Meta do Bloco de Esquerda nas autárquicas é “ter mais força”

José Sena Goulão / Lusa

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins

A coordenadora do Bloco de esquerda (BE) traçou esta segunda-feira o objetivo de “ter mais força” nestas autárquicas, mas sem quantificar metas, considerando que mesmo quem não concorda com tudo o que defendem os bloquistas, vai querer o partido nas suas autarquias.

Depois da interrupção de agenda pública devido à morte do antigo Presidente da República Jorge Sampaio, Catarina Martins voltou à estrada para a corrida autárquica, apesar de ter cancelado o comício que estava previsto para a noite desta segunda-feira em Portimão, no último dia de luto nacional que foi decretado, noticiou a agência Lusa.

Foi na Moita, autarquia onde o BE elegeu um dos seus 12 vereadores em 2017, que a líder bloquista começou o dia, com uma visita ao estaleiro naval do Mestre Jaime.

Questionada sobre os objetivos dos bloquistas nas eleições autárquicas do próximo dia 26 de setembro, Catarina Martins começou por defender que “o Bloco de Esquerda já provou que muda a política autárquica” e, por isso, quer “ter mais força” nesta corrida eleitoral.

“Temos muita humildade e temos muita determinação em aumentar a nossa força e quem for votar é que vai decidir. Esperaremos tranquilamente o que as pessoas decidirem”, respondeu, interrogada sobre o número de vereadores que espera eleger.

A líder bloquista defende que este reforço que querem ter surge “num momento em que se discute tanto os fundos europeus que virão”, num país que tem “a experiência de milhões que passam, uma elite enriquece e a generalidade do povo é deixada para trás”.

“Eu acho que mesmo quem não concorda com todas as prioridades do BE vai querer o BE na sua autarquia, na sua freguesia, no seu concelho para ter a certeza que é mesmo uma creche e não mais uma rotunda, para ter a certeza que é mesmo habitação e não mais especulação imobiliária, para ter a certeza que é mesmo transportes, florestas e não mais negócios das PPP ou dos eucaliptos”, afirmou.

Na perspetiva de Catarina Martins, “há questões ambientais que não eram vistas por ninguém e que graças, ao Bloco de Esquerda, hoje estão na agenda”, dando o exemplo da habitação, transportes e a transparência dos municípios.

“E o que nós queremos é ter mais força. mais força para responder às grandes crises do nosso tempo: à crise social, à enorme desigualdade do país em que as autarquias têm um papel, à crise climática, que é esta crise da humanidade em que as autarquias têm um grande papel na responsabilidade das suas políticas ambientais, da sua política de transporte e à crise da habitação que é uma perda de rendimento para tantas famílias em tanto território porque se deixou que os preços da habitação explodissem”, reiterou.

  // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a plantar mesas de xadrez de corais para restaurar recifes - e contam com a ajuda de garrafas de Coca-Cola

Nas últimas três décadas, os recifes de coral têm sofrido uma grande tensão e consequente destruição, devido ao impacto das alterações climáticas. Agora, os cientistas querem minimizar os danos e já encontraram uma solução. O objetivo …

Belenenses 0-4 Sporting | Melhor o resultado que a lesão

O Sporting, da I Liga, venceu hoje o Belenenses, do Campeonato de Portugal, por 4-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, garantindo o apuramento para a próxima fase da competição. No …

Sintrense 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto, da I Liga, venceu hoje o Sintrense, do Campeonato de Portugal, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue em frente na competição. A jogar em …

Nova tecnologia usa calor dos estacionamentos subterrâneos para aquecer apartamentos

A startup Enerdrape, que funciona dentro da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, desenvolveu uma tecnologia que aproveita o calor emanado pelo solo no aquecimento de apartamentos. Quase 60% do aquecimento utilizado nos edifícios residenciais …

Pela primeira vez, um drone transportou os pulmões de um dador em segurança. Voo demorou seis minutos

Pela primeira vez na história da medicina, um drone aéreo transportou os pulmões de um dador com rapidez e segurança entre dois hospitais. O voo, que durou apenas seis minutos, ocorreu no passado dia 25 de …

Grupo de hackers clonou a voz de empresário para roubar 35 milhões de dólares do banco

Um grupo de hackers clonou a voz do diretor de uma empresa, conseguindo assim roubar mais de 35 milhões de dólares de um banco nos Emirados Árabes Unidos. No início do ano passado, o gerente de …

Portugueses comem duas vezes mais do que o recomendando

Os portugueses consumiram, em média, duas vezes mais calorias do que o recomendando para um adulto entre 2016 e 2020, ano em que a pandemia provocou uma redução do consumo de alimentos diário, mas ainda …

Aos 95 anos, a rainha Isabel II terá de abdicar da sua bebida favorita

A monarca foi aconselhada pelos médicos a abdicar do seu habitual martini de fim de dia, em antecipação a uma fase de agenda especialmente preenchida. Com 95 anos, a rainha Isabel II tem tido uma semana …

Médicos vão avaliar estado mental do atacante da Noruega

A investigação ao ataque com arco e flecha que na quarta-feira fez cinco mortos na Noruega reforçou, até agora, a tese de um ato devido a doença, anunciou hoje a polícia norueguesa. “A hipótese que foi …

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a força da princesa Ka'iulani não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …