Oito meses depois da explosão em Beirute, o Líbano ainda é um pesadelo tóxico

Nabil Mounzer / EPA

O cenário de destruição no porto de Beirute, no Líbano

A explosão em Beirute foi apenas mais uma página no longo e sombrio livro da má gestão de resíduos tóxicos no Líbano. Ainda há produtos químicos perigosos no porto de Beirute.

Já lá vão oito meses desde as explosões que devastaram Beirute, a capital do Líbano, matando mais de 200 pessoas e gerando uma onda de destruição. Apesar disso, ainda ninguém foi responsabilizado pelo incidente, apesar de se saber que líderes políticos sabiam dos riscos das toneladas de nitrato de amónio indevidamente armazenado.

“Nunca vi uma situação como esta na minha vida”, disse um funcionário da empresa de engenharia alemã contratada pelo governo libanês para tratar dos resíduos tóxicos. Em fevereiro, foram encontradas milhares de toneladas de produtos químicos mais perigosos no porto de Beirute, que ainda lá estão até hoje.



Este descuido do Líbano não é recente e, segundo a VICE, o país já é um caso reincidente. Durante a guerra civil, a milícia das Forças Libanesas controlou o porto de Beirute e procurou ganhar dinheiro importando lixo tóxico do estrangeiro e colocando-o em aterros e pedreiras libanesas.

“A máfia italiana ganhou mil milhões de dólares a pegar em lixo tóxico de toda a Europa, despejando-o no Mediterrâneo e exportando-o para todo o mundo”, disse Fouad Hamdan, que trabalhou como ativista ambiental para a Greenpeace no Líbano.

“Nos anos 80 – Samir Geagea [um chefe militar cristão libanês] importava o lixo e nunca se desculpou pelo caos que causou. Como todos os outros chefes militares”, acrescentou.

À medida que a reconstrução pós-guerra prosseguia, os líderes libaneses não conseguiram construir ou manter a infraestrutura de tratamento de águas residuais ou implementar qualquer gestão significativa de águas residuais ou resíduos sólidos, escreve ainda a VICE.

Além disso, a maioria do lixo no Líbano não é separado e as leis contra despejo ilegal de lixo raramente são aplicadas. Isto faz com que haja quase mil lixeiras abertos em todo o país, e os aterros são mal administrados e estão bem acima da sua capacidade pretendida. Mais de 90% das águas residuais do Líbano vão sem tratamento para os rios, solo ou mar.

“Basicamente, não há gestão de resíduos perigosos no Líbano — a maioria dos resíduos é misturada com resíduos municipais e acaba em lixeiras e aterros sanitários, e apenas uma pequena quantidade é exportada para ser tratada no estrangeiro”, explica o especialista em gestão de resíduos Samar Khalil.

Daniel Costa Daniel Costa, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Anúncios de TV promovem mais os brindes do que o próprio fast food (e violam diretrizes do setor)

Para uma criança, a melhor parte de uma refeição de fast food não é a comida, mas o brinde que vem juntamente com a refeição. Os anúncios televisivos de fast food são regidos por diretrizes que …

“Se querem sucesso, têm de depender do sistema“. Empresário chinês é preso após disputa com o Estado

Sun Dawu, um dos empresários mais bem sucedidos da China, corre o risco de ser condenado a 25 anos de prisão, caso seja provado que cometeu os crimes dos quais está a ser acusado. O empresário …

Cientistas criam verniz para superfícies que mata bactérias em poucos minutos

Uma equipa multidisciplinar de cientistas desenvolveu um verniz para superfícies que mata bactérias, mesmo as mais resistentes, em apenas 15 minutos, anunciou a Universidade de Coimbra (UC). Trata-se de “uma solução segura e eficaz para prevenir …

Num país marcado pelo racismo, Jane Bolin fez história tornando-se a primeira juíza negra dos EUA

A 22 de julho de 1939, Jane Bolin fez história ao prestar juramento como juíza na cidade de Nova Iorque. A jovem ocupou o cargo durante 40 anos e só saiu de cena quando atingiu …

A petrolífera Exxon está a culpá-lo pelas alterações climáticas

Nos últimos anos, as empresas petrolíferas têm-se afastado do discurso de negação das alterações climáticas. Gigantes globais de energia como a Total, a Exxon, a Shell e a BP reconhecem abertamente que a mudança climática …

"Muita fraternidade”. Portugal enviou vacinas para Cabo Verde

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta segunda-feira que os indicadores da pandemia de covid-19 em Portugal permanecem "muito estáveis" e que a última grande abertura no plano de desconfinamento não teve …

Mais de metade dos alunos LGBTQI sofre bullying na escola, diz relatório

Mais de metade dos alunos LGBTQI sofre 'bullying' na escola, alertou esta segunda-feira a UNESCO, por ocasião do Dia Internacional Contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia. A Organização Internacional de Jovens e Estudantes LGBTQI (IGLYO) e …

Telescópio vai "caçar" a luz de 30 milhões de galáxias para mapear Universo e "revelar" energia escura

Um instrumento de um telescópio nos Estados Unidos vai capturar nos próximos cinco anos a luz de quase 30 milhões de galáxias e outros objetos cósmicos, permitindo aos cientistas mapearem o Universo e desvendarem os …

Portugal ficou acima da média europeia quanto ao teletrabalho

Dados do Eurostat sobre o teletrabalho durante a pandemia revelaram que Portugal registou uma média ligeiramente superior (13,9%) à da União Europeia (12,3%) entre as pessoas com idade dos 15 e os 64 anos. Em anos …

"Idiotas". Bolsonaro critica pessoas que mantêm isolamento social na pandemia

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, criticou os brasileiros que seguem as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e mantêm isolamento social na pandemia, a quem chamou de 'idiotas', em conversa com os seus …