Manifestante morto pelas forças de segurança eleva para 91 número de mortos na Venezuela

Cristian Hernandez / EPA

Grupo de manifestantes enfrenta a Guarda Nacional Bolivariana em protesto contra o presidente da Venezuela

Grupo de manifestantes enfrenta a Guarda Nacional Bolivariana em protesto contra o presidente da Venezuela

Um homem de 25 anos morreu, esta quarta-feira, durante um protesto contra Nicolás Maduro, em Táriba, no Estado venezuelano de Táchira (820 quilómetros a sudoeste de Caracas), elevando para 91 o número de óbitos desde 1 de abril.

Segundo Ricardo Hernández, alcaide de Cárdenas, Engelberth Moncada morreu quando oficiais da Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militar) reprimiam uma manifestação opositora e terá sido atingido por uma granada de gás lacrimogéneo.

A nova morte ocorre no dia em que a oposição convocou mais um bloqueio de estradas em protesto contra as políticas do Presidente Nicolás Maduro, nomeadamente a convocatória de uma Assembleia Constituinte, com o intuito de mudar a Constituição.

Em Caracas, a população bloqueou importantes ruas para impedir a circulação de viaturas durante pelo menos seis horas, havendo registos de tentativas de repressão das forças de segurança em vários pontos da cidade e também de ataques a manifestantes por parte de ‘coletivos’ (motociclistas armados afetos ao regime).

Em El Paraíso e Montalbán (ambas zonas a oeste) os ‘coletivos’ dispararam contra manifestantes, roubando-lhes de seguida os haveres.

Por outro lado, os ‘coletivos’ atacaram um grupo de manifestantes em San Bernardino (centro), causando importantes danos materiais nas instalações do Hospital de Clínicas Caracas. Os atacantes dispararam tiros para dentro do hospital, destruindo as portas de vidro da entrada. A imprensa local dá conta de que foi lançado um explosivo para dentro do hospital que terá criado uma onda de fumo.

Na auto-estrada Francisco Fajardo funcionários da GNB atiraram pedras e bombas de gás lacrimogéneo contra jornalistas que faziam a cobertura dos protestos.

Ontem, o Ministério Público confirmou que 90 pessoas foram assassinadas na Venezuela desde abril, balanço que agora sobe para 91 com o caso divulgado hoje.

“90 pessoas faleceram até ao dia de hoje. Temos 4.658 pessoas processadas, não apenas pelas mortes e lesões, mas também por danos a propriedade pública e privada”, disse a Procuradora-Geral da Venezuela, durante uma conferência de imprensa em Caracas.

Segundo Luísa Ortega Díaz, o MP tem investigado “cada um dos factos que ocorreram durante estes meses de violência, lamentando que “em muitos casos de mortos em manifestações”, aquele organismo não pode exercer um ação penal devido “a obstáculos” que têm surgido, nomeadamente mandados de detenção que não foram executados.

Na Venezuela, as manifestações a favor e contra o Presidente Nicolás Maduro intensificaram-se desde 1 de abril, depois de o Supremo Tribunal de Justiça divulgar duas decisões que limitavam a imunidade parlamentar e em que aquele órgão de soberania assumia as funções do Parlamento.

Entre queixas sobre o aumento da repressão, os opositores manifestam-se ainda contra a convocatória de uma Assembleia Constituinte, feita a 1 de maio pelo Presidente.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Media Capital. Mário Ferreira apresenta queixa na ERC contra a Cofina

O empresário, acionista da Media Capital, entregou, esta segunda-feira, uma queixa na Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) contra o grupo Cofina pelo ataque de que considera ser vítima. De acordo com Mário Ferreira, nos …

Uber vence batalha judicial e prolonga licença para operar em Londres

A Uber ganhou, esta segunda-feira, um recurso legal sobre a revogação da sua licença para operar em Londres, garantindo por enquanto a continuação da empresa num dos seus maiores mercados. De acordo com o Wall Street …

Ordenados "não podem ser cortados", diz comissário. Proposta sobre salário mínimo apresentada em outubro

O comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit, reconheceu as limitações da Comissão Europeia quanto a salários, defendendo que o sistema que no qual está a trabalhar permitirá que os rendimentos aumentem na Europa. Em …

Chega quer expulsar autor de moção pela remoção de ovários a mulheres

A direção do Chega vai propor a “suspensão imediata” do militante Rui Roque que defendia a extração dos ovários numa moção de estratégia que foi rejeitada em congresso, informou esta segunda-feira o partido. Mais de uma …

Precários à espera de apoio extraordinário estão a receber multas do fisco

A Associação de Combate à Precariedade denunciou que a Autoridade Tributária (AT) está a aplicar multas de 75 euros a trabalhadores precários que ficaram sem rendimento e estão a recorrer ao novo apoio extraordinário a …

Portugal regista mais seis óbitos e 688 novos casos

Portugal contabiliza esta segunda-feira mais seis mortos relacionados com a covid-19 e 688 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo o último boletim divulgado epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Desde o início da …

Novo lay-off é para "aguentar o emprego e as empresas" (mas agrava cortes dos trabalhadores)

O novo regime de lay-off anunciado pelo Governo, para apoiar as empresas com "perdas mais significativas", nomeadamente na área do turismo, visa "aguentar o emprego e as empresas", segundo o ministro da Economia, Siza Vieira, …

Jornal "The Guardian" sugere que Portugal é um país racista e compara Ventura a Bolsonaro

O jornal britânico "The Guardian" noticiou, esta segunda-feira, alguns dos mais recentes acontecimentos racistas que têm ocorrido no país, afirmando no seu título que "Portugal regista um aumento da violência racista com ascensão da extrema …

Jornal Washington Post declara apoio a Biden e quer afastar "o pior presidente dos tempos modernos"

O jornal de referência Washington Post declarou esta segunda-feira o seu apoio ao candidato democrata à presidência dos EUA, Joe Biden, para derrotar o republicano Donald Trump, que considera “o pior Presidente dos tempos modernos”. No …

Portugal não recorrerá aos empréstimos do fundo de recuperação da UE

O primeiro-ministro António Costa salientou esta terça-feira que Portugal "recorrerá integralmente" aos cerca de 15,3 mil milhões de euros em subvenções que poderá receber do fundo de recuperação europeu, mas adiantou que não utilizará a …