MH17. Novas provas revelam contactos frequentes entre a Rússia e separatistas ucranianos

romanboed / Flickr

Memorial às vítimas do voo MH17, no Amsterdam Schiphol Airport

A equipa internacional que conduziu a investigação sobre a queda do voo MH17 em 2014 no leste da Ucrânia divulgou novas provas que apontam para contactos muito frequentes entre a Rússia e os rebeldes separatistas ucranianos.

O voo MH17, um aparelho Boeing 777 da companhia aérea Malaysia Airlines, despenhou-se em 17 de julho de 2014 quando sobrevoava um território controlado por separatistas pró-russos no leste ucraniano, cenário de um conflito armado.

As 298 pessoas a bordo do avião, que fazia a ligação Amsterdão–Kuala Lumpur, – maioritariamente holandeses (196) – morreram.

A equipa de investigadores internacionais, liderada pela Holanda, revelou esta quinta-feira “novas conversas telefónicas gravadas entre líderes separatistas da (designada) República Popular de Donetsk [no leste ucraniano] e altos responsáveis russos”.

Perante estes novos registos, os investigadores internacionais querem ouvir novamente testemunhas para esclarecer as circunstâncias destes contactos. Segundo a equipa de investigadores, estas novas provas revelam que “a influência russa na República Popular de Donetsk foi além do apoio militar”.

“As evidências de laços estreitos entre representantes do Governo russo e os líderes da República Popular de Donetsk levantam questões sobre o seu eventual envolvimento no estabelecimento do BUK-Telar [sistema de mísseis antiaéreos desenvolvido pelos russos] que causou a destruição do avião”, referiu o chefe da unidade criminal da polícia holandesa, Andy Kraag.

Segundo este comité internacional, que também integrou investigadores da Austrália, Bélgica, Malásia e Ucrânia, o aparelho da Malaysia Airlines foi abatido por um míssil BUK proveniente da 53.ª brigada antiaérea russa, baseada em Kursk (oeste da Rússia).

Em junho passado, este comité internacional acusou formalmente três russos (Sergei Doubinski, Igor Guirkine e Oleg Poulatov) e um ucraniano (Leonid Khartchenko) pela queda do voo MH17. O julgamento dos quatro suspeitos, acusados de homicídio, deverá começar em março de 2020 na Holanda, país que responsabiliza a Rússia pela participação na destruição do avião.

É muito provável que os suspeitos sejam julgados à revelia (com a ausência dos réus), uma vez que a Rússia e a Ucrânia não permitem a extradição dos seus cidadãos para serem julgados no estrangeiro.

Em junho, e em reação à decisão do comité de investigação internacional, o Presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que “não havia provas” sobre a implicação da Rússia na queda do voo MH17.  “O que foi apresentado como provas de responsabilidade da Rússia, não nos convence absolutamente. Acreditamos que não há provas”, disse então Putin.

// Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Esses “investigadores” têm que verificar toda a informação utilizada nas publicações. “Novas conversas telefónicas” gravadas pela Ucrânia depois muito tempo de bagunças…

RESPONDER

Guardas da Revolução do Irão prometem vingar morte do general Soleimani

O chefe dos Guardas da Revolução, o exército ideológico do Irão, garantiu hoje que a morte do general Qassem Soleimani, alvo de um raide aéreo dos Estados Unidos, será vingada em “todos os seus implicados”. “Senhor …

"O mundo está no momento mais perigoso da história humana", diz Noam Chomsky

O professor norte-americano Noam Chomsky, conhecido como o pai da linguística moderna, advertiu que o mundo está no momento mais perigoso da história da humanidade devido à crise climática, à ameaça de guerra nuclear e …

Portugal com 849 novas infecções por covid-19. Há 20.722 casos activos

Portugal registou 849 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, mantendo-se a tendência de subida verificada nos dias anteriores. Mas o número de pacientes recuperados também não era tão alto desde Julho. O boletim da …

A Grândola Vila Morena abafou "a maior marcha alguma vez vista" do Chega

Com a Praça do Giraldo, em Évora, dividida por barreiras anti-motim, os participantes da concentração "Pela Liberdade" receberam os apoiantes do Chega de André Ventura ao som de "Grândola Vila Morena" e empunhando cravos vermelhos …

Pandemia assola Irão. EUA com mais 888 mortos. 19 países europeus bateram recorde de casos

Naquele que é o número mais elevado de casos diários desde abril, a Alemanha registou 2.297 novos contágios, 19 países europeus já ultrapassaram o recorde de casos do pico da pandemia. O Irão ultrapassou as …

Rangel "é um turista do carago". SMS atestam que Vieira usou Benfica em "benefício pessoal"

Luís Filipe Vieira é um dos acusados da Operação Lex, com o Ministério Público (MP) a alegar que o presidente do Benfica utilizou o clube em "benefício pessoal" para obter uma cunha do juiz Rui Rangel. O …

Farmácias em risco de não ter vacinas da gripe para tantos pedidos

As farmácias privadas receiam não ter doses suficientes de vacina contra a gripe para dar resposta a todos os pedidos. As encomendas da vacina já sãocinco vezes mais do que as registadas em 2019. A preocupação …

É responsabilidade a mais. Médicos não querem integrar Brigadas Rápidas dos lares

Está a ser difícil contratar médicos para as Brigadas de Intervenção Rápida dos lares que foram anunciadas pelo Governo. Mesmo a receberem acima da tabela de pagamentos, os médicos receiam a falta de condições e …

Restrições a turistas suavizadas. Finlândia tenta salvar a Lapónia (e a época de inverno)

A Finlândia, que vê o turismo estrangeiro em perigo na Lapónia, permite a partir de hoje a entrada de turistas de cerca de vinte países sem terem de fazer quarentena. As medidas surgem numa altura em …

"Foi uma vergonha". PS em choque com saída de Jamila e com o poder de Temido

A saída de Jamila Madeira do cargo de secretária de Estado Adjunta e da Saúde, a pedido da ministra Marta Temido, deixou alguns socialistas "arrepiados" e há um desconforto interno com a situação. É mais …