Mais de dois terços dos países do mundo são “altamente corruptos”

Mais de dois terços das nações do mundo têm altos níveis de corrupção, com países do norte da Europa a liderar o ‘ranking’ de menos corruptos e os Estados Unidos (EUA) a verem aumentar os negócios desonestos, mostra o último relatório da Transparency International (TI).

O Índice Anual de Percepção de Corrupção (CPI) classificou 180 países relativamente ao seus níveis percebidos de corrupção no setor público, utilizando uma escala de zero a 100, com zero a significar “altamente corrupto” e 100 “muito limpo” (ou nada corrupto). O índice foi criado com base na confiança que especialistas e líderes empresariais têm nas instituições públicas.

Segundo avançou a Newsweek, na terça-feira, os países são classificados tendo em consideração as taxas de suborno, o desvio de fundos públicos, os conflitos de interesse e outras formas de corrupção percebidas dentro do governo.

A Dinamarca lidera o ‘ranking’ como a nação menos corrupta, com 88 pontos, seguida pela Nova Zelândia. Já o Reino Unido atinge os 80, caindo dois pontos em relação ao ano anterior. Portugal, com 64 pontos, ocupa a 30.ª posição do ‘ranking’.

Os resultados da TI indicam que a média dos países da União Europeia (UE) e da Europa Ocidental manteve-se estável em 66 pontos, com a África Subsariana pontuou uma média de 32 e a Europa Oriental e Ásia Central 35.

 

O país mais corrupto dos 180 é a Somália, com dez pontos, seguida pela Síria e pelo Sudão do Sul. Ao todo, “mais de dois terços dos países da pesquisa pontuaram abaixo de 50 pontos”, diz o Independent.

O relatório mostra que apenas 20 países melhoraram de forma significativa as pontuações desde 2012, como a Argentina (40.ª posição, com 40 pontos) e a Costa do Marfim (105.ª, 35 pontos). Dezasseis outros, incluindo a Austrália (13.ª, 77 pontos), o Chile (27.ª, 67 pontos) e Malta (51.ª, 54 pontos), diminuíram consideravelmente no mesmo período.

A análise da TI evidencia uma “clara relação” entre uma democracia saudável e o combate à corrupção no setor público, apontando a descida da Turquia (78.ª, 41 pontos) e da Hungria (64.ª, 46 pontos), em consonância com os desafios que têm sofrido o estado de direito e a liberdade de imprensa nesses países.

“É muito mais provável que a corrupção prospere onde as fundações democráticas são fracas e onde políticos não democráticos e populistas podem usá-la em seu benefício”, disse ao Metro a presidente da TI, Delia Ferreira Rubio.

O Independent nota que as democracias plenas obtiveram uma média de 75 pontos, enquanto as democracias com falhas 49. Os regimes autocráticos, por seu turno, tiveram uma média de 30 pontos.

A pontuação da Hungria caiu oito pontos nos últimos cinco anos, devido a alguns “desenvolvimentos preocupantes”, incluindo a saída forçada da Open Society Foundation e da Central European University (CEU), fundada pelo filantrópo George Soros.

A organização revela ainda que, na Ásia, os protestos públicos resultaram em novos governos e reformas anti-corrupção na Índia, na Malásia, nas Maldivas e no Paquistão, mas que isso ainda não se traduziu numa ação sólida.

Já a Venezuela, que enfrenta uma crise política devido às “políticas economicamente ruinosas” do presidente Nicolás Maduro, encontra-se na 168.ª posição, com 18 pontos.

Os EUA são um dos maiores impulsionadores do índice, caindo quatro pontos, para 71, uma pontuação que empurra o país para fora dos 20 menos corruptos (passou da 17.ª posição para a 22.ª). A representante americana da Transparency International, Zoe Reiter, indicou à NPR que esta é a pontuação mais baixa dada ao país em sete anos.

“Sempre fomos superados” pelo Canadá e por muitos países do norte da Europa, no entanto, “o que vemos agora é uma tendência ao declínio da confiança nas nossas instituições democráticas, não apenas pelo público, mas também por especialistas”, referiu.

Jim Lo Scalzo / EPA

O Presidente dos EUA, Donald Trump

O relatório elegeu igualmente o presidente dos EUA, Donald Trump, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e o venezuelano Nicolás Maduro entre os líderes que defendem táticas que promovem a corrupção, como o ataque à imprensa livre e independente e aumento da retórica anti-imigração, anti-LGBT, anti-indígena e racista.

E acrescentou: “As preocupações em torno da administração de [Donald] Trump são bastante sérias, mas essa é uma questão que tem vários anos. Os conflitos de interesses não são um problema novo, mas ficaram mais expostos” durante o mandato do atual presidente norte-americano.

“Trump é um sintoma, não uma causa. A sua presidência está a iluminar alguns dos problemas”, disse ainda. Segundo a própria, este resultado é um alerta sobre a necessidade de lidar com conflitos de interesse, com a influência indevida do setor privado e com a ampliação das lacunas entre ricos e pobres.

Um artigo do Metro nota que tais problemas “foram destacados pelas ações de um presidente rico, que desafiou o precedente para manter os seus assuntos fiscais pessoais em segredo e manter as suas posses de negócios enquanto está no cargo”.

Custos da corrupção na UE

Um relatório do Parlamento Europeu dos Verdes/Aliança Livre Europeia, de dezembro de 2018, na UE, mostra a corrupção custa um total de 904 mil milhões de euros por ano. Em Portugal, os dados apontam para 18,2 mil milhões de euros, o que corresponde a cerca de 7,9% do produto interno bruto (PIB).

Portugal é o 11.º país dos 28 estados-membros da União Europeia (UE) com a fatura mais pesada da corrupção, em termos absolutos, evidencia um artigo do Jornal de Negócios, divulgado a 08 de dezembro de 2018.

 

O montante para a corrupção, no caso português, “supera o orçamento anual para a Saúde (16,2 mil milhões de euros) e é dez vezes superior às despesas com o desemprego (1,8 mil milhões). Se fosse redistribuído por toda a população portuguesa, o valor perdido para a corrupção daria 1.763 euros por ano a cada português”.

O estudo refere também que, segundo dados de um inquérito do Eurostat em 2017, 54% dos portugueses inquiridos acreditavam que o nível de corrupção no país tinha aumentado nos três anos anteriores, 29% afirmavam que se tinha mantido e apenas 4% diziam que havia diminuído.

O inquérito mostra ainda que 92% dos portugueses acreditava que a corrupção era generalizada no país e 79% dizia que a corrupção fazia parte da cultura de negócios em Portugal.

Em termos de valor perdido para a corrupção, Itália lidera o grupo, com um custo anual de 237 mil milhões de euros, o que corresponde a 13% do PIB italiano e representa 26% das perdas totais para a corrupção dos 28 países da UE.

Seguem-se França, com uma perda anual de 120 mil milhões de euros, o que vale 6% do PIB gaulês, e a Alemanha, com prejuízos de 104 mil milhões, ou 4% do seu PIB.

Taísa Pagno, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Maher e Safa deixaram sonhos para trás. Mas reencontraram a paz em Portugal

Os sonhos de Maher e de Safa ficaram adiados com a guerra na Síria, mas reencontraram a paz em Portugal, onde residem há dois anos ao abrigo de um programa de acolhimento de refugiados. É no …

São Francisco poderá ser a primeira cidade a proibir venda de cigarros eletrónicos

Se esta decisão for aprovada pela FDA, São Francisco vai tornar-se a primeira cidade a banir a venda de cigarros eletrónicos. De acordo com o Observador, a Câmara de Supervisores de São Francisco, nos EUA, aprovou uma …

Nunca houve tantos deslocados no mundo. São mais de 70 milhões

Um novo recorde foi quebrado no mundo em 2018, com 70,8 milhões de pessoas deslocadas das suas casas ou dos seus países, devido às guerras ou perseguições, anunciou esta quarta-feira as Nações Unidas. O relatório anual …

A monogamia foi inventada pelas mulheres (e o casamento, pelos homens)

A poligamia é natural no ser humano e a monogamia foi criada por imposição para a mulher, diz o investigador português Rui Diogo, que usa a ciência e a história para explicar a relação entre …

Morreu o DJ Zdar do duo electrónico Cassius. Caiu da janela de um prédio em Paris

O músico, produtor e DJ francês Philippe Cerboneschi, mais conhecido por Zdar, morreu aos 50 anos após ter caído da janela de um apartamento em Paris. O seu agente confirmou a "queda acidental" sem revelar …

PS quer o Estado a pagar licença sabática aos portugueses para voltarem a estudar

A criação de uma licença sabática para qualificar trabalhadores e um sistema de prémios e penalizações para combater a desigualdade salarial são medidas que o PS inclui no seu projecto de programa eleitoral. O director do …

Putin reconhece: as condições de vida dos russos pioraram nos últimos anos

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, admitiu esta quinta-feira que as condições de vida no país pioraram nos últimos anos, mas assegurou que as autoridades russas trabalham para reverter essa tendência, e enumerou os primeiros …

Marcelo, o "verdadeiro professor", é estrela em promo de La Casa de Papel

O novo vídeo promocional de La Casa de Papel tem um protagonista improvável. Marcelo Rebelo de Sousa, ou, na verdade, uma imitação do Presidente da República, faz uma chamada para a inspetora Raquel. Na chamada telefónica, …

Num só dia, derreteu 40% da área superficial da Gronelândia (e há fotografias)

Uma fotografia divulgada no Twitter do climatologista dinamarquês Rasmus Tonboe ilustra o degelo que ocorre na Gronelândia, evidenciando algumas das consequências que podem ser desencadeadas pelo fenómeno.   A imagem, que mostra um trenó a ser …

Juiz suspende pena a agressor que ameaçou a mulher com uma motosserra

"Vou-te pôr às postas como se põe um cação." Esta foi uma das ameaças, com uma motosserra ligada, que um homem de 52 anos fez à mulher com quem esteve casado durante 30 anos. O …