/

Os filhos pertencem ao Estado, não aos pais. A “horrível história portuguesa” no El Confidencial

67

Jornal espanhol aborda – e critica – o caso de dois adolescentes que não estão nas aulas de Cidadania e Desenvolvimento, em Famalicão.

“Os filhos não pertencem aos pais, mas sim ao Estado: uma horrível história portuguesa”.

Juan Soto Ivars critica logo no título, no jornal El Confidencial, a situação mediática que envolveu dois jovens, alunos no colégio Camilo Castelo Branco, em Famalicão.

Recorde-se que este processo já começou em 2018 quando os pais dos dois alunos informaram o colégio que os seus filhos estavam proibidos de assistir às aulas (obrigatórias) de Cidadania e Desenvolvimento.

A disciplina envolve temas como sexualidade, direitos humanos, igualdade de género, interculturalidade, desenvolvimento sustentável, educação ambiental, saúde, media, instituições e participação democrática, literacia financeira e educação para o consumo e segurança rodoviária.

Os pais dos dois alunos consideram que esses temas devem ser discutidos e educados dentro de casa, seguindo os valores da família.

A direcção do colégio percebeu e aceitou a decisão e deixou ambos passar de ano.

Mas foi aí que João Costa – na altura secretário de Estado, hoje ministro da Educação – interveio: “Esses rapazes têm que aprender os valores decididos pelo Governo!“, escreve o espanhol.

Foi aberta uma investigação e em 2020 o ministério decidiu que os irmãos teriam de repetir o ano lectivo 2018/19. Entretanto, têm passado para o ano seguinte, mas de forma condicionada – enquanto os processos decorrem nos tribunais.

“Todos os filhos têm histórico fabuloso, colaboram, são gentis e atenciosos. Portanto, parece que a família Mesquita Guimarães conseguiu educar os seus filhos, não apenas de forma correcta, mas com excelência. Mas nada disso parece importar para o ministério da Educação”, lamenta o jornal.

Num Estado que não pode programar a educação e a cultura dos alunos, o “próximo episódio” foi o Ministério Público a pedir que a escola fique responsável pelos alunos durante o período escolar: “É a única medida que se apresenta como do superior interesse dos jovens e com potencial a, definitivamente, afastar situação de perigo existencial dos mesmos”.

O Ministério Público, após uma investigação prolongada à família em causa, alega que os pais “põem em perigo” a formação, educação e desenvolvimento dos filhos. E consideram a hipótese de os jovens sofrerem “maus-tratos psíquicos, não receberem os cuidados ou a afeição adequados às suas idades e estarem sujeitos a comportamentos dos pais que afectam gravemente o seu equilíbrio emocional”.

O artigo espanhol indica que João Costa “ataca” esta família de Famalicão desde 2018 e vê esta história no país vizinho como um “calafrio” – é que, em Espanha, a lei de Educação foi alterada e, considera Juan Ivars, há elementos ideológicos e políticos infiltrados em todas as disciplinas principais.

“Se um governo está disposto a defender o ensino da sua linha ideológica, a ponto de atacar uma simples família com toda a sua maquinaria, o que nos resta ver?”, questiona-se.

  ZAP //

67 Comments

  1. Juan Soto Ivars critica, no jornal El Confidencial, mas não propõe nenhuma solução.
    É só “verborreia” para ganhar mais algum com um artigo “à peça”, esta sim para consumo ideológico.

    • A disciplina de cidadania tem conteúdos polémicos, sim! Basta constatar quem são os(as) autores(as) do manual! E os nossos filhos têm de levar com lixo ideológico, disfarçado sob o alibi da boa moral e da tolerância, sem que possamos contestar. Algumas das temáticas não são meramente informativas, são autênticas lavangens ao cérebro.
      Houve o bom senso de tornar opcional a disciplina de religião e moral. Porque não a de cidadania? Ou então, porque não retirar o tão polémito tema da sexualidade e da ideologia de género? Isso compete aos pais/encarregados de educação..
      O incentivo ao respeito pelo ser humano seria suficiente para ajudar a aceitar a diferença, seja ela qual for. Não é necessário aprofundar o tema da ideologia de género, só para abraçar, de forma camuflada, a pressão que certos grupos na sociedade têm exercido para se destacarem em exigências, algumas delas absurdas, como içar uma bandeira às portas de um poder concelhio.
      Eduque-se contra a violência, a corrupção e a desonestidade, porque é o que verdadeiramente estamos a necessitar.
      Enfim… é lamentável que o Estado use as escolas para manipular desta maneira a formação dos nossos filhos.

      • É o estado esquerdista e ditatorial… sem nenhum direito de mandar em temas de educação que só têm a ver com os pais e encarregados de educaçãi, ba falta daqueles.
        Pior que no tempo sa outra senhora ..

        • Esse João Costa e o ministério público deviam ter vergonha!! Muita vergonha na cara!! E nós pais somos obrigados a permitir que nossos filhos levem com lavagem cerebral ideologica e deturpação de valores mascarados de aulas de cidadania. Aulas de cidadania seriam muito uteis se não estivessem a ser usadas como instrumento politico, com conteudos minados. Todos os pais deste país deviam-se unir para exigir a revisão do programa dessa disciplina. Os meus sinceros PARABÉNS à familia que teve a coragem de enfrentar o sistema e optar por não expor seus filhos a programas que minam valores familiares e culturais.

          • Óh iluminado ! Einstein da capoeira !
            Explica lá então se está mal, como parece que tudo o que o dito Passos fez está para ti, se reverteram e mal muita coisa, como as 40 horas semanais d trabalho, cujo resultado está à vista no SNS mas não só e a TAP, cuja consequência nefasta ainda só por poucos é visível, porque não reverteram esta da cidadania ?
            Por cá, com excepção de ti, einsten da capoeira e de mais uns quantos avençados do regime, toda a gente vê o absurdo da questão; mas lá fora, onde as pessoas estão mais distantes e tem menos posições apaixonadas e emocionais do assunto,não conseguem perceber o absurdo

          • Oh Eu vai mesmo ao psiquiatra (do SNS). O que aqui se discute é a tirania do estado que quer impor ás famílias a sua orientação politica e a ideologia esquerdoide que o enferma.
            Vir agora o ministério público (que ainda não acusar o Socrates) bradar que os país não sabem educar os filhos e que é preciso intervir para fazer prevalecer a vontade do Estado, tem laivos de sistema judicial do período nazi em que os juízes julgavam em função “do critério de justiça do nosso fuhrer”.
            É vatar vilanagem

        • Não poderia estar mais de acordo consigo. Haja alguém que nos entenda!
          Quem mais direito tem de ensinar os nossos filhos do que os pais que os criam com tanto carinho, e às vezes com tanta dificuldade? Na criação dos meus filhos nunca o Estado se preocupou se eles tinham comida, higiene, agasalho, casa para viver… é mesmo “lamentável que o Estado use as escolas para manipular desta maneira a formação dos nossos filhos”.

        • O Salazarismo comparado com o Xuxalismo é como comparar a UK com Stalin … pensando bem KostaVirus já tem a barriga “Stalinizante” …

      • Concordo inteiramente! Bem diz a Constituição da República que a educação não pode estar subordinada a ideologias mas a ideologia de género é isso mesmo e bastante perniciosa. Se a Escola deve ser a continuação da família, não percebemos que este tema seja sequer colocado. Ofende, não raro, além das famílias, os próprios alunos, sobretudo as jovens adolescentes. Há estudos em Inglaterra que apontam para perturbações psicológicas graves nalguma jovens. Que podemos fazer?

      • Pelos vistos o tema sexualidade é que faz comichão… Se calhar é mesmo por esse motivo que tem de ser a escola tem de abordar o tema nas escolas, já que em muitas casa portuguesas é tabu… E ainda assim deveria verificar todo o programa para perceber que também se fala também se abordam outros temas, aliás aqueles que refere no seu comentário que deviam ser abordados! Eu até diria que um pai/ mãe que limita a formação do seu filho baseado nas suas crenças também pode ser considerado uma forma de manipulação, but just saying…

    • Ó O Tolo, Juan Soto Ivars apenas noticiou o que já era do conhecimento geral. Se crítica existe nas palavras que o ZAP transcreveu, ela é visível apenas no título da notícia e no seu último parágrafo, não envolvendo a evidente contundência que se poderia esperar. Quero dizer que quase nem crítica houve.
      Quanto ao que o O Tolo gostaria que Soto Ivars dissesse ou propusesse – SOLUÇÕES -, compreenderá que não caberia a ele fazê-lo.
      Agora crítica deixo aqui eu. A ter sido verdade o que João Costa disse enquanto Secretário de Estado «Esses rapazes têm que aprender os valores decididos pelo Governo!», esse senhor só provou incapacidade para ocupar o cargo que ocupava e o que ocupa actualmente, deixando escapar algo de tenebroso em qualquer sistema político: a modelação da criatura humana quanto ao carácter, à personalidade, aos gostos, ao sentido de bem e de mal, do correcto e do incorrecto, numa inversão do conceito de SER que facilite a transformação das gerações mais novas em autómatos comandados à distância.
      O fenómeno não é novo nem de origem nacional, mas também anda por cá.

      • “Autómatos comandados à distancia” já estamos nós todos! Os valores que nos impingem são os dos países dominantes, não há opção e ninguém reclama. É a publicidade, os filmes, (todos com a mesma origem), os programas de televisão, a internet, o futebol, os nomes das empresas,as musicas, (os nossos jovens já só querem cantar em inglês) Não há como fugir. O papel de educar compete aos pais, mas nem todos são da família Mesquita Guimarães.
        Quando as famílias não sabem educar quem os deverá educar? É deixar-se ir nesta onda de colonizados?
        No meu entender, Educação Para a Cidadania sim! Mas com um programa sem ideologias.

  2. Se pertencem ao estado podia ser ele a manter los em vez de ser ao contrário, o estado um sorvedouro de dinheiro e com cada vez menos utilidade ainda para mais sendo um estado misandrico.. tem é de se combater este estado que odeia metade da população de um país!
    E são os homens que o mantém mais incrível ainda!..

  3. Como escreveu um seculo atras Nadia Krupskaia, quando se debatia ja na altura se as criancas “pertencem ao Estado ou aos Pais”: As criancas nao pertencem nem a uns nem a outros, pertencem a si proprios.

    Cabe aos Pais cuidar dos filhos, cabe a’ comunidade assegurar que, se os pais falham, as criancas sejam protegidas, ate’ atingirem maioridade. Claro que os valores sobre esse conceito de proteccao, sao os civilizacionais, consagrados em Democracia nas Constuicoes da Republica.

    O que estes chico-espertos demagogicos deste artigo escondem, e’ que o que eles querem e’ mesmo permitir a pais retrogrados e abusadores, desde que sejam defensores de ideologias de direita, dominem e moldem as criancas a seu gosto, negando-lhes acesso aos valores de tolerancia civlizacional. Este artigo MENTE quando diz que o secretario queria “os valores do Governo”. E’ tao nojento, que so’ esta mentira mostra claramente os designios oportunistas da demagogia ideologica de quem quer impor as suas ideias a menores, mesmo que contrariem o consenso civilizacional.

    Os Pais podem e devem contrariar, junto dos filhos, tudo o que entenderem que devem criticar sobre conteudos do ensino, pois nao faltam tambem abusos dos idiotas fundamentalistas do politicamente correcto, que infelizmente domina uma parte da esquerda. Que querem impingir a menores os seus dogmas, que inventam “13 generos”, que “a heterosexualidade e’ uma “minoria” como as outras”, e outras baboseiras do genero. Serei eu o primeiro a erguer-me contra tais “conteudos” nao consensuais serem expostos a menores. Tem muito tempo para pregar a sua verborreia, depois de eles atingirem a maioridade.

    Agora o facto e’ que as criancas estarao sempre ao alcance dos Pais para os ouvirem: o que estes demagogicos direitistas querem, e’ SONEGAR a’s criancas o poderem ouvir a Escola, e os seus valores civilizacionais, nao e’ o “programa do Governo”, mentirosos!.

    Em resumo, estes “Pais” e’ que querem LIMITAR a LIBERDADE de escolha das criancas, nao e’ “o Estado”, pois o Estado nao os proibe de ouvir os Pais, estes e’ querem proibir as criancas de ouvir a civilizacao. QED.

    • Oh Eu vai mesmo ao psiquiatra (do SNS). O que aqui se discute é a tirania do estado que quer impor ás famílias a sua orientação politica e a ideologia esquerdoide que o enferma.
      Vir agora o ministério público (que ainda não acusar o Socrates) bradar que os país não sabem educar os filhos e que é preciso intervir para fazer prevalecer a vontade do Estado, tem laivos de sistema judicial do período nazi em que os juízes julgavam em função “do critério de justiça do nosso fuhrer”.
      É vatar vilanagem

    • Há pouco tempo revi um filme sobre a força da dialética, que se passou nos Estados Unidos e a propósito da segregação racial. O filme retrata um conjunto de debates sobre o assunto, sem que houvesse agressões, verbais ou físicas.
      A opinião que o autor subscreve de deixar ouvir os outros pontos de vista, é igual ao deixar experimentar para ver se gosta !!! Ou seja, não tem substracto nem conteúdo.
      E se assim não fosse, assim como são proibidos ideais fascistas, e bem, deveriam ser proibidos os ideiais de extrema esquerda, o que não são; e aqui reside o busílis da questão; se é para que todos tenha conhecimento e decidam livremente, porque razão uns são proibidos e outros não ?

  4. Votaram neles, veja-se que o tipo até foi promovido a ministro.
    Temos o que merecemos enquanto povo… e aguardem uns anitos que veremos o resultado final de tanto xuxialismo!
    Podem sempre perguntar aos Venezuelanos ou Cubanos que eles explicam como estas coisas funcionam.

  5. Mas…mesmo que os Pais sejam defensores de ideologias de direita, coisa que aliás não está provada, nem tão pouco referida, há algum mal nisso? Não podem ser? Não é isso que é a democracia? Porque é que só está certo se for de esquerda? Nunca iremos estar todos de acordo, mas deixem as pessoas decidir!

    • Exactamente! Quem quer educar crianças à sua maneira, traga-as a este mundo, cuide BEM delas, e eduque-as como bem entender. mas livremente!

  6. Só pode ser mais um lambe botas que parasita no sistema… tinha que vir defender essa quadrilha de ladrões pedofilos que agora atacam os nossos próprios filhos com ideologias escondidas num suposto programa escolar. E pobre daquele que ousar reagir contra essa máfia de colarinho branco. Aparecem logo soldadinhos como este para o defender!

    • “Viajante” e’ um bom exemplo de como os mentirosos e demagogos conseguem que mesmo as mentiras mais nojentas e descaradas, tenham eco, gracas ao controle dos media. Desafio o “Viajante”, ou a mentirosa que escreveu esse artigo, ou os demagogos mentirosos que o manipularam, a demonstrar que alguem de qualquer Governo afirmou ““Esses rapazes têm que aprender os valores decididos pelo Governo!“ . DESAFIO! DIGAM ONDE E QUANDO E QUEM !

      E” lamentavel que individuos se deixem enganar com tanta facilidade e aceitem de forma mentecapta as mentiras mais descaradas.

      Leia com atencao, Viajante, aprenda a ler. Estes demagogos manipuladores escrevem essa frase entre aspas, mas sem dizerem que foram ELES, OS MANIPULADORES, que afirmam essa parvoice indefensavel, dando a entender pela forma como inserem essa pseudo-“citacao” que sai da boca do tal secretario de Estado, ao mesmo tempo que se protegem contra processo judicial de difamacao, dizendo que essa frase aparece no artigo, mas de forma que parece que e’ na mesma citacao do “Secretario”.

      Mas para quem nao e’ parolo, isso so’ demonstra o cuidado elaborado da mentira. Primeiro, mentem, depois consultam um jurista para escreverem a mentira de forma a nao poderem ser desmascarados em tribunal por difamacao mentirosa. Assim, citam-se a eles proprios, mas deixam no leitor a impressao de que a frase e’ do tal secretario.

      Em suma, so; e’ manipulado quem quer ser, ou quem nao sabe ler, … ou quem e’ parolo. Porque factos sao factos.

  7. Tenho estado a ler os comentários e respeito o que escrevem tendo em conta alguns que demonstram claramente
    a sua ideologia fanática e no caso concreto o intitulado “EU” , que reflete bem o fanatismo e obediencia ao governo.
    E o “EU” apresenta claramente um complexo de inferioridade , inveja e medo relativamente ao Passos Coelho ,aconselho-o a tirar uma férias , desanuviar o cerebro e que não sonhe com o “papão” Passos Coelho .

  8. Meu caro, não quero nem me interessam polémicas. Afirmo apenas que a disciplina foi introduzida na ensino pelo Passos Coelho mas o seu conteúdo foi alterado. Não vejo nisto qualquer dos epítetos com que me cognominou. Quanto às férias….. já estou tirando…..

    • Caro Sousa Campos, so’ a ver se percebo a pertinencia do seu legitimo comentario, (legitimo, mas de que nao entendo a relevancia): Quer isso dizer que estes Pais, querem proibir os seus filhos nao e’ pela disciplina em si, mas porque os conteudos ja’ nao sao os do Governo de Cavaco? Esses, ja’ podia por “os rapazes a aprender os valores do Governo”, sem que tal suscitasse tamanho horror e histeria?
      E’ que aqui uns gritam que nao interesssa se e’ de esquerda ou de direita, outros gritam que e’ o horrivel o principio de fazer parte do curriculum obrigatorio aprender cidadania. Mas e’ por isso que o esclarecimento do Eu interessa: pois se foi o Cavaco a “impor” essa disciplina, afinal contra quem berram?
      Afinal em que ficamos? o problema e’ a existencia da disciplina obrigatoria, ou do conteudo do Cavaco “para a rapaziada aprender”, ter mudado?
      So’ para entender. meu caro, so’ para entender a relevancia do seu comentario, – sem epitetos nenhuns.

      Porque para mim, o essencial e’ o simpes facto deste artigo MENTIR, com dolo, ou seja, com clara intencao de manipular (os chamados “triggers” para parolos ficarem logo histericos “contra o xuxialismo”… e como tal tudo o resto e’ paisagem para deitar poeira para os olhos.

  9. É surreal a posição do Ministério Público de Famalicão. Não olham para as provas dos processos em que os pais e encarregados de educação se recusam a dar a educação aos filhos depois das escolas identificarem as necessidades especiais das crianças e que estas sim têm impacto no desenvolvimento e no futuro das crianças… mas, depois sai-se com esta medida de retirar a tutela a pais que pelos vistos estão a educar no bom caminho os filhos e que são bons alunos. Ninguém põe mão no ministério público de Famalicão e que usa e abusa do poder que tem e ainda se dá ao trabalho de insultar as famílias que não têm mais nenhum instrumento se não recorrer aos tribunais para verem os direitos das suas crianças exercidos. Era bom que este caso chegasse longe e que alguém desse uma volta na justiça familiar em Famalicão.

  10. Sabem o que é Pensamento Crítico? Não temos que pensar todos da mesma maneira. Se os pais dos jovens não concordam com os conteúdos das aulas de Cidadania, só têm que analisar com os filhos a matéria lecionada e dar-lhes ferramentas teóricas para eles contra-argumentarem e criticarem o que o ensino oficial ministra. Proibindo os jovens de frequentar as aulas de Cidadania estão a impôr a sua ideologia aos filhos e a negar-lhes o direito de fazer as suas próprias escolhas.

  11. O estado Portugues está a ser criminoso! Temos de acabar com governo e pronto! Não vai a bem vai a mal! As crianças nao sao do estado nem dos pais. Têm de ser cuidadas por nao terem condições mas nao sao objectos de niiguem! Porque raio aparece uma lei destas sem que o povo tenha sido consultado? Isto nunca aconteceu e nunca ninguem foi ignorante ou terrorista!

  12. Até admira como é que as crianças frequentam aulas como ciências, afinal o mundo não foi criado por Deus? Não descendemos todos de Adão e Eva? Agora não quero que os meus filhos frequentem essa disciplina, porque eu enquanto pai/ mãe não concordo com o que é leccionado e eu é que sei o que eles devem aprender!
    A educação deve promover a informação e a liberdade! Lavagens de cérebro? Epah eu aprendi que a terra era redonda na escola e mais tarde até li um site altamente fiável que diz que afinal a terra é plana… Mas até podia ter sido a minha mãe a ensinar, mas no fim de contas eu vou construir aquilo em que acredito… Ou seja, muitos de nós até aprendemos coisas na escola ou em casa e será que fomos todos lavadinhos do cérebro? Será que uma criança que se sente heterossexual vai passar a ser homossexual ou outro depois de uma aula de cidadania? Claro que não. O conhecimento não ocupa lugar, no fim de contas somos todos pensantes e independentemente de onde adquirimos informação formamos as nossas opiniões, ideologias e por aí, sejam elas contraditórias ou favoráveis ao aprendido.. certo? Ou não?

  13. Educar bem os filhos???!!! Ensinando-lhes que, vivendo numa sociedade organizada, com leis e constituição, podem, a seu bel prazer, escolher as disciplinas à la carte!!! Olhem, hoje não vou a geografia porque não gosto do clima, amanhã não vou a história porque odeio o 25 de Abril e assim por diante!!!. Isto nem numa república das bananas!! Mas que raio de mentalidade é esta? E como se não chegassem as enormidades nacionais ainda nos faltavam estas do El País! Que tratem dos assuntos internos e deixem-se de meter a foice em seara alheia!! Era só o que nos faltava!!

  14. Disciplina de Cidadania… para “sensibilizar” as Crianças, orientá-las sexualmente, incutirem-lhes a inclusão, blá, blá, blá…
    Assim, essas Crianças, por exemplo, vão aceitar que homens que se sentem mulher sejam atletas de alta competição e ganhem provas atrás de provas, batendo recordes femininos… humilhando as mulheres. E as femininistas ficam caladinhas.
    E as Crinnças terão todas as dúvidas esclarecidas numa aula de Cidadania por estarem em estado de “mente aberta”.
    Poupem-me, poupem essas Crianças e poupem a maioria do Cidadãos.

  15. Caros Amigos,

    Na China já existe o sistema de pontuação social. Quem perde pontos é penalizado até nem poder sair de casa. Quem ganha pontos ganha privilégios. Basta adorar o comunismo, Mao-Tse Tung, e reportar o vizinho por ter dito algo mau na sua casa de banho quando ele achava que estava sozinho. E agora um deputado inglês propus a mesma solução no Parlamento do RU.
    Quem sabe, talvez um dia, em Portugal também só poderemos fazer o que o governo exige. Ninguém pode ter ideias diferentes, pensamentos alternativos. Caso contrário, perderá pontos e será banido da sociedade.

  16. uma experiência científica, um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula. No meio, uma escada e, sobre ela, um cacho de bananas.

    Quando um macaco subia na escada para pegar as bananas, os cientistas jogavam um jato de água fria nos que estavam no chão. Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros o pegavam e batiam muito nele.

    Mas um tempo depois, nenhum macaco subia mais a escada, apesar da tentação das bananas.

    Calculadora de maturidade

    Então os cientistas substituíram um dos macacos por um novo. A primeira atitude do novo morador foi subir a escada. Mas foi retirado pelos outros, que o surraram. Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não mais subia a escada.

    Um segundo foi substituído e o mesmo ocorreu – tendo o primeiro substituto participado com entusiasmo da surra ao novato.

    Um terceiro foi trocado e o mesmo ocorreu. Um quarto e, afinal, o último dos veteranos foi substituído.

    Os cientistas, então, ficaram com o grupo de cinco macacos que, mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse pegar as bananas.

    Se fosse possível perguntar a algum deles por que eles batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria:
    “Não sei, mas as coisas sempre foram assim por aqui”.

    Você tem questionado os paradigmas estabelecidos em seu local de trabalho ou em sua vida pessoal?

    Deixo essa reflexão para que o conformismo não lhe prive de alcançar o seu “cacho de bananas”! Você deve questionar os paradigmas impostos para saber se não está perdendo o prazer de desfrutar o seu sucesso.

    Muitos dos comportamentos que nos são colocados vem de hábitos ultrapassados e repetidos por quem já “apanhou” antes ou por pessoas que vão te dizer: “Tem que fazer assim”, “Sempre foi feito desse jeito”.

    O medo do novo pelo novo não é nada de anormal, imagine você costuma se sentar sempre no mesmo lugar em sua sala de aula, no mesma cadeira de reunião, no mesmo assento do ônibus. É assim porque queremos evitar surpresas, a fuga da angústia gerada pelo novo comportamento.

    Muito sabiamente falado, ouvi de uma ex-chefe a seguinte frase: “A ótima solução de hoje, provavelmente não será a melhor de amanhã”.

    Isto expressa exatamente o que é abordado na nossa fábula acima, as coisas e os “macacos” mudam, mude você também o seu comportamento.

  17. Acho incrível os pais ou alguém achar que os filhos são objetos e que pertencem a alguma coisa! Esta é a prova do egoísmo humano!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.