Marroquinas declaram-se “fora da lei” para defender a sua liberdade

Centenas de marroquinas declararam-se “fora-da-lei”, proclamando terem já violado as “obsoletas” leis sobre os costumes e o aborto, num manifesto publicado, esta segunda-feira, por vários media marroquinos em nome das liberdades individuais.

A tomada de posição, uma iniciativa rara com esta amplitude, é igualmente divulgada pelo diário francês Le Monde, que lhe dedicará a sua primeira página da edição de terça-feira.

Somos fora-da-lei. Violamos leis injustas, obsoletas e desnecessárias. Tivemos relações sexuais fora do casamento. Sofremos, realizámos ou fomos cúmplices de um aborto”, afirmam as signatárias da carta aberta.

“A cultura da mentira e da hipocrisia social gera a violência, o arbitrário, a intolerância. Estas leis, liberticidas e inaplicáveis, tornaram-se ferramentas de vingança política ou pessoal”, declara o manifesto lançado como uma petição aberta aos homens.

O texto, com coautoria da escritora franco-marroquina Leila Slimani, conta simbolicamente com 490 assinaturas, uma referência ao artigo 490 do código penal marroquino que pune com a prisão as relações sexuais fora do casamento.

A sua publicação coincide com a terceira audiência do julgamento de Hajar Rainoussi, uma jornalista detida desde o final de agosto por “aborto ilegal” e “deboche” (sexo fora do casamento).

A repórter do diário em língua árabe Akhbar Al-Yaoum denuncia um “caso político” desde que foi presa.

A libertação de Rainoussi foi rejeitada a semana passada pelo tribunal de Rabat, assim como a do seu namorado, do médico, da enfermeira e da secretária de uma clínica, detidos na mesma altura que a jornalista.

Além desde caso, o manifesto das “fora-da-lei” quer “defender todas as vidas destruídas pela infâmia ou a prisão”, declarou à agência France-Presse Leila Slimani, nomeada em 2017 representante pessoal do Presidente francês, Emmanuel Macron, para a Francofonia.

“É uma campanha apoiada por uma diversidade de mulheres, professoras, banqueiras, domésticas, estudantes, artistas ou intelectuais”, disse à AFP a realizadora Sonia Terrab, coautora do texto.

Não aguento mais. Porque o meu corpo pertence-me, não pertence nem ao meu pai, nem ao meu marido, nem aos que me rodeiam, nem aos olhos dos homens na rua e ainda menos ao Estado”, afirmam as signatárias.

O texto evoca na sua forma o manifesto feminista das “343 vadias”, que levou à revogação da lei sobre o aborto em França no início dos anos 1970.

Em 2018, a justiça marroquina processou 14.503 pessoas por deboche, 3.048 por adultério, 170 por homossexualidade e 73 por interrupção voluntária da gravidez, segundo os dados oficiais.

As estimativas apontam para que se realizam diariamente em Marrocos entre 600 e 800 abortos clandestinos.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Polícia britânica tingiu de negro uma lagoa azul para afastar visitantes

A Polícia britânica decidiu tingir de negro uma lagoa azul muito procurada na região de Derbyshire, visando assim afastar os visitantes e fazer com que estes cumpram o isolamento social exigido pelas autoridades para travar …

A maior cascata do Equador desapareceu repentinamente

A maior cascata do Equador, com cerca de 150 metros, desapareceu repentinamente por causa de uma dolina. Investigadores ainda não sabem se esta apareceu por causas naturais ou humanas. Em fevereiro, a cascata de San Rafael, …

Aprovada descida de 3% na eletricidade no mercado regulado

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) aprovou uma descida do preço da tarifa aplicada no mercado regulado de cinco euros por megawatt/hora (MWh). Contas feitas, trata-se de uma redução de aproximadamente 3% no total …

Turquemenistão proibiu o uso da palavra "coronavírus"

Enquanto o mundo luta para conter a propagação da pandemia de covid-19, no Turquemenistão os cidadãos podem ser presos só por dizerem a palavra "coronavírus". De acordo com a rádio NPR, que cita a organização não …

EDP oferece desconto de 20% a profissionais e organizações de saúde

Face à pandemia de covid-19, a EDP vai oferecer um desconto de 20% na fatura da eletricidade a profissionais e organizações de saúde, anunciou esta quarta-feira a empresa liderada por António Mexia em comunicado. “A …

Bill Gates deixa três recomendações para os Estados Unidos combaterem a pandemia

Num artigo publicado no jornal norte-americano Washington Post, o fundador da Microsoft, Bill Gates, deixa três recomendações para os Estados Unidos combaterem a pandemia de covid-19, que já fez 43 mil mortes em todo o …

Comissão de Trabalhadores da TAP pede nacionalização da companhia

A Comissão de Trabalhadores (CT) da TAP reforçou esta quarta-feira o apelo para que a transportadora “se torne 100% pública”, depois de a empresa ter anunciado o lay-off da maioria dos trabalhadores, segundo um comunicado. No …

"Posso ir?" Há uma app que lhe diz como estão as filas nos supermercados

A comunidade tecnológica tech4COVID19 criou uma aplicação móvel que permite aos seus utilizadores consultar as filas e as afluências aos supermercados. A app, sob o nome "Posso ir?", pretende orientar os utilizadores nas idas aos …

Conte pede à Alemanha mais solidariedade europeia. “Se somos uma União, está na hora de o provarmos”

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, fez esta quarta-feira um apelo solene à Alemanha para que haja mais solidariedade europeia no combate à pandemia da covid-19, que está a afetar severamente o seu país. “Se somos uma …

Em França, Portugal é destacado como bom exemplo (mas também pela sorte da sua geografia)

Portugal tem "11 vezes menos mortes" do que Espanha, em proporção das respectivas populações, e parece estar a lidar melhor com a pandemia de Covid-19 do que o país vizinho. Esta é a conclusão de …