Máfias e milícias responsáveis por incêndios da Amazónia, conclui relatório

Mato Grosso Firefighters / EPA

As queimadas associadas aos desmatamento da Amazónia resultam em grande parte da ação violenta de redes criminosas, conclui um relatório da Human Rights Watch.

Divulgado esta terça-feira, um relatório da Human Rights Watch conclui que as queimadas associadas aos desmatamento da Amazónia resultam em grande parte da ação violenta de redes criminosas, enquanto o Governo brasileiro falha na proteção dos defensores e da própria floresta.

O desmatamento e as queimadas ilegais estão associados à ação de redes mafiosas que financiam maquinaria pesada e mão de obra e que contratam mílicias para intimidar quem se oponha, salienta a organização não-governamental.

Além disso, segundo o relatório, a situação não é alheia ao facto de o Governo de Jair Bolsonaro, desde que tomou posse, ter cortado 25% do orçamento do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o organismo encarregue de proteger a floresta amazónica. O corte levou à queda das multas ambientais e retirou poderes aos fiscais do Ibama, por exemplo.

O relatório – Máfias do Ipê: como a violência e a impunidade impulsionam o desmatamento na Amazônia brasileira – analisa a forma como o desmatamento ilegal por redes criminosas e as queimadas estão relacionados com atos de violência contra os defensores da floresta e com o fracasso do Estado em investigar e punir os responsáveis.

“Os brasileiros que defendem a Amazónia enfrentam ameaças e ataques por parte de redes criminosas envolvidas na extração ilegal de madeira”, afirma Daniel Wilkinson, diretor de direitos humanos e meio ambiente da organização, citado pelo Expresso. “A situação está a piorar com o Presidente Bolsonaro, cujo ataque aos órgãos de proteção do meio ambiente coloca em risco a floresta e as pessoas que ali vivem.”

De acordo com o relatório, “as redes criminosas têm a capacidade logística de coordenar a extração, o processamento e a venda de madeira em larga escala, enquanto empregam homens armados para intimidar e, em alguns casos, executar aqueles que tentam defender a floresta”.

Os incêndios “não ocorrem naturalmente no ecossistema húmido da bacia amazónica. São iniciados por pessoas como parte do processo de desmatamento, após removerem as árvores de maior valor. As queimadas espalham-se pelas pequenas clareiras e ramais abertos pelos madeireiros, onde a existência de vegetação mais seca e inflamável facilita a propagação do fogo na floresta tropical”, explica a Human Rights Watch.

A Human Rights Watch entrevistou mais de 170 pessoas, incluindo 60 membros de povos indígenas e outros moradores dos estados do Maranhão, Pará e Rondônia. Os investigadores entrevistaram também funcionários públicos em Brasília e na região amazónica.

ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Pedro Rodrigues, ex-líder da JSD, quer liderar a bancada do PSD

O antigo líder da JSD Pedro Rodrigues quer liderar a bancada parlamentar do PSD durante a próxima legislatura, avança o Expresso este sábado, dando conta que o deputado eleito por Lisboa já está a recolher …

Boris Johnson pede novo adiamento do Brexit (e reitera que não o quer)

Depois do Dia D que pouco ou nada definiu no Parlamento britânico, o primeiro-ministro Boris Johnson assegurou esta sábado ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, que vai fazer um novo pedido de adiamento do …

Empresas portuguesas entre as piores pagadoras. 85% não cumpre prazos acordados

As empresas portuguesas são das piores pagadores em todo o mundo, avança o Expresso, citando dados de um estudo da Informa D&B que incluiu 35 países. Em 2018, 85% das empresas portuguesas não cumpriu os …

Encontrado nos EUA um peixe que respira fora de água

O Departamento de Recursos Naturais do estado da Geórgia dos EUA anunciou que, pela primeira vez, um Channidae, uma espécie não nativa de peixe que já invadiu com sucesso outros 14 estados, foi vista nas …

Há uma forma de reduzir erros na computação quântica (e já sabemos qual é)

Na computação quântica, assim como no trabalho em equipa, um pouco de diversidade pode ajudar a melhorar o resultado. Esta pode mesmo ser a chave para pôr fim aos erros na computação quântica. Ao contrário dos …

Coimbrões 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto venceu hoje o Coimbrões, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal que os «dragões» resolveram com três golos nos 12 minutos iniciais. Aproveitando a inexperiência e nervosismo da formação …

Produção de filmes em Hollywood é um inimigo silencioso do ambiente

Hollywood é casa para a maioria dos grandes filmes produzidos que estreiam nas salas de cinema espalhadas por todo o mundo. Contudo, consegue ser bastante prejudicial para o meio ambiente e, mais do que nunca, …

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …