/

Mais de dois milhões em ajustes diretos durante a campanha (que só foram divulgados no pós-eleições)

3

Nuno Fox / Lusa

Por todo o país, autarcas celebraram vários contratos que permitiram o início de obras antes das eleições, mas só foram divulgados depois.

Nos 14 dias de período de campanha eleitoral, 43 presidentes de Câmara fecharam 38 ajustes diretos aos quais se juntam 21 consultas prévias que só foram publicadas depois do escrutínio da população. De acordo com o Observador, foram distribuídos mais de dois milhões de euros em contratos.

A autarquia de Gouveia, por exemplo, liderada por Luís Tadeu Marques (PSD), adjudicou à empresa SGAB – Sociedade de Granitos e Areias da Beira, no dia 15 de setembro (segundo dia de campanha), uma empreitada de “beneficiação e conservação de vias e arruamentos” para várias freguesias.

A empresa dispõe de um prazo de execução de 120 dias. O autarca, que foi reeleito, vai começar o ano já com obra feita, num investimento de cerca de 150 mil euros.

Em Nelas, os socialistas perderam a autarquia para uma coligação entre o PSD e o CDS. No entanto, na última sexta-feira antes das eleições, foram adjudicados dois contratos para a requalificação das redes viárias do concelho com valores totais que superam os 266 mil euros. Em ambos os casos, trata-se de consultas prévias realizadas pela autarquia e as empresas selecionadas têm 60 dias para completar as empreitadas.

A 22 de setembro, Odivelas fechou dois contratos para reabilitar infraestruturas relacionadas com crianças e adolescentes que só foram publicados no Portal base a 30 de setembro e 4 de outubro.

Segundo o diário online, há uma grande fatia de ajustes diretos fechados próximo de datas eleitorais que se destinam às intervenções em ruas e espaços públicos. Oito autarcas adjudicaram mais de 380 mil euros em empreitadas para melhorar a circulação rodoviária nos respetivos concelhos.

É o caso de Cuba, onde o autarca da CDU adjudicou uma empreitada de mão de obra para “calcetamento de diversos troços de arruamentos” por cerca de 30 mil euros a 15 de setembro, já a campanha eleitoral tinha começado.

No último dia útil da semana antes do escrutínio da população, os autarcas de Mira, Almeirim e Seixal fizeram mais três ajustes diretos para intervencionar ruas.

A área da Cultura também mereceu atenção, com sete ajustes diretos feitos por seis autarquias, em que foram gastos cerca de 113 mil euros em temas como uma sessão de cinema (em Vila do Conde) ou um festival internacional de clarinete (em Castelo Branco).

No Porto, Rui Moreira fechou um ajuste de 19.500 euros para a “produção e realização de conteúdos temáticos” para a ARCA, uma rubrica da Rádio Estação do Museu da Cidade que foi lançada em fevereiro deste ano.

A iluminação pública também não faltou à chamada. Durante as duas semanas, houve quatro autarquias a investir nesta área.

No caso de Vila do Conde, o Observador escreve que o objetivo foi mesmo ter resultados rápidos, uma vez que o ajuste direto para o “fornecimento e instalação de colunas para iluminação pública” tinha como prazo de execução dois dias o que resultou na obra feita em véspera de ida às urnas, a 25 de setembro. Um investimento de 10.260 euros da autarca independente Elisa Ferraz, que acabaria por perder as eleições.

Felgueiras não mudou de cor política, mas antes de terminar o mandato, Nuno Fonseca comprometeu a autarquia com um investimento de mais de 74 mil euros na iluminação pública da Rua D. Gomes Aciegas. O ajuste direto, com um prazo de conclusão de 60 dias, foi fechado a 17 de setembro.

Estes são alguns exemplos elencados pelo Observador, que refere que, enquanto as atenções estavam centradas na campanha eleitoral, os gabinetes das autarquias não pararam com as contratações.

  ZAP //

3 Comments

  1. Qual é a surpresa?
    Mais uns cobres para os amigos e para “comprar” mais umas mão-cheias de votos!!!

    Basta legislar para que não se possam fazer adjudicações durante a campanha eleitoral, excepto em casos de VERDADEIRA EMERGÊNCIA.
    O problema é que uma proibição destas não dá jeito nenhum……

  2. A minha pobre cabeça finalmente já se sente mais tranquila.
    Não percebia para que servia tanto imposto que pagava, por tudo e por nada e porque passava a vida a pagar tantos impostos, mas hoje, finalmente, ja percebi.
    É que tudo o que pagamos é apenas para o bem estar da população e ainda bem que há tantos políticos, desde as autarquias ao governo, tão preocupados com o nosso bem estar e o nosso futuro. Fico muito mais descansado, por saber que vamos ter um futuro melhor, porque o nosso dinheiro continua a ser muito bem gerido e aplicado, tal como tem sido.

  3. Esta é uma noticia enviusada, porque não identifica o partido de cada Câmara, apenas identifica, explicitamente, Câmaras do PSD e CDU. Qual é o partido das Câmaras: Seixal, Mira, Almeirim, Vila do Conde, Felgueiras, Castelo Branco, Odivelas.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.