Meteorito de batalha: marinha dos EUA testa a sua nova super-arma

A Marinha norte-americana testou a Railgun, a sua nova super-arma electromangética, não-explosiva, capaz de disparar um projéctil a uma velocidade tão grande que foi comparada a um “meteorito de batalha” e que consegue perfurar navios e tanques.

Utilizando trilhos electromagnéticos e 25 megawatts para disparar a super-arma – o suficiente para abastecer quase 19 mil habitações – a Railgun é vista como uma aposta que deixaria o arsenal dos Estados Unidos à frente do de países como a Rússia e a China.

Ao contrário das armas de fogo, em que a bala perde aceleração depois da ignição, o projéctil disparado pela Railgun ganha velocidade à medida que percorre a sua trajectória, atingindo os 7242 Km/h ou quase 2 km por segundo, a uma distância de 200 quilómetros.

As actuais armas de artilharia têm um alcance de cerca de 40 quilómetros.

Desde o início da pesquisa deste tipo de arma, há uma década, o governo norte-americano já investiu 500 milhões de dólares – e está disposto a injectar mais 800 para melhorar as capacidades de defesa desta tecnologia e adaptá-la a armas já existentes.

(dr) Canaltech / Office of Naval Research

Esquema de funcionamento da Railgun

Esquema de funcionamento da Railgun

Depois da Segunda Guerra, os estrategas militares perceberam que um grande problema das grandes armas explosivas de artilharia está sua falta de precisão – o que levou ao lento processo de obsolescência deste tipo de armas.

“Em parte, afastámo-nos das grandes armas por causa da química e física do seu alcance”, explica o director de desenvolvimento da Railgun, Jerry DeMuro.

A Railgun pode criar o efeito massivo desejado, sem a química“, acrescenta DeMuro.

A próxima versão desta super-arma será capaz de disparar 10 projécteis por minuto, com um mecanismo capaz de disparar mil projécteis por carregador.

Além da sua velocidade e potência, a Railgun ganha vantagem também na capacidade.

Um navio da Marinha americana é capaz de carregar 96 mísseis – mas com a nova tecnologia seria capaz de armazenar cerca de mil unidades.

(dr) WSJ

Mecanismo de disparo da Railgun. Ao contrário dos projécteis balísticos, o projéctil da Railgun ganha velocidade durante o seu percurso.

Mecanismo de disparo da Railgun. Ao contrário dos projécteis balísticos, o projéctil da Railgun ganha velocidade durante o seu percurso.

Também o Pentágono demonstrou interesse em poder utilizar a Railgun, em menos de uma década, como tecnologia anti-míssil – uma solução menos dispendiosa do que o actual sistema de defesa aéreo.

“Não consigo imaginar um futuro em que replicássemos a Guerra Fria, mas posso prever que a Railgun pode ser muito valiosa contra aeronaves, mísseis, tanques, e qualquer outra coisa”, afirma o Secretário de Defesa norte-americano, Robert Work, citado pelo Wall Street Journal.

No entanto, há ainda barreiras técnicas a superar superadas antes que a tecnologia possa ser usada, entre as quais questões de geopolítica e de regulamentação.

A China e a Rússia, por outro lado, vêem a Railgun como um desequilíbrio no poder global do planeta, por neutralizar o arsenal dos restantes países.

Segundo oficiais do Pentágono, citados pelo WSJ, hackers chineses terão tentado infiltrar-se no sistema informático do governo norte-americano para tentar descobrir segredos da nova arma.

A Defesa americana não se mostrou aberta a uma discussão mais aprofundada das supostas tentativas chinesa de roubo de informações – o que dá a leve impressão de que estamos, sim, de volta à Guerra Fria.

E de que esta é a Arma do Fim do Mundo do doutor Estranho Amor.

ZAP / Canaltech

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Bem sei que o Wall Street Journal lançou só agora o artigo.. mas esse tipo de tecnologia já vem a ser desenvolvido pelos militares faz mais de 10 anos! São projecteis electro-magnéticos… nada de especial.. é apenas uma questão de dimensão!

    A ideia é ter o poder das Phalanx CIWS com munições muito maiores e sem os propulsores de impacto actuais (mais espaço para munições com menos de armazenagem)…

    • Caro Ele,
      A expressão portuguesa é “bobine”. A palavra “capacitor” que encontrou está numa imagem, que foi recolhida no site Canaltech, que usa a expressão brasileira / anglófona.

      • A expressão portuguesa é condensador!
        A Arma não tem novidade nenhuma do ponto de vista científico (em muitos museus interactivos disparam-se aneis metálicos!) A grande inovação é a sincronização das várias secções e os valores elevados de energia que se transferem!

      • Na verdade è ‘condensador’, a tradução correcta de ‘capacitor’, que os nossos irmãos brasileiros não sabem traduzir.
        Para acelerar o projéctil, muito provavelmente usarão uma bobine, mas para armazenar a energia necessária para o disparo e, sobretudo, para a utilizar em tão pouco tempo, aí sim, serve um condensador, ou melhor, uma bateria de condensadores (e bem pensados e construídos) – e, provavelmente, essa é uma das barreiras tecnológicas a resolver.

  2. Os seres humanos no seu melhor… sempre a arranjar forma melhor de andarem em guerra… será que nunca vai existir um planeta terra em harmonia e em paz? Creio que isso só acontecerá quando o dinheiro não tiver qualquer valor…

Responder a MIKE Cancelar resposta

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …

Federer sente falta de Wimbledon. "Deu-me tudo"

Roger Federer admitiu sentir a falta de Wimbledon, o torneio do "Grand Slam" que, se não tivesse sido cancelado devido à pandemia de covid-19, estaria a decorrer em Londres. O tenista suíço Roger Federer admitiu, esta …