A má alimentação mata mais do que o tabaco

Um estudo afirma que uma má dieta alimentar é a principal causa de morte no mundo e que as pessoas comem muito açúcar e sódio, e poucos cereais, grãos, frutas e legumes.

Pessoas de todo o mundo estão a comer poucos alimentos saudáveis e demasiados alimentos prejudiciais para a saúde, garante um estudo científico publicado esta quinta-feira na revista médica The Lancet.

De acordo com o estudo, uma má dieta alimentar é responsável por mais mortes do que qualquer outro fator de risco, incluindo o hábito de fumar. Cerca de 11 milhões de pessoas morrem todos os anos devido a maus hábitos alimentares.

Em 2017, uma em cada cinco mortes no mundo estava associada a uma má dieta alimentar, que provoca doenças cardiovasculares, cancros e diabetes tipo 2. O tabaco matou 8 milhões, afirma o estudo.

O estudo “Carga global da doença examinou as tendências de consumo de acordo com 15 fatores, entre 1990 e 2017, em 195 diferentes países.

A maior proporção de mortes relacionadas com a dieta alimentar foi registada no Usbequistão, que é seguido pelo Afeganistão, ilhas Marshall e Papua Nova Guiné. Os países que tiveram a menor proporção foram Israel, com apenas 89 óbitos por 100 mil pessoas, seguido por França, Espanha, Japão e Andorra.

“Este estudo confirma o que muitos pensam há vários anos: que uma dieta pobre é responsável por mais mortes do que qualquer outro fator de risco no mundo”, disse o autor do estudo, Christopher Murray, investigador da Universidade de Washington.

Na média global, o consumo per capita de bebidas com açúcar é dez vezes superior ao recomendado, e o de sódio, 86% superior. As pessoas comem, em média, apenas 12% da quantidade recomendada de nozes e grãos. O consumo de carnes vermelhas é também 18% superior ao considerado adequado.

O estudo concluiu que as dietas mais associadas às mortes são aquelas com muito sódio e insuficiente ingestão de frutas, verduras, legumes, frutos secos e Ómega 3. A ingestão de bebidas doces, açúcares, gorduras e carne vermelha têm menor influência.

Para os cientistas, “as mortes estão mais associadas com não comer alimentos saudáveis em quantidade suficiente, do que com comer demasiados alimentos prejudiciais para a saúde”.

Segundo os dados recolhidos, das 11 milhões de mortes, 10 milhões foram por doenças cardiovasculares, 913 mil por cancro e 339 mil por diabetes tipo 2.

No entanto, manter uma dieta saudável e equilibrada não depende apenas da vontade das pessoas. Como era previsível, o estudo mostra que a desigualdade económica influencia negativamente nas escolhas alimentares.

Em média, para consumir as porções de fruta e vegetais recomendadas pelos médicos (cinco por dia) custa apenas 2% da renda das famílias nos países ricos, mas mais de metade da renda nos países mais pobres.

Com base no estudo, os autores defendem que as autoridades responsáveis devem concentrar-se em impulsionar dietas equilibradas e o acesso a produtos saudáveis, em vez de se focarem na restrição de alimentos menos saudáveis.

ZAP // DW

PARTILHAR

RESPONDER

Esta é a cidade com mais Alzheimer do mundo (e a culpa é de uma estranha mutação genética)

Na Colômbia, os habitantes da cidade de Yarumal parecem estar condenados a uma maldição que os faz esquecerem-se da sua vida, morrendo pouco tempo depois do início dos sintomas. Milhares de pessoas, pertencentes a apenas 25 …

Idosa de 93 anos recuperou de Covid-19 (e há 6 crianças em estado grave no Dona Estefânia)

Uma mulher de 93 anos que esteve internada em Lisboa, com Covid-19, recuperou da infecção ao cabo de 11 dias. Enquanto isso, há seis crianças com idades entre 4 meses e 17 anos que estão …

"Grande erro" da Europa é não usar máscaras, considera especialista chinês

George Gao, diretor dos Centros de Controlo e Proteção de Doenças da China (CDC), considera que o "grande erro" da Europa no combate à pandemia de covid-19 é o facto de as pessoas não usarem …

Obama critica Trump. "Cada um de nós deve exigir mais dos nossos líderes"

O ex-Presidente norte-americano, Barack Obama, considerou esta terça-feira que o seu sucessor, Donald Trump, ignorou os avisos sobre os riscos de uma pandemia do novo coronavírus, e recordou o mesmo comportamento quanto às alterações climáticas, …

Covid-19. Hotel cinco estrelas na Austrália vai acolher sem-abrigo

A Austrália vai levar a cabo um projeto piloto que visa retirar das ruas alguns sem-abrigo e transferi-los para hotéis de luxo, protegendo-os assim do novo coronavírus oriundo da China (Covid-19).  O projeto, Hotels With Heart, …

Red Bull equacionou infeção voluntária dos seus pilotos

Um responsável da Red Bull admitiu que propôs aos pilotos da marca austríaca, que participa no Mundial de Fórmula 1, uma estratégia de infeção voluntária de covid-19, visando ficarem imunes no início da temporada. Helmut Marko …

TAP avança com lay-off para 90% dos trabalhadores (e reduz atividade para cinco voos semanais)

Numa mensagem enviada aos seus funcionários, a TAP revelou que vai mesmo avançar com um processo de 'lay-off' para 90% dos trabalhadores e com a redução do período normal de trabalho em 20% para os …

Estado vai devolver 3 mil milhões em reembolsos do IRS

O Estado vai devolver 3 mil milhões de euros aos contribuintes em reembolsos do IRS, cuja entrega arranca esta quarta-feira e se estende até 30 de junho. A informação foi avançada pelo ministro de Estado, …

Há quatro infetados no sistema prisional. Estão todos em isolamento domiciliário

O Ministério da Justiça revelou esta terça-feira que aumentou para quatro o número de infetados com covid-19 no sistema prisional e que estão todos em isolamento domiciliário segundo indicação da saúde pública. Em comunicado, o Ministério …

Sousa Cintra diz que Rafael Leão "não ficou no Sporting porque foi apertado"

Sousa Cintra, ex-líder da SAD do Sporting no tempo da Comissão de Gestão, lamenta a rescisão do jogador Rafael Leão, considerando que "ele não continuou porque foi apertado". O jovem jogador foi, recentemente, condenado a …