigente diz numa entrevista, onde admite que encontrou a sua "alma gémea", não revelando dados sobre …

COP25: uma traição ao Acordo de Paris "e às pessoas em todo o mundo"

Organizações não governamentais ambientalistas consideraram que os projetos de resolução que a cimeira do clima da ONU tem para aprovar são "uma traição" do Acordo de Paris e dos milhões de pessoas que sofrem com …

Governo admite novo aumento extra das pensões (com a simpatia das Finanças e de olho na geringonça)

O Governo está a equacionar um novo aumento extraordinário das pensões no âmbito da preparação da proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020). A medida agrada a PCP e Bloco de Esquerda e terá …

Na última noite no Porto, Óliver foi sozinho à Ponte D. Luís (e vieram-lhe as lágrimas aos olhos)

O médio espanhol Óliver Torres confessa que a sua saída do Porto foi "emotiva" e que se despediu do clube e da cidade na Ponte D. Luís, de noite e sozinho, com "as lágrimas nos …