Libertado o homem que foi condenado a 21 anos de prisão por matar a ex-mulher com 19 facadas

Justin Norman / Flickr

-

O homem condenado em janeiro a 21 anos de prisão por matar a ex-mulher com 19 facadas foi colocado em liberdade depois de o Tribunal da Relação de Lisboa ter declarado nula parte do acórdão, disse hoje à Lusa o advogado.

A libertação de Mário Silva, que ocorreu na quinta-feira, foi hoje confirmada à agência Lusa pelo seu advogado, Hélder Cristóvão, e deve-se à alteração da medida de coação de prisão preventiva para apresentações diárias às autoridades, determinada pelo Tribunal Central de Lisboa (TCL).

A decisão foi tomada após o advogado requerer a libertação do seu constituinte, alegando já ter sido ultrapassado o prazo máximo de prisão preventiva, depois de o Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) ter declarado parcialmente nulo o acórdão do TCL, que aplicou os 21 anos de prisão.

Hélder Cristóvão explicou na semana passada à Lusa que, até haver decisão do tribunal de primeira instância, o tempo máximo de prisão preventiva é de ano e meio, que passa para dois anos após o acórdão deste tribunal.

Na ocasião, o advogado acrescentou que tinha apresentado um requerimento para o coletivo de juízes que realizou o julgamento a pedir a libertação do seu cliente, além de interpor uma providência de ‘habeas corpus’ com vista à sua libertação imediata, por extinção do prazo máximo de prisão preventiva.

Como a Relação de Lisboa declarou nulo o acórdão que condenou o arguido aos 21 anos de prisão, e completando, a 19 de agosto próximo, dois anos de prisão preventiva, o tribunal teve de decidir pela libertação de Mário Silva, que assim vai aguardar a repetição parcial do julgamento e um novo acórdão em liberdade.

Mário Silva, de 36 anos, foi condenado em janeiro deste ano a 20 anos de prisão pela morte de Mara Silva e a dois anos de prisão por um crime de coação agravada, tendo, na ocasião, o coletivo de juízes de primeira instância aplicado, em cúmulo jurídico, a pena única de 21 anos de prisão.

O arguido recorreu para o TRL que anulou o julgamento a partir da sessão em que o coletivo de juízes alterou alguns factos considerados não substanciais, apresentados pela acusação, por não estarem “devidamente fundamentados”.

Além disso, a Relação de Lisboa sublinhou que não podia ser reaberta a audiência para comunicar a alteração de factos apenas na presença da presidente do coletivo de juízes, como aconteceu, e ainda mais quando a defesa do arguido pediu para se pronunciar e requereu prova.

O TRL frisou ainda que “deveria ter sido o tribunal coletivo a estar regularmente constituído e na sala para que a audiência pudesse validamente ser reaberta e prosseguirem os trabalhos”.

Faltando os dois outros juízes, considera-se que o tribunal não se pronunciou sobre as questões de requerimento de prova e de arguição de nulidades, apresentado pelo arguido.

A 27 de janeiro deste ano, o tribunal condenou Mário Silva por ter matado a ex-mulher com 19 facadas, por razões passionais, a 13 de agosto de 2013, na via pública em Chelas, Lisboa.

O arguido foi ainda condenado a pagar 150.000 euros de indemnizações aos familiares da vítima.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas criam hidrogel que se cura a si mesmo como a pele humana

A carne artificial, que pode vir a ser essencial para futuros desenvolvimentos em robótica e dispositivos médicos, está cada vez mais próxima de se tornar realidade. Cientistas na Austrália criaram um novo material gelatinoso que, asseguram, …

As estranhas "riscas de tigre" de Encélado foram finalmente explicadas

A lua gelada de Saturno, Encélado, tem despertado especial interesse na comunidade científica desde que foi observada em detalhe pela sonda espacial da NASA Cassini em 2005. Agora, uma equipa de cientistas encontrou resposta para …

Nicolas Bourbaki foi o maior matemático de sempre (mas nunca existiu)

Considerado como um dos maiores matemáticos de sempre, Nicolas Bourbaki não passava de um pseudónimo adotado por um grupo de grandes matemáticos, que revolucionou a matemática como a conhecemos. Nicolas Bourbaki está entre os maiores matemáticos …

No aquário do Tennessee, é uma enguia que acende as luzes da árvore de Natal

A enguia Miguel Wattson é a responsável pelo espírito natalício que se vive no Aquário do Tennessee, nos Estados Unidos. O Aquário do Tennessee, nos Estados Unidos, encontrou uma forma inusitada de celebrar esta época festiva: …

Há 34 anos, Diana dançou com Travolta. Agora, o seu vestido foi vendido por 261 mil euros

O vestido que a Princesa Diana usou para jantar na Casa Branca, em 1985, foi vendido por mais de 261 mil euros. O vestido azul que a Princesa Diana usou num jantar na Casa Branca, em …

Doentes crónicos com baixo nível de literacia em saúde recorrem mais às urgências

Os doentes crónicos e com um nível de literacia em saúde mais baixo utilizam mais vezes os serviços de urgência hospitalares e dos centros de saúde, bem como as consultas de medicina geral e familiar, …

Ártico viveu em 2019 o segundo ano mais quente em 119 anos

O Ártico viveu em 2019 o seu segundo ano mais quente desde 1900, de acordo com um relatório publicado na terça-feira, aumentando receios de degelo e aumento do nível da água. O Polo Norte está a …

Jardineiro encontra por acaso a obra mais procurada de Gustav Klimt. Estava no galeria onde foi roubada

Um funcionário da galeria de arte Ricci Oddi, na cidade italiana de Piacenza, encontrou por acaso a obra mais procurado do pintor austríaco Gustav Klimt. Estava na própria galeria, onde a obra terá sido roubada …

YouTube reforça políticas contra assédio online

O YouTube anunciou, esta quarta-feira, um conjunto de alterações às políticas que visam combater o assédio que existe na plataforma. O YouTube anunciou esta quarta-feira o reforço das suas políticas contra o assédio online, que preveem …

Deus bebé indiano vence caso em tribunal e reinvindica território sagrado

O Supremo Tribunal Indiano declarou Ram Lalla Virajman, um deus bebé, como o legítimo proprietário de Ayodhya, uma terra no norte da Índia considerada sagrada por muçulmanos e hindus. O tribunal decidiu que o Governo …