/

Juan Carlos paga mais de quatro milhões de euros ao fisco espanhol

Sergio Barrenechea / EPA

O rei emérito espanhol, exilado nos Emirados Árabes Unidos e visado por vários inquéritos judiciais, saldou uma divida fiscal de mais de quatro milhões de euros.

O advogado de Juan Carlos I, Javier Sánchez-Junco, confirmou, esta sexta-feira, num comunicado citado pelo jornal El País, que o rei emérito apresentou uma segunda regularização fiscal no valor de 4.395.901,96 euros.

Os impostos em atraso incidiam sobre o valor dos voos de que o rei beneficiou até 2018 de uma companhia aérea de jatos privados e que não declarou.

Em dezembro do ano passado, o ex-soberano, que reinou de 1975 a 2014, já tinha liquidado voluntariamente uma primeira tranche de impostos de quase 680 mil euros.

Esta dívida ocorreu após uma declaração de imposto sobre rendimentos não declarados anteriormente que, segundo o jornal espanhol, ascendem a mais de oito milhões de euros.

Em novembro, veio à tona uma investigação anti-corrupção sobre o uso pelo ex-monarca de cartões de crédito vinculados a contas bancárias em nome de um empresário mexicano e um oficial da Força Aérea espanhol.

De acordo com fontes judiciais, esta investigação visa determinar se o rei emérito usou candidatos para lavagem de dinheiro depois de 2014, a data da seu abdicação e, portanto, o fim da sua imunidade como chefe de Estado. Duas outras investigações judiciárias visam as finanças do ex-monarca.

Um deles visa determinar se Juan Carlos embolsou uma comissão no contexto da concessão de um contrato a empresas espanholas para construir um comboio de alta velocidade na Arábia Saudita em 2011.

O outro inquérito foi aberto após denúncia do serviço de prevenção à lavagem de dinheiro e confiada ao Supremo Tribunal Federal, o único com poderes para julgar um ex-soberano.

Juan Carlos decidiu ir viver para os Emirados Árabes Unidos em agosto do ano passado, quatro meses depois de Felipe VI ter privado o seu pai de uma subvenção pública de quase 200 mil euros anuais, enquanto renunciava a qualquer herança que pudesse corresponder às suas contas no estrangeiro.

O rei emérito viu-se envolvido numa investigação judicial, desde o verão de 2018, quando agentes da polícia suíça foram enviados por um juiz para analisar as contas de uma empresa gestora de fundos alegadamente ilegais em paraísos fiscais, onde tem investimentos pessoais.

  ZAP // Lusa

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE