Mais acidentes nos primeiros sete meses do ano, mas menos mortos e feridos

Tiago Petinga / Lusa

O número de acidentes nas estradas portuguesas aumentou nos primeiros sete meses do ano relativamente ao período homólogo, com um total de 74.335 desastres, mas registaram-se menos vítimas mortais.

De acordo com o último balanço da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), entre 1 de janeiro e 31 de julho deste ano registaram-se mais 1.608 acidentes do que no mesmo período do ano passado.

Os dados da ANSR, que incluem informação da PSP e da GNR, apontam para 274 vítimas mortais (288 em 2017) e 1.060 feridos graves (1.228).

O balanço da ANSR indica ainda que na última semana de julho morreram nas estradas portuguesas 25 pessoas e 60 outras ficaram gravemente feridas.

Os feridos ligeiros também diminuíram, com um registo de 22.302 nos primeiros sete meses deste ano, menos 527 do que no mesmo período do ano passado.

As vítimas mortais só apresentam um valor superior quando comparado o período de um ano entre 1 de agosto de 2017 e 31 de julho de 2018. Segundo a ANSR, neste período morreram nas estradas portuguesas 496 pessoas, mais duas do que entre agosto de 2016 e 31 de julho de 2017.

O distrito com mais acidente foi o de Lisboa (15.044), seguido do Porto (13.701) e, mais longe, Braga (6.413).

Quanto ao número de vítimas mortais, Setúbal foi o distrito com o valor mais elevado (46), seguido de Lisboa (29) e Porto (28). Os dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária dizem respeito aos mortos cujo óbito foi declarado no local do acidente ou a caminho do hospital.

Nos feridos graves, o distrito que maior valor apresenta nos primeiros sete meses do ano é Lisboa (130), seguido de Santarém (114) e Faro (104).

Segundo os dados da ANSR, o Sistema Nacional de Controlo de Velocidade (SINCRO) registou quase 400.500 infrações desde que a totalidade dos 30 radares móveis entrou em funcionamento, há um ano.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …