Livre defende a exclusão da disciplina de Educação Moral e Religiosa da escola pública

Patrícia Gonçalves, candidata às eleições legislativas pelo Livre, considera que “não faz sentido haver ensino confessional” na escola pública.

Em entrevista ao Público, Patrícia Gonçalves, número cinco da lista do Livre por Lisboa, explicou o que motiva o partido a defender a exclusão da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) do currículo das escolas públicas.

“Achamos que na escola pública não faz sentido haver ensino confessional. As pessoas têm a liberdade de escolher o ensino confessional que quiserem, mas podem fazê-lo fora da escola pública, na escola pública isso não deve ser feito”, considerou.

Para o fazer, o Livre defende que esta disciplina deve deixar de ser curricular, ou seja, “deve poder ocupar extremos de horário para não estar dentro do horário normal das outras disciplinas”. “Não acredito que seja possível resolver esta questão de uma vez.”

Patrícia Gonçalves considera que a segunda questão tem a ver com os professores. “Os professores de Educação Moral e Religiosa são pagos pelo erário público, como os outros professores, e têm de ter validação do Patriarcado. Ao mesmo tempo são funcionários públicos que, se perderem a confiança do Patriarcado, não podem dar mais aulas e ficam impedidos de trabalhar”, explicou.

“Por isso, o segundo passo é que estas pessoas deixem de ser pagas pelo erário público, deixem de ser funcionários públicos. O caminho é afastar este tipo de ensino da escola e levá-lo para a catequese, para as igrejas, onde ele deve ser ensinado”, disse a candidata.

O Livre considera que o primeiro passo é mais simples do que o segundo, uma vez que “os professores deixarem de ser pagos pelo erário público é uma luta grande”. “São mais de dois mil professores de EMRC no país e isto tem implicações na vida das pessoas e também no equilíbrio da Igreja Católica.”

Quanto à polémica em torno desta proposta, Patrícia Gonçalves considera que isso acontece pelo facto de a Igreja Católica ter muito poder em Portugal. “Em Maio de 2018, tínhamos 35% de católicos praticantes e 48% de não praticantes. A grande parte dos não praticantes nem sequer acredita no que está na Bíblia. No que toca à religião, as pessoas ou estão muito ligadas por razões emocionais e de educação ou são supersticiosas, por isso, acham complicado mexer nestes assuntos.”

ZAP ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Só quem não tem ideias nem mais nada para inventar se vai lembrar de proibir o que é opcional há décadas…
    Portugal a precisar de alternativas sérias para e só nos calham duques.
    Enfim.

  2. Concordo, menos com a interpretação do Livre no último parágrafo. Não tinha que se meter numcampo que não é o de um partido político.
    Efetivamente, não faz sentido nenhuma educação religiosa na escola pública. Seja qual for a confissão.O que é curioso em Portugal é que no ensino privado, podendo ter essa disciplina e dar-lhe o relevo que muito bem entenderem, tanto quanto sei a maioria dos colégios estão-se nas tintas para a religião e não estão para perder tempo (horários) com isso. E, surpreendentemente, para a boa educação, para os pais e para a sociedade civil está tudo bem

RESPONDER

Enquanto Flamengo afasta regresso de Jorge Jesus, o "Galo" vem ao ataque

O treinador benfiquista afasta o cenário de uma saída precoce do Estádio da Luz. O Flamengo rejeita o regresso de Jorge Jesus, enquanto o Atlético Mineiro manifesta o seu interesse. Jorge Jesus foi categórico: "Não vou …

"Ihor gritava como um cão atropelado". Seguranças contam nova versão em tribunal

O segurança Manuel Correia testemunhou esta quarta-feira que “ouviu gritos” de Ihor Homeniuk vindos de uma sala do SEF no aeroporto de Lisboa e que encontrou um dos inspetores com um pé em cima da …

Dos pés de Cancelo para a cabeça de Bernardo Silva. City ganha na Champions com um golo 100% português

Os internacionais portugueses João Cancelo e Bernardo Silva foram fundamentais para a vitória do Manchester City sobre o Borussia Monchengladbach (2-0), na primeira mão dos oitavos da Liga dos Campeões, com ação direta nos dois …

"População não interiorizou a gravidade da situação". Depois de Siza, Cabrita aponta o dedo aos portugueses

Num relatório sobre a aplicação do decreto do estado de emergência na segunda quinzena de janeiro, Eduardo Cabrita justifica o fecho das escolas e o fim das vendas ao postigo, culpando a população pelas decisões …

Esta época há menos 500 clubes. "É o drama absoluto", diz presidente da FPF

Esta época há menos 500 clubes em comparação com a temporada transata. O presidente da FPF, Fernando Gomes, classifica a situação de "drama absoluto". A pandemia de covid-19 e a consequente interrupção das competições foi um …

Psicólogos no recrutamento e mudanças na formação. IGAI quer acabar com discriminação na polícia

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) quer envolver psicólogos no processo de recrutamento de novos polícias e rever os currículos de formação para acabar com práticas discriminatórias nas forças de segurança. As alterações no processo de …

Coleção de joias da era Viking é encontrada na Ilha de Man. É "excecionalmente rara"

Uma coleção de joias da era Viking foi encontrada na Ilha de Man, entre Inglaterra e a Irlanda, em novembro de 2020 e foi agora classificada como tesouro. Os especialistas acreditam que os artefactos, descobertos …

“As brasileiras são mercadoria". Professor da UP suspenso por comentários machistas e xenófobos nas aulas

Após uma denúncia que reuniu assinaturas de mais de uma centena de alunas, o professor auxiliar Pedro Cosme da Costa Vieira foi suspenso pelo período máximo de 90 dias, da Faculdade de Economia da Universidade …

Houve buzinão na Luz (mas sem "carinho"). Jesus culpa covid-19 pela crise do Benfica

Algumas dezenas de adeptos protestaram junto ao Estádio da Luz com um buzinão, entre gritos de "Rua Vieira" devido aos maus resultados do Benfica. Antes disso, Jorge Jesus tinha apelado a um "buzinão de carinho" …

Marcelo remete diretamente para o Governo limites ao ruído nos prédios

O chefe de Estado incluiu o detalhe "decreto-lei do Governo", no novo decreto para a renovação do estado de emergência, para permitir que o Executivo limite o ruído nos prédios. No último decreto que executou o …