Matança na Síria continua “sem vergonha, decência ou responsabilidade”

Mohammed Badra / EPA

A comissão da ONU que documenta os crimes da guerra na Síria lamentou que a matança de sírios “continue sem qualquer vergonha, decência ou responsabilidade”, a dois dias do sétimo aniversário do início do conflito.

O presidente desta comissão, o jurista brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, apresentou hoje ao Conselho de Direitos Humanos da ONU o seu relatório mais recente sobre as violações de direitos fundamentais perpetradas na Síria desde julho do ano passado.

O responsável descreveu a situação que se vive hoje na região de Ghouta oriental, um bastião rebelde perto de Damasco que tem sido alvo de uma intensa ofensiva das forças governamentais sírias, mas recordou que “nenhuma destas atrocidades é nova”.

Paulo Sérgio Pinheiro lembrou tratar-se da sua 23.ª apresentação de um relatório à ONU e lamentou que todas as esperanças que renasceram no final do ano passado sobre o fim da violência se tenham dissipado com o recrudescer do conflito.

Lastimou que nem a autoridade do Conselho de Segurança da ONU seja respeitada, recordando a violação do cessar-fogo decretado há apenas dez dias para permitir o acesso humanitário seguro a Ghouta oriental.

“Centenas de doentes e feridos pioram enquanto esperam uma possibilidade de evacuação médica. Alguns dos que estavam em lista de casos graves para evacuação já morreram”, disse.

A comissão referiu-se também à situação em Afrine, cidade do noroeste da Síria controlada pela milícia curda síria Unidades de Proteção do Povo (YPG), contra as quais o exército turco lançou uma ofensiva a 20 de janeiro. Naquela localidade vivem atualmente 320 mil pessoas, incluindo 125 mil deslocados internos.

Sobre a província de Idleb, a única que ainda está sob controlo de grupos rebeldes e onde vivem dois milhões de pessoas, Pinheiro condenou o ataque a infraestruturas vitais para a sobrevivência dos civis, nomeadamente hospitais.

De acordo com um novo balanço do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), a guerra na Síria já causou mais de 350 mil mortos. Entre as vítimas mortais encontram-se 106.390 civis, incluindo 19.811 crianças, precisou.

Após a intervenção de Paulo Sérgio Pinheiro, o embaixador sírio na ONU em Genebra, Hussam Edin Aala, rejeitou as alegações da Comissão e acusou o Conselho dos Direitos Humanos de promover “uma campanha para manchar a imagem do Governo sírio“.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Costa condiciona extensão do Brexit para além de 23 de maio à aprovação do acordo

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta quinta-feira que uma extensão do Brexit para além de 23 de maio implica a ratificação do Acordo de Saída pelo Parlamento britânico ou a realização de eleições europeias no …

Ter avós, tios ou primos com Alzheimer influencia risco de desenvolver a doença

Ter avós, tios ou primos com Alzheimer aumenta a probabilidade de desenvolver a doença, concluiu um estudo recente que avaliou a história familiar de mais de 280 mil pessoas. Na última década, vários estudos indicaram a …

Marcelo Rebelo de Sousa promulgou a nova lei da paridade (mas com alguns parêntesis)

O Presidente da República promulgou a nova Lei da Paridade. A lei estabelece que as listas para a Assembleia da República, para o Parlamento Europeu e para as autarquias locais têm de assegurar a representação …

Cientistas descobrem o que provocou três eras glaciais na Terra

Cientistas estadunidenses calcularam que um evento geológico repetido deu origem às três últimas eras glaciais no nosso planeta, a última das quais ainda mantém o seu gelo nas regiões polares. Segundo a revista Science, a responsável …

A Terra pode guardar um Oumuamua no seu interior

Uma parte da terra que pisamos poderia vir, literalmente, de outras regiões da galáxia - áreas muito distantes do local onde o planeta está localizado e que para chegar até aqui teriam que viajar anos-luz …

Há um planeta mais próximo da Terra do que Vénus

A partir do Sol, a ordem dos primeiros planetas começa com Mercúrio, depois Vénus e depois a Terra. Então, Vénus é o planeta mais próximo do nosso? A resposta é: depende. Uma equipa de cientistas acaba …

O fim das consolas está à vista. Google lança serviço de videojogos na "nuvem"

A Google apresentou o seu novo serviço de jogos na "nuvem", Stadia, na Game Developers Conference (GDC), em São Francisco. O serviço não precisa de nenhuma consola e pode ser jogado em qualquer plataforma. O CEO …

Câmaras escondidas em hotéis filmavam hóspedes sem consentimento

O escândalo foi revelado na Coreia do Sul, onde dois homens foram presos por esconder câmaras em hotéis, que transmitiam as imagens em direto para um site, onde havia quem pagasse dinheiro para ver as …

Mesquita Nunes quer ser feliz (e que haja espaço nos partidos para quem tem vida profissional)

Adolfo Mesquita Nunes defende que "tem de haver espaço nos partidos para quem tem vida profissional". O antigo vice-presidente do CDS/PP apresentou a sua demissão do partido para assumir funções na administração da Galp. "Tem a …

Finlandeses são o povo mais feliz do mundo

A Finlândia lidera, pelo segundo ano consecutivo, um ranking da ONU das populações mais felizes, onde os investigadores dizem que os níveis de felicidade no mundo estão a diminuir. O Relatório Mundial sobre a Felicidade de …