Apelos à libertação de jornalista detida por “aborto ilegal” em Marrocos

Organizações de defesa dos direitos humanos apelaram esta sexta-feira à libertação imediata de uma jornalista detida em Marrocos por um “aborto ilegal”, que esta nega, enquanto as mensagens de apoio se multiplicam nas redes sociais.

“Em vez de intimidar Hajar Raissouni, perseguindo-a com acusações injustas, as autoridades deviam libertá-la imediatamente e sem condições”, afirmou Heba Morayef, diretora regional da Amnistia Internacional, num comunicado.

“Violar o seu direito à vida privada e criminalizar uma liberdade individual é inadmissível”, secundou Ahmed Benchemsi, diretor regional da Human Rigths Watch. “Acrescem as suspeitas de golpe baixo político visto que a acusada é repórter num dos últimos jornais independentes de Marrocos”, adiantou.

Raissouni, 28 anos, jornalista do diário de língua árabe Akhbar Al-Yaoum, foi detida por seis polícias à saída de uma clínica da capital de Marrocos e submetida a um exame médico que contesta.

Ficou detida até ao julgamento previsto para segunda-feira por “aborto ilegal” e “relações sexuais fora do casamento”. O namorado, com o qual deve casar em meados deste mês, segundo os seus familiares, foi detido ao mesmo tempo, assim como o médico que a tratava, um enfermeiro e uma secretária.

Na quarta-feira, o procurador-geral do rei no tribunal de primeira instância de Rabat detalhou, num longo comunicado, os elementos médicos que confirmavam os seus “sinais de gravidez” e o seu “aborto voluntário tardio”. “A acusação da pessoa em causa nada tem a ver com a sua profissão de jornalista, referindo-se a factos considerados pelo Código Penal como crimes”, adiantou.

A jornalista, por seu turno, denuncia um “caso político” relacionado com os seus artigos, segundo os seus familiares. Raissouni assegura numa carta publicada pelo seu jornal ter sido interrogada sob custódia sobre os seus tios, um ideólogo islâmico que preside a uma associação religiosa e um editorialista do Akhbar Al-Yaoum conhecido pelas suas críticas.

O editor do seu jornal, Touafik Bouachrine, foi condenado no final de 2018 a 12 anos de prisão num caso de agressão sexual, cujo recurso está a ser analisado em Casablanca. O jornalista também denunciou um “processo político”, desmentindo as acusações que o visavam.

O caso suscitou indignação nos media e nas redes sociais, com reações sobre o direito à vida privada, as liberdades individuais e o direito das mulheres a disporem dos seus corpos. Cerca de 150 jornalistas assinaram uma petição de solidariedade, denunciando as “campanhas difamatórias” visando destruir a sua colega.

A lei marroquina pune a interrupção voluntária da gravidez com penas de seis meses a cinco anos de prisão, a não ser que a vida da mãe esteja em risco. De 600 a 800 abortos clandestinos são realizados diariamente em Marrocos, segundo as associações que defendem a legalização da interrupção voluntária da gravidez.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Indiana Jones do mundo da arte" recupera manuscrito do poeta persa Hafez

Uma das primeiras cópias do reverenciado Divan do autor do século XIV Hafez, iluminado com ouro, será leiloado no início de abril. O famoso poeta persa do século XIV, Hafez, escreveu uma coleção de versos místicos …

O palco onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda

O palco de madeira onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda. Agora, alguém poderá replicar o primeiro concerto da famosa banda. A 10 de abril, em comemoração dos 50 anos da separação da …

Células estaminais podem ajudar a proteger os astronautas da radiação espacial

Assim que os astronautas deixam a proteção do campo magnético da Terra, ficam automaticamente expostos a níveis elevados de radiação cósmica. A Agência Espacial Europeia (ESA) está cada vez mais focada em investigações para reduzir …

Pandemia pode trazer nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas

A pandemia de Covid-19 pode trazer uma nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas como limpeza de superfícies infetadas ou vigiar pessoas em quarentena, afirmam esta quarta-feira alguns dos principais investigadores internacionais em …

Multimilionários refugiam-se da Covid-19 a bordo de iates

Vários multimilionários têm procurado refugiar-se da pandemia de Covid-19, que nasceu em dezembro passado na China, em alto mar, a bordo de iates de luxo. Em declarações ao jornal The Telegraph, Jonathan Beckett, executivo da …

Este mamífero consegue sobreviver a quase sete mil metros de altura

Cientistas pensam ter confirmado que um pequeno rato descoberto no vulcão Llullaillaco, nos Andes, é o mamífero que consegue viver à maior altitude já conhecida (6739 metros). Segundo o IFLScience, o Phyllotis xanthopygus rupestris foi descoberto, …

O glaciar Denman recuou quase cinco quilómetros nos últimos 22 anos

O glaciar Denman, na Antártica Oriental, recuou cerca de cinco quilómetros nos últimos 22 anos. Investigadores da Universidade da Califórnia, Irvine e do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA estão preocupados coma topografia exclusiva …

Gruta em Setúbal mostra que os Neandertais também eram pescadores

Cientistas encontraram restos de alimentos numa gruta, no distrito de Setúbal, que comprovam que os Neandertais também se alimentavam de espécies marinhas. De acordo com o jornal espanhol ABC, restos encontrados por uma equipa de arqueólogos …

Associação alerta para riscos da mudança da hora em tempos de confinamento

O presidente da Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono advertiu hoje que os efeitos potencialmente adversos causados pela mudança da hora podem acentuar-se devido ao confinamento obrigatório das pessoas na sequência da pandemia …

Governo português legaliza estrangeiros ilegais. "A prioridade é a defesa da saúde"

O Governo português decidiu regularizar os estrangeiros com pedidos pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, medida em vigor desde a declaração do estado de emergência, no dia 19, e que lhes garante os mesmos …