Theresa May determinada a cumprir Brexit dentro do prazo

Stephanie Lecocq / Lusa

Theresa May, primeira-ministra britânica

Theresa May garantiu este domingo que não irá pedir o prolongamento de prazo a Bruxelas e que voltará às negociações do acordo de saída com os líderes comunitários já nos próximos dias.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, reiterou este domingo que está decidida a que o Reino Unido abandone a União Europeia (UE) a 29 de março, data prevista para a saída da União Europeia, e garantiu que não pedirá a Bruxelas um prolongamento do prazo.

Estou determinada a manter em aberto o Brexit, e determinada a cumprir dentro do prazo – 29 de março de 2019 – escreveu a dirigente conservadora num artigo publicado hoje no jornal Sunday Telegraph, citado pela agência AFP.

May pretende renegociar o acordo do Brexit com os líderes comunitários nos próximos dias com a finalidade de modificar o polémico mecanismo de salvaguarda para evitar uma fronteira física na Irlanda do Norte, ainda que a UE tenha rejeitado, de momento, modificar o acordo estabelecido, em novembro, entre o Reino Unido e o grupo dos 27.

“Quando regressar a Bruxelas para batalhar pela Grã-Bretanha e Irlanda do Norte fá-lo-ei com um novo mandato, novas ideias e uma renovada determinação para encontrar uma solução pragmática”, afirmou May no mesmo artigo.

O parlamento britânico aprovou na semana passada uma emenda que insta o Governo a negociar “regras alternativas” à cláusula de salvaguarda norte-irlandesa. Ainda assim, May sustenta no seu artigo que substituir a cláusula de salvaguarda por uma solução distinta é “uma opção”.

Segundo o presidente do grupo parlamentar conservador, Graham Brady, que propôs essa emenda na Câmara dos Comuns, tudo estaria em conformidade se a cláusula de salvaguarda tivesse uma limitação temporal ou um mecanismo de saída unilateral.

O vice-primeiro ministro irlandês, Simon Coveney, insistiu que a UE não irá renegociar o tratado de saída e não aceitará um acordo que não incorpore a cláusula de segurança para a Irlanda do Norte. “A cláusula de salvaguarda é necessária para nós. Não se trata de comércio ou de economia, mas de pessoas e da paz”, escreveu Coveney no Sunday Times.

O mecanismo de salvaguarda assegura que não será erguida uma fronteira entre as duas Irlandas enquanto Londres e Bruxelas não alcancem um novo acordo de comércio bilateral, o que todavia poderá demorar anos.

A ausência de controlo entre a República da Irlanda e a região britânica da Irlanda do Norte é uma das condições que especifica o tratado que levou a paz à região em 1998.

Os conservadores mais eurocéticos criticam, contudo, que esses planos deixarão o Reino Unido integrado nas estruturas da UE até que se firme um novo tratado comercial, o que dificultará que o país estabeleça novos pactos comerciais com países terceiros.

Essa recusa levou a que uma ampla maioria do parlamento britânico tenha chumbado no passado dia 15 o acordo do Brexit.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Imagens de satélite indicam que Irão começou construções em instalação nuclear

Imagens de satélite divulgadas esta quarta-feira mostram atividades na instalação nuclear iraniana de Natanz, um dia depois de inspetores da Agência Internacional de Energia Atómica confirmarem que o Irão iniciou a construção de uma central …

"Salvadores brancos". Organização vai acabar com as viagens de celebridades a África

A organização Comic Relief vai deixar de enviar celebridades como Ed Sheeran ou Stacey Dooley para fazerem filmes promocionais em países africanos após decidir que a abordagem reforça estereótipos ultrapassados sobre “salvadores brancos”. Além de acabar …

Tragédia no Canal da Mancha. Quatro migrantes morreram em alto mar após Governo rejeitar rota segura

De acordo com as autoridades francesas, quatro migrantes - incluindo duas crianças de cinco e oito anos - morreram ao tentar chegar ao Reino Unido de barco através do Canal da Mancha. O pequeno barco …

Detidos 21 suspeitos de desviarem fundos para financiar Puigdemont na Bélgica

A operação da polícia espanhola contra o alegado desvio de fundos públicos para financiar as despesas do ex-presidente regional catalão Carles Puigdemont fugido na Bélgica resultou hoje em 21 detidos ligados ao movimento independentista na …

Ativista detido depois de tentar retirar uma escultura indonésia do Museu do Louvre

Mwazulu Diyabanza foi detido na semana passada em Paris, depois de tentar retirar uma escultura indonésia do Louvre. O ativista congolês disse que a ação foi parte de um protesto para que os museus europeus …

Proteção Civil do Porto já pediu recolher obrigatório e recomenda novo estado de emergência

A Proteção Civil do distrito do Porto já avançou com o pedido ao Governo de recolher obrigatório para a região. Marco Martins sugere ainda o regresso ao estado de emergência. Marco Martins, responsável pela proteção Civil …

Exames nacionais de 2021 mantêm normas excecionais criadas no anterior ano letivo

Os professores vão voltar a contabilizar, na classificação dos próximos exames nacionais, apenas as respostas às perguntas obrigatórias e àquelas em que o aluno tenha melhor pontuação, à semelhança das normas excecionais aplicadas no ano …

PSD-Madeira critica preços "pornográficos" e "obscenos" nas viagens da TAP no Natal

O PSD-Madeira voltou nesta quarta-feira a criticar os preços praticados pela TAP nas viagens para a região, referindo que na época do Natal chegam a atingir 1.143 euros, e considerou os valores “pornográficos” e “obscenos”. “São …

Autarca de Roma revela que máfia italiana planeou um ataque contra si e a sua família

A presidente da Câmara de Roma, Virginia Raggi, revelou que grupos do crime organizado planearam matá-la e a sua família porque ela os estava a atacar em partes da capital italiana que dominam. Aos 37 anos, …

OE2021. "Quem vota contra quer outro modelo ou desistiu de melhorar o SNS", diz Temido

A ministra da Saúde, Marta Temido, sustentou esta quarta-feira que os partidos que vão votar contra o Orçamento do Estado para 2021 querem outro modelo de sistema de saúde ou desistiram de melhorar o SNS. Numa …