/

Com Moedas como alvo e Temido como “guardiã”, Medina prometeu um novo futuro para Lisboa

2

Tiago Petinga / Lusa

O candidato pelo PS-Livre à Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina e Marta Temido à chegada para participar no comício na Aula Magna em Lisboa

O candidato da coligação PS/Livre à presidência da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, acusou a direita de ambicionar nas autárquicas de domingo “a segunda volta do jogo que perdeu na disputa do poder legislativo”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Fernando Medina chegou à Aula Magna para o único comício da campanha, cerca das 19:30, acompanhado pela ministra da Saúde, Marta Temido, e pelo secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, tendo sido recebido na sala por centenas de apoiantes, que envergavam bandeiras e proferiam gritos de apoio.

Num discurso de cerca de 30 minutos, Fernando Medina procurou realçar as principais diferenças da sua candidatura em relação, sobretudo, aos partidos de direita, embora também com algumas referências à esquerda.

“A primeira grande diferença está numa palavra fundamental. Chama-se compromisso com a cidade. Se alguma coisa ficou clara, ao longo destas semanas e destes meses, é que a direita verdadeiramente não ambiciona um futuro para a cidade de Lisboa”, defendeu o candidato e atual presidente da Câmara de Lisboa.

Para Fernando Medina, “o que a direita ambiciona nestas eleições é procurar a segunda volta do jogo que perdeu na disputa do poder ao nível legislativo”.

Apontando que os adversários à direita salientam que “é preciso libertar Lisboa do socialismo”, o cabeça de lista da coligação ‘Mais Lisboa’ (PS/Livre) reforçou: “Verdadeiramente, o que a direita procura nestas eleições não é um projeto para servir Lisboa e para servir os lisboetas, procuram uma alavanca para conquistar o poder”.

“E vão mais longe, dizendo que o papel de um presidente de Câmara […] é de oposição ao líder do Governo central”, criticou, contrapondo que a sua função é a de “primeiro defensor de todos os lisboetas”.

A segunda diferença política, afirmou Fernando Medina, prende-se com o tema da habitação.

Neste ponto, o candidato “atirou-se” à direita que considera que a “habitação é um bem que se adquire no mercado” em vez de “um direito fundamental”, mas também à esquerda que defende exclusivamente o pilar público do Programa Renda Acessível.

A minha prioridade é construir e reabilitar casas a preços que as pessoas possam pagar e chegar o mais rapidamente a quem precisa”, destacou.

PUBLICIDADE

Em matéria de alterações climáticas, o socialista sublinhou que se trata do “combate mais importante das atuais gerações”, defendendo que a dependência do transporte individual “precisa de ser enfrentada”.

Por fim, acrescentou, a quarta diferença que “esta campanha tornou muito evidente”, diz respeito à saúde.

“É que a nossa aposta, os nossos recursos, são para continuar a reforçar o Serviço Nacional de Saúde”, afirmou.

“Nós não faremos a publicidade enganosa que é oferecer duas consultas por ano”, disse, referindo-se à medida de um seguro de saúde para os mais idosos, inscrita no programa eleitoral do seu principal adversário, o social-democrata Carlos Moedas.

Fernando Medina deixou a garantia de que a Câmara de Lisboa irá “dotar a cidade de Lisboa de uma rede de cuidados primários, que sirva todos”.

PUBLICIDADE

O início do discurso do candidato do PS/Livre ficou ainda marcado por elogios à ministra da Saúde, que classificou como a “guardiã deste combate à pandemia” de covid-19. “Ó Marta, só mesmo a brincar é que podes dizer que alguém tem um trabalho mais difícil do que o teu. Não tem”, sublinhou.

Entre vários discursos, destacou-se o de Marta Temido. A ministra colou-se às palavras que o candidato já usara para dizer que as propostas de um plano de saúde para os idosos, apresentadas pelo candidato do PSD, “são pensos rápidos, são engodos, algo que não serve os cidadãos”, cita o Público.

  ZAP // Lusa

2 Comments

  1. Vai dar agora um novo futuro a Lisboa que tem recusado até aqui! O Parque Mayer e bairros em ruínas devem estar a ouvir a promessa!

  2. Quem é esta criatura a dar lições quando como ministra medíocre da Saúde nem uma injeção consegue dar.
    Que vá passear para o Algarve de Biquíni e que não volte a Lisboa porque estaremos melhor de saúde. E que leve com ela a Graça Freitas.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.