/

A lava do vulcão de Las Palmas já destruiu mais de 200 casas, mas uma permanece intacta na devastação

1

Emilio Morenatti/AFP

Casa que escapou à fúria da lava na ilha de Gran Canária, na localidade de El Paraíso

Como se protegida por um manto de invencibilidade, a construção escapou à força da lava que a serpenteou para felicidade dos seus proprietários, um casal de reformados dinamarquês que escolheu fixar-se naquele território precisamente pela sua origem vulcânica.

As imagens que chegam de de La Palma, a ilha que tem sido varrida por um mar de lava proveniente da erupção do vulcão Cumbre Vieja que destrói casas e terrenos, nomeadamente plantações de bananas, por onde passa, têm gerado surpresa e choque por evidenciarem a facilidade com que milhares de famílias têm ficado desprovidas dos seus bens, sem que nada possam fazer para impedir o avanço e conquista da natureza.

No entanto, uma exceção despertou o interesse e atenção de vários meios de comunicação internacionais. Trata-se de uma casa térrea, isolada no meio de um monte da ilha vulcânica que, sem justificação aparente, escapou à força da lava impetuosa, tendo permanecido intacta para regozijo dos seus proprietários, Inge e Ranier Cocq, um casal de reformados dinamarquês que escolheu a ilha espanhola para passar os seus últimos anos.

Apesar da adoração pela ilha, que escolheram precisamente pela sua origem vulcânica, o casal não estava em La Palma quando a erupção teve início — desde que a pandemia começou que reduziram as deslocações —, ficando dependente de contactos de vizinhos e das imagens televisivas para se atualizar sobre o estado da sua habitação, que já ganhou o título de “casa milagre“.

Ada Monnikendam, uma das responsáveis pela construção da casa, contou ao El Mundo a reação do casal quando o informou das boas notícias. “Apesar de não conseguirmos ir aí neste momento, estamos muito aliviados que a casa permaneça de pé.” De facto, o mesmo não podem dizer os proprietários de mais de 200 habitações naquela região, chamada El Paraíso — para além de habitações, as autoridades locais estimam que mais de 390 edifícios, tais como escolas também tenham sido destruídos.

Ao longo das últimas horas, o avanço da lava abrandou significativamente (600 metros por hora), o que originou, junto dos especialistas o receio de que esta se pudesse espalhar ainda mais nos próximos dias e causar mais destruição em vez de se encaminhar diretamente para o mar, avança a Associated Press.

De acordo com o Instituto Nacional Geográfico das Canárias, citado pelo The Guardian, a atividade sísmica na ilha é agora “baixa“.

  ZAP //

1 Comment

  1. Depois dos treta-plana, dos negacionistas da Covid, do Trump, etc, parece que agora há negacionistas do vulcão!
    Tanto analista, sociólogo, vidente, bruxo, cartomante, mentalista, etc e ninguém previu que, em 2021, houvesse gente com o mínimo de literacia a fazer estas figuras!…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.