Marroquinas declaram-se “fora da lei” para defender a sua liberdade

Centenas de marroquinas declararam-se “fora-da-lei”, proclamando terem já violado as “obsoletas” leis sobre os costumes e o aborto, num manifesto publicado, esta segunda-feira, por vários media marroquinos em nome das liberdades individuais.

A tomada de posição, uma iniciativa rara com esta amplitude, é igualmente divulgada pelo diário francês Le Monde, que lhe dedicará a sua primeira página da edição de terça-feira.

Somos fora-da-lei. Violamos leis injustas, obsoletas e desnecessárias. Tivemos relações sexuais fora do casamento. Sofremos, realizámos ou fomos cúmplices de um aborto”, afirmam as signatárias da carta aberta.

“A cultura da mentira e da hipocrisia social gera a violência, o arbitrário, a intolerância. Estas leis, liberticidas e inaplicáveis, tornaram-se ferramentas de vingança política ou pessoal”, declara o manifesto lançado como uma petição aberta aos homens.

O texto, com coautoria da escritora franco-marroquina Leila Slimani, conta simbolicamente com 490 assinaturas, uma referência ao artigo 490 do código penal marroquino que pune com a prisão as relações sexuais fora do casamento.

A sua publicação coincide com a terceira audiência do julgamento de Hajar Rainoussi, uma jornalista detida desde o final de agosto por “aborto ilegal” e “deboche” (sexo fora do casamento).

A repórter do diário em língua árabe Akhbar Al-Yaoum denuncia um “caso político” desde que foi presa.

A libertação de Rainoussi foi rejeitada a semana passada pelo tribunal de Rabat, assim como a do seu namorado, do médico, da enfermeira e da secretária de uma clínica, detidos na mesma altura que a jornalista.

Além desde caso, o manifesto das “fora-da-lei” quer “defender todas as vidas destruídas pela infâmia ou a prisão”, declarou à agência France-Presse Leila Slimani, nomeada em 2017 representante pessoal do Presidente francês, Emmanuel Macron, para a Francofonia.

“É uma campanha apoiada por uma diversidade de mulheres, professoras, banqueiras, domésticas, estudantes, artistas ou intelectuais”, disse à AFP a realizadora Sonia Terrab, coautora do texto.

Não aguento mais. Porque o meu corpo pertence-me, não pertence nem ao meu pai, nem ao meu marido, nem aos que me rodeiam, nem aos olhos dos homens na rua e ainda menos ao Estado”, afirmam as signatárias.

O texto evoca na sua forma o manifesto feminista das “343 vadias”, que levou à revogação da lei sobre o aborto em França no início dos anos 1970.

Em 2018, a justiça marroquina processou 14.503 pessoas por deboche, 3.048 por adultério, 170 por homossexualidade e 73 por interrupção voluntária da gravidez, segundo os dados oficiais.

As estimativas apontam para que se realizam diariamente em Marrocos entre 600 e 800 abortos clandestinos.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Reino Unido e UE retomam negociações. Londres vai pedir adiamento se não houver acordo até sábado

O Reino Unido e a União Europeia (UE) retomam esta quarta-feira as negociações sobre o 'Brexit', depois de na véspera se ter anunciado que um acordo estaria iminente. "Ainda há trabalho a fazer", referiu o …

Filho de Biden quebra o silêncio. "Sei que não fiz nada errado"

O filho do ex-vice-Presidente norte-americano, que tem estado no centro do inquérito para a destituição de Donald Trump, admitiu que o seu percurso profissional na Ucrânia foi uma má decisão, rejeitando, porém, ter feito algo …

Já se sabe onde se vão sentar os novos partidos no Parlamento

A deputada do Livre vai sentar-se entre PCP e PS, o deputado da Iniciativa Liberal entre PSD e CDS-PP e o deputado do Chega o mais à direita, todos na segunda fila. A conferência de líderes …

Rota do Cabo: Funcionária emitiu 15 mil números de contribuinte fraudulentos em três anos

Funcionários das Finanças, da Segurança Social, do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e advogados estão entre os principais suspeitos desta rede criminosa de auxílio à imigração ilegal. A Polícia Judiciária (PJ) desmantelou, esta terça-feira, uma organização …

"É desonesto eu pagar". Paulo Maló revoltado por causa das dívidas do império que criou

O empresário e médico dentista Paulo Maló, fundador do grupo Malo Clinic, está revoltado com a possibilidade de ter que responder financeiramente no âmbito das dívidas de 70 milhões de euros que a empresa acumulou. O …

Sismo de magnitude 6.7 atinge as Filipinas

Um terramoto de magnitude 6.7 atingiu as Filipinas, a 69 quilómetros da cidade de Davao, avança a agência Reuters. De acordo com o Serviço de Prevenção de Tsunamis do Pacífico, não é esperado um tsunami …

Web Summit: Câmara de Lisboa terá que pagar mais 4,7 milhões de euros para assegurar edição deste ano

A Câmara de Lisboa vai discutir na quinta-feira alterações ao acordo para a realização da Web Summit, entre as quais o pagamento de mais 4,7 milhões de euros e o adiamento da expansão da Feira …

Business Insider: "Lisboa foi feita para o Instagram"

"Lisboa é cool." Hillary Hoffower, jornalista do Business Insider, apaixonou-se e descreveu a capital portuguesa num artigo em que diz entender porque é que Lisboa se tornou no "destino mais popular entre millenials em 2019". Hillary …

Bolsonaro prestes a deixar PSL. Partido da IURD na corrida para o receber

Em rota de colisão com o seu atual partido, o Partido Social Liberal (PSL), o Presidente brasileiro Jair Bolsonaro equaciona romper e já recebeu cinco convites de partidos de pequeno e médio porte, admitiu a …

Antigo ministro Pedro Mota Soares assume liderança da Apritel

O ex-ministro e ex-deputado do CDS foi o escolhido para liderar a Apritel, a associação que representa as principais operadoras de telecomunicações, como a Meo, a Nos e a Vodafone. O novo secretário-geral da associação …