De Norte a Sul, Marcelo sai à rua. João Ferreira lotou Coliseu, Ana Gomes retoma compromissos e Tino fica em casa

José Sena Goulão / Lusa

Apesar de o Governo já ter dado certezas de um novo confinamento, Marcelo Rebelo de Sousa e Ana Gomes vão manter alguns compromissos da sua agenda. Já Vitorino Silva anunciou o cancelamento da sua campanha.

Fazer campanha num país confinado pode não ser uma tarefa muito fácil. Marcelo Rebelo de Sousa ainda não sabe em que linhas se vai marcar a sua campanha nos próximos dias, porém já decidiu os dias em que vai sair à rua. Contudo, o atual presidente prescindiu dos tempos de antena.

O recandidato vai fazer campanha de rua durante quatro dias, entre Lisboa, Porto e Celorico, embora ainda não saiba de que forma esta se vai desenrolar. Marcelo tinha previsto visitar livrarias, instituições sociais e andar pelos cafés, mas, com o país em confinamento geral, vai ter que encontrar alternativas. Neste sentido, as escolas podem ser uma hipótese, mas nada é certo.

De acordo com o Expresso, Marcelo Rebelo de Sousa prescinde dos tempos de antena na televisão e na rádio. A razão invocada pelo Chefe de Estado é evitar expor uma disparidade entre as imagens da sua história recente como Presidente e as dos outros candidatos. O facto de Marcelo não ter estrutura de campanha, e de sentir que o grosso da sua campanha está feita, também terá contribuído para esta decisão, escreve o jornal.

A partir de dia 18, Marcelo sai do período de cautela profilática que lhe foi recomendado pelas autoridades de saúde após saber-se que tinha tido contacto com uma pessoa infetada, e no dia 19 arranca ao volante do seu carro. A breve campanha está marcada para os dias 19, 20, 21 e 22 de janeiro.

Esta segunda-feira dá uma entrevista ao podcast de Daniel Oliveira. Na terça, tem reunião no Infarmed de manhã, recebe os partidos em Belém à tarde, e à noite estará no debate com todos os candidatos presidenciais na RTP.

Já na quinta-feira dá uma entrevista à Antena 1. Por fim, no dia 20, terá um último debate com Vitorino Silva no Porto Canal.

Preocupado com a abstenção, que o confinamento geral tenderá a agravar, Marcelo Rebelo de Sousa confia, no entanto, que os eleitores acabem por ir votar, aproveitando a possibilidade de desconfinamento permitida no dia das eleições.

João Ferreira manteve os planos. O candidato começou ontem o período de campanha oficial, no Coliseu do Porto – com um terço da lotação total, conforme mandam as regras da DGS, avança o Observador.

O comunista diz que “não minimiza por um segundo as justas preocupações e inquietações que o atual contexto suscita nas populações”, mas frisa que sabe “o que está em causa nas eleições” e que “não desistirá de fazer o trabalho necessário para assegurar o esclarecimento e a mobilização necessários ao voto”.

No seu discurso no Porto, acrescentou ainda que “não desistirá de ir com a voz da candidatura a cada canto deste país” e, através dos meios de que dispõe, chegar também às “comunidades na diáspora”. João Ferreira não tenciona desistir da corrida nem abdicar de marcar presença de norte a sul. A agenda, como é sabido, está sujeita às contingências a anunciar na terça-feira.

Ana Gomes, ao contrário de outros candidatos, não participou em qualquer ação de campanha este domingo, dia do arranque oficial da corrida presidencial e admitiu cancelar todas as ações até serem tomadas as medidas de reforço do combate à pandemia.

Contudo, a candidata decidiu que esta segunda-feira volta ao terreno com uma visita programada para o centro de saúde de Mem Martins. A socialista irá participar, de forma remota, no encontro com os especialistas de saúde, à semelhança dos outros candidatos presidenciais, avança o Expresso.

Em comunicado de última hora, a direção de campanha avisou, entretanto, que serão realizadas duas iniciativas esta segunda-feira. Ana Gomes estará no centro de saúde de Mem Martins, de manhã e no final do dia participará num debate online com estudantes de Medicina.

O candidato presidencial Vitorino Silva anunciou, este domingo, que vai cancelar as ações da sua campanha eleitoral durante o novo confinamento a partir de quinta-feira, devido à pandemia de covid-19.

Questionado pelos jornalistas, em Peniche, o candidato respondeu que vai cancelar as ações de campanha previstas para os dias do novo confinamento que se avizinha. “Eu pertenço ao povo, não quero mordomias”, justificou, explicando que, se o povo estiver confinado em casa, ele também estará.

Tino de Rans considerou que as eleições deveriam ter sido “adiadas logo em Setembro” e, tendo em conta a evolução da situação pandémica no país, defendeu que “não há condições” para os portugueses irem votar no dia 24.

No primeiro dia de campanha, o candidato às eleições presidenciais parte com o objetivo de arrecadar mais votos do que há cinco anos.

  Ana Moura, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Deixo aqui um ponto importante, mais uma vez os cidadaos Portugueses sao tratados de modo diferenciado e estas eleicoes, mais umas onde a democracia nao funciona. Um eleitor que esteja inscrito fora de Portugal e em condicoes de poder exercer o seu direito ao voto, se o nao puder fazer presencialmente fica impedido. Exemplo pratico, cidadao Portugues inscrito no Reino Unido mas que sabe antecipadamente que nao pode votar presencialmente no R.U. nao pode antecipar a sua votacao por impedimento. Estando a data da eleicao em Portugal esta vedado o poder exercer esse direito e dever!

RESPONDER

Recuperados da covid-19 vão poder tomar segunda dose se for preciso para viajar

A diretora-geral da Saúde revelou, este sábado, que os recuperados da covid-19 vão agora poder tomar uma segunda dose da vacina, caso seja preciso para poderem viajar. Esta semana, o Jornal de Notícias tinha avançado que …

Líder do PCP diz que problemas do país "não se resolvem com dramatizações"

O secretário-geral do PCP defendeu, este sábado, que os problemas do país "não se resolvem com dramatizações ou com o agigantar de dificuldades sobre o futuro", numa crítica ao Governo. Num discurso de quase 30 minutos …

Marcelo fez o que podia para prevenir crise política. Agora, fica à espera do diálogo

O Presidente da República transmitiu, este sábado, que fez em público e privado o que podia para prevenir junto dos partidos uma crise política e afirmou que espera diálogo sobre o Orçamento do Estado nos …

Candidato do Chega detido por tentativa de homicídio de família sueca

O suspeito da tentativa de homicídio de uma família sueca em Moura, Beja, foi candidato do Chega à freguesia de Póvoa de São Miguel nas últimas eleições autárquicas. O líder do partido já condenou este …

A judoca Bárbara Timo

Judoca Bárbara Timo conquista ouro nos -63kg no Grand Slam de Paris

A judoca portuguesa Bárbara Timo conquistou, este sábado, a medalha de ouro no primeiro dia do Grand Slam de Paris, na sua estreia na categoria -63 kg em provas do circuito mundial. Bárbara Timo, de 30 …

Afinal, o início do Universo pode nunca ter realmente existido

Investigador português da Universidade de Liverpool partiu da teoria dos conjuntos causais para pôr em causa alguns dos conceitos mais importantes na complexa evolução do Universo. A ideia de que o nosso universo foi criado através …

Exoplaneta gigante conseguiu sobreviver à morte da sua estrela

Cientistas encontraram um exoplaneta gigante que parece ter conseguido sobreviver à morte da sua estrela, orbitando neste momento uma anã branca. As anãs brancas são o processo final de estrelas e chegam a ser tão densas …

Homem budista a meditar

O tukdam - um estado mental "meio-morto" dos monges budistas - é o novo fascínio da ciência

Os monges budistas conseguem chegar a um estado de meditação tão profunda que não é detectada qualquer actividade cerebral. No Budismo no Tibete, há um conceito mítico conhecido como "thukdam" ou "tukdam". Acredita-se que este é …

Trofense 1-2 Benfica | Águias passam a rasar

O Benfica, da I Liga, venceu hoje o Trofense, da II Liga, por 2-1, no prolongamento, depois do 1-1 no tempo regulamentar, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue …

Como nasceu o mito dos vampiros? Mais doenças e menos Drácula

Os vampiros são um mito com séculos de história e que podem estar associados a doenças como a raiva e a pelagra — e não ao Drácula. O vampiro é uma imagem comum na cultura pop …