Maduro é o presidente mais incompetente do Mundo (e a Economist explica porquê)

jeso.carneiro / Flickr

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, empossado pela segunda vez como presidente da Venezuela a 10 de janeiro, em meio a uma polémica sobre a legitimidade das últimas eleições, foi considerado pela Economist o governante mais mal sucedido do mundo.

Segundo avançou a BBC no dia seguinte à tomada de posse, Nicolás Maduro foi “duramente criticado” na última edição da revista britânica, que considera como “único talento” do “herdeiro político de Hugo Chávez” a capacidade de manter o próprio poder com o uso de medidas “ditatoriais”.

A Economist baseia-se em dados sobre economia, saúde e emigração para chegar à conclusão sobre a “incompetência” de Maduro, setores onde encontram-se a forte desvalorização da moeda local – o bolívar soberano -, a queda acentuada do PIB, a diminuição na produção de petróleo e o aumento da mortalidade e do número de pedidos de asilo por venezuelanos que fogem do país.

De acordo com o artigo da BBC, Hugo Chávez teve “sorte” durante os 14 anos de governo, porque o preço do petróleo no mercado internacional estava alto e o mesmo pode utilizar os designados “petrodólares” para financiar desde programas sociais até importações de “praticamente tudo que era consumido no país”.

Contudo, em 2014, o preço do petróleo caiu, devido à recusa do Irão e da Arábia Saudita (outros dois dos grandes produtores) em assinar um compromisso para reduzir a produção. Outros fatores que contribuíram para essa queda foram a desaceleração da economia chinesa e o crescimento, nos Estados Unidos (EUA), do mercado de produção de óleo e gás pelo método “fracking” – fraturamento hidráulico de rochas.

Além disso, a Venezuela sofreu uma “queda significativa” na produção, o que sugere que erros de gestão foram cometidos pelo governo.

Quando Hugo Chávez assumiu pela primeira vez a liderança do país, em 1999, a produção de petróleo era de mais de três milhões de barris por dia. Atualmente, é de cerca de 1,5 milhões, segundo a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), registando-se como o pior nível em 33 anos.

De acordo a Economist, citada pela BBC, Hugo Chávez e Nicolás Maduro “pilharam” a empresa estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA). “O declínio da PDVSA acelerou durante o governo Maduro, que indicou para presidente da empresa um general sem experiência na indústria de petróleo”.

A revista britânica afirma ainda que a Venezuela produz menos petróleo hoje em dia do que em 1950, tendo o volume de barris ‘per capita‘ voltado aos níveis de 1920.

A queda do PIB para metade e a falta de produtos

O artigo esclarece também que, para continuar a pagar aos credores internacionais, Nicolás Maduro cortou nas importações, levando o país, onde moram de 30 milhões de pessoas, a uma carência de produtos básicos.

O presidente “manteve o valor do bolívar artificialmente alto, em tese, para permitir a importação de bens essenciais. Na realidade, o regime negou aos importadores honestos acesso a dólares baratos, fornecendo esses recursos a pessoas leais ao regime, alguns dos quais se tornaram bilionários”, afirma a publicação.

Nicolás Maduro, continua a revista, respondeu à crise com “desvalorizações inadequadas da moeda ou políticas públicas que pioraram as coisas, como o controlo de preços”. O resultado foi uma inflação extremamente alta.

Com base em dados das Nações Unidas sobre mortalidade infantil, a Economist refere que essa subida da inflação provocou uma subida da renda, com a pobreza a aumentar nos últimos anos. Em 2017, o índice de pessoas na linha da pobreza chegou a 87%, um aumento de 40% em três anos.

Com a crise, a rede de suporte social e as infraestruturas médicas deterioraram-se, havendo falta de equipamentos e medicamentos básicos nas farmácias e nos hospitais. O número de mortes infantis a cada grupo de cem mil nascidos vivos tem aumentado constantemente desde 2014.

“O fornecimento de energia e água falha por causa de corrupção, da falta de investimentos e da falta de trabalhadores. A violência aumentou e o sistema de saúde entrou em colapso”, resume a revista britânica.

A emigração é outro dos fatores que mostram, para a Economist, a incompetência do presidente, com tendo três milhões de pessoas deixado a Venezuela, a maioria para países vizinhos – Colômbia, Chile, Argentina, Peru, Equador e Brasil.

Perda de apoio interno e internacional

Os problemas económicos e sociais e a adoção de medidas consideradas autoritárias – como a prisão de oponentes -, fizeram com que Nicolás Maduro perdesse o apoio até dos aliados. Atualmente, conta com a Suprema Corte, mas sofre forte oposição no Legislativo.

Ainda este mês, Christian Zerpa, juiz da Suprema Corte venezuelana, aliado do presidente, fugiu do país. Em Miami (EUA), contou que o presidente manipulava o tribunal e dava ordens aos juízes.

Internacionalmente, mais de 10 países não reconhecem a presidência de Nicolás Maduro. O Peru, inclusive, uniu-se aos EUA na proibição à entrada de membros do governo no país para realização de transações financeiras.

TP, ZAP // BBC

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. “A imigração (…) tendo três milhões de pessoas deixado a Venezuela, a maioria para países vizinhos”

    Imigração, do ponto de vista da Venezuela, seria a entrada de pessoas de países vizinhos. Neste caso, estamos a falar de Emigração o seja a saída de venezuelanos para fora do país. É certo que serão Imigrantes do ponto de vista dos países de destino, mas a notícia é apresenta-o do ponto de vista da Venezuela.

    Não é tão difícil, E com E e I com I
    Emigrante -> que vai de dentro de um país para o Exterior;
    Imigrante -> que vem de fora para o Interior do pais.

RESPONDER

Estudo mostra que os golfinhos também já são resistentes aos antibióticos

Um novo estudo realizado nos Estados Unidos mostra que os golfinhos Tursiops truncatus também já mostram resistência aos antibióticos. Não é segredo que os seres humanos usam demasiados antibióticos, tanto que estamos a desenvolver uma resistência …

Indígenas famosos pela sua saúde cardíaca começaram a usar óleo de cozinha (e a engordar)

O povo Tsimane, que vive na Bolívia, tem permanecido relativamente afastado do mundo exterior durante várias gerações, prosperando da terra e praticando formas tradicionais de caça, pesca, agricultura e recolha de alimentos. Durante vários anos, sabe-se …

Mais de 150 detidos em protestos violentos em Paris. Desta vez, sem coletes amarelos

As autoridades francesas detiveram este sábado mais de 150 pessoas numa nova jornada de protestos em Paris, onde coincidiram uma manifestação dos coletes "amarelos" com outras dois em defesa do clima e contra a reforma …

UE deteta 50 a 80 casos de desinformação e fake news russas por semana

O grupo de trabalho do Serviço Europeu de Ação Externa contra a desinformação russa deteta, semanalmente, entre 50 e 80 casos, num total de mais de 6.300 situações identificadas desde 2015, que têm vindo a …

Moreirense 1-2 Benfica | Rafa abre caminho à reviravolta

O Benfica sofreu a bom sofrer para levar de vencida o Moreirense, em casa deste, por 2-1. Os homens da casa marcaram primeiro, por Luther Singh, logo no arranque do segundo tempo, e estiveram na …

Bernardo Silva faz o primeiro 'hat-trick' da carreira na maior goleada de sempre do City

O avançado português Bernardo Silva fez este sábado o primeiro ‘hat-trick’ da carreira na vitória por 8-0 do Manchester City frente ao Watford, em jogo da sexta jornada da Liga inglesa de futebol. David Silva abriu …

Centenas foram à baixa de Lisboa protestar contra exploração do lítio

Cerca de quatro centenas de manifestantes de diferentes movimentos independentes de defesa do ambiente e de proteção do património rural protestaram hoje em Lisboa, contra a concessão e exploração a céu aberto do lítio em …

Rússia vai permitir que astronautas levem armas em viagens espaciais

Os astronautas russos vão começar a levar consigo uma arma de fogo durante as suas viagens espaciais. O objetivo é poderem afastar animais selvagens quando aterrarem em áreas remotas na Terra. A Rússia começou a armar …

Hotel no Peru vai ser demolido porque destruiu muro da época Inca

A justiça peruana determinou a demolição de um hotel da rede Sheraton que estava em construção em Cusco, por ter destruído, durante as obras, muros incas de 500 anos numa região considerada Património Cultural da …

No Museu do Louvre, os guias turísticos vão ser refugiados sírios e iraquianos

O Museu do Louvre, em Paris, vai treinar refugiados sírios e iraquianos como guias turísticos para os visitantes que solicitam um tour em árabe. Para os refugiados e requerentes de asilo, é agora gratuito entrar no …