Apelos à libertação de jornalista detida por “aborto ilegal” em Marrocos

Organizações de defesa dos direitos humanos apelaram esta sexta-feira à libertação imediata de uma jornalista detida em Marrocos por um “aborto ilegal”, que esta nega, enquanto as mensagens de apoio se multiplicam nas redes sociais.

“Em vez de intimidar Hajar Raissouni, perseguindo-a com acusações injustas, as autoridades deviam libertá-la imediatamente e sem condições”, afirmou Heba Morayef, diretora regional da Amnistia Internacional, num comunicado.

“Violar o seu direito à vida privada e criminalizar uma liberdade individual é inadmissível”, secundou Ahmed Benchemsi, diretor regional da Human Rigths Watch. “Acrescem as suspeitas de golpe baixo político visto que a acusada é repórter num dos últimos jornais independentes de Marrocos”, adiantou.

Raissouni, 28 anos, jornalista do diário de língua árabe Akhbar Al-Yaoum, foi detida por seis polícias à saída de uma clínica da capital de Marrocos e submetida a um exame médico que contesta.

Ficou detida até ao julgamento previsto para segunda-feira por “aborto ilegal” e “relações sexuais fora do casamento”. O namorado, com o qual deve casar em meados deste mês, segundo os seus familiares, foi detido ao mesmo tempo, assim como o médico que a tratava, um enfermeiro e uma secretária.

Na quarta-feira, o procurador-geral do rei no tribunal de primeira instância de Rabat detalhou, num longo comunicado, os elementos médicos que confirmavam os seus “sinais de gravidez” e o seu “aborto voluntário tardio”. “A acusação da pessoa em causa nada tem a ver com a sua profissão de jornalista, referindo-se a factos considerados pelo Código Penal como crimes”, adiantou.

A jornalista, por seu turno, denuncia um “caso político” relacionado com os seus artigos, segundo os seus familiares. Raissouni assegura numa carta publicada pelo seu jornal ter sido interrogada sob custódia sobre os seus tios, um ideólogo islâmico que preside a uma associação religiosa e um editorialista do Akhbar Al-Yaoum conhecido pelas suas críticas.

O editor do seu jornal, Touafik Bouachrine, foi condenado no final de 2018 a 12 anos de prisão num caso de agressão sexual, cujo recurso está a ser analisado em Casablanca. O jornalista também denunciou um “processo político”, desmentindo as acusações que o visavam.

O caso suscitou indignação nos media e nas redes sociais, com reações sobre o direito à vida privada, as liberdades individuais e o direito das mulheres a disporem dos seus corpos. Cerca de 150 jornalistas assinaram uma petição de solidariedade, denunciando as “campanhas difamatórias” visando destruir a sua colega.

A lei marroquina pune a interrupção voluntária da gravidez com penas de seis meses a cinco anos de prisão, a não ser que a vida da mãe esteja em risco. De 600 a 800 abortos clandestinos são realizados diariamente em Marrocos, segundo as associações que defendem a legalização da interrupção voluntária da gravidez.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Alguns planetas podem orbitar um buraco negro supermassivo em vez de uma estrela

Estamos habituados à ideia de que um planeta orbita estrelas. No entanto, estes corpos celestes podem também existir em torno de buracos negros supermassivos. Os cientistas já haviam adotado a ideia de que há planetas a …

PSD a 3 deputados da maioria na Madeira. CDS afasta geringonças

Miguel Albuquerque, político experiente, apreciador de música e apaixonado por rosas, voltou hoje a vencer as eleições regionais da Madeira, mas tem agora pela frente a ‘espinhosa’ tarefa de negociar um entendimento que garanta estabilidade …

Porto 2-0 Santa Clara | E vão cinco vitórias consecutivas na Liga

O FC Porto respondeu ao triunfo do Benfica no sábado em Moreira de Cónegos com a quinta vitória consecutiva na Liga, na recepção ao Santa Clara, por 2-0. Num jogo morno, com uma segunda parte mal jogada …

Mazda entra na corrida e prepara lançamento do seu primeiro carro elétrico

A Mazda garantiu o lançamento do seu primeiro carro elétrico já no próximo ano. O veículo será apresentado no Salão Automóvel de Tóquio. A corrida dos veículos elétricos acelera a todo o vapor e a Mazda …

Descobertas evidências de um reino bíblico em pleno deserto israelita

A bíblia faz referência a um reino de Edom, do século X antes de Cristo. Novas evidências sugerem que este reino poderá ter estado assente no deserto de Arava, no Israel. A análise de arqueólogos a …

PSD vence regionais na Madeira mas perde maioria absoluta

O PSD venceu hoje as eleições legislativas regionais na Madeira, com 37% a 41% dos votos, o que lhe retira a maioria absoluta no parlamento, segundo a projeção da RTP/Católica. O Partido Social Democrata venceu as …

No Afeganistão, há mulheres a arriscar a vida por um golo

As jogadores da seleção de futebol feminino do Afeganistão não treinam no seu país por razões de segurança. Muitas sofreram abusos sexuais e correm risco de vida para poderem jogar futebol. Pelo menos alguma vez na …

Cientista diz que avanços científicos podem levar à extinção humana

A evolução da ciência e tecnologia pode ser fundamental para evitar catástrofes, mas, ironicamente, pode também ser a causadora do fim da nossa espécie. O estudo das mudanças climáticas baseia-se em simulações cada vez mais de …

A ilha mais remota do mundo tem nome português

Tristão da Cunha é uma ilha com apenas 250 habitantes, onde ninguém fala português. Não há hotel nem aeroporto. Há quem parta em busca de um lugar sossegado para evitar as grandes multidões turísticas. Caso esteja …

Costa não tinha dúvidas. O parecer da PGR sobre familiares é “absolutamente inequívoco”

O secretário-geral do PS, António Costa, defendeu hoje que o parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre as incompatibilidades entre governantes e negócios com empresas de familiares é “absolutamente inequívoco”. “O parecer é absolutamente inequívoco sobre …