/

“Os Maias” vão deixar de ser de leitura obrigatória no Secundário

13

Já a partir de setembro, os “Maias” e “A Ilustre Casa de Ramires”, obras de Eça de Queirós, deixam de ser leituras obrigatórias no Ensino Secundário. Agora, cabe aos alunos em conjunto com os seus professores, escolher uma obra do autor clássico que mais lhes interessa ler.  

Segundo o Público, que avança com a notícia nesta quarta-feira, esta é uma das propostas das chamadas aprendizagens essenciais para a disciplina de Português no 10.º e 11.º ano.

A proposta, que está disponível para consulta publica até ao dia 27 de junho na página da Direção-Geral de Educação, explica que já no próximo ano letivo a escolha vai passar pelos próprios alunos e os seus respetivos professores. Assim, os alunos vão escolher o romance que mais lhes interessar ler, não havendo a obrigatoriedade de uma das duas obras que estavam até agora previstas no programa do Secundário.

“Há uma diminuição das obras propostas para leitura, que coexiste com o alargamento das opções que podem ser tomadas pelos professores”, confirmou a presidente da Associação de Professores de Português, Filomena Viegas, em declarações ao diário.

O mesmo se vai aplicar a outras obras, como Almeida Garrett, Alexandre Herculano ou Camilo Castelo Branco. E na poesia com Antero de Quental ou Cesário Verde. Em todos os casos deixam de ser mencionadas obras específicas para se ficar apenas com a referência “escolher um romance” ou “escolher três poemas”, explicou.

“O que interessa é conhecer a obra do autor, pois qualquer leitura feita deve permitir fazer outras”, justificou a presidente a APP.

Também o ministério sustenta que “a avaliação da educação literária terá em conta o conhecimento da cultura literária e o conhecimento dos autores e movimentos literários, o que pode ser aferido com base em leituras diferenciadas”.

Dos géneros literários abordados no Secundário desaparecem ainda os contos.

  ZAP //

13 Comments

    • Se tivesses completado o ensino básico, talvez tivesses conseguido ler tudo e compreender que nenhuma obra vai ser obrigatória!…

        • Continuas a “meter as patas”!…
          Se tivesses completado pelo menos os primeiros 4 anos do ensino básico, saberias que não é “gostava”; é “gostaria” (o modo verbal correcto é o condicional)!
          *O MODO CONDICIONAL é usado para traduzir a possibilidade de realização de uma ação sob condição, concretizada ou não. (Reconhece-lo facilmente pela terminação em – ria)
          Ex. faria; poria; diria;
          .
          Agora vai estudar, para evitares escrever mais disparates!…

  1. Concordo com o Ministério. Até porque o incesto dos “Maias” é um assunto que toda a sociedade condena. Já o aborto (clandestino) bem como o casamento dos clérigos (“Crime do P. Amaro”) são temas bem mais atuais e até fraturantes.

  2. oh Eu! Concordo inteiramente. Nada devia ser obrigatório! Ler?!?! Que coisa chata (já há quem faça Lics sem ler um livro que seja); Pagar impostos!?!?! Homessa, facultativo, claro! E assim por diante! Direitos, obrigatórios, deveres, nem por isso! É por essas e por outras que o ensino é, cada vez mais, um embuste! Já o dizia o saudoso Medina Carreira!

    • Concorda com quem?!
      Comigo?!
      Mas eu nem sequer dei a minha opinião!!!
      Limitei-me a transcrever a noticia!…
      Se o ensino é um embuste, o que dizer do Medina Carreira?!

  3. Eu até ia mais longe!
    Devia deixar de ser obrigatório, ler de todo. Nada de ler, escrever, contar, somar ou subtrair. Afinal, quanto mais imbecis, melhor!

  4. Nojento e hipocrita . Para que serve o Eça? Numa terra que não se ensina.Ensino é bom para os professores e pessoal efectivo e para os sindicatos e menisterio da tutela .Ensinar para quê e para quem?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE