Príncipe da Jordânia aparece em público apesar da prisão domiciliária

Mike Nelson / EPA

O rei Abullah (D) e o seu meio-irmão, o príncipe Hamzah bin Hussein (E)

O príncipe Hamzah, da Jordânia, apareceu no domingo em público pela primeira vez desde que foi colocado em prisão domiciliária, acusado de “conspiração” contra o rei Abdullah II, seu meio-irmão.

Segundo noticiou a agência Lusa, o príncipe esteve presente numa cerimónia com o rei Abdullah II, num importante feriado nacional – o centenário do estabelecimento do Emirado da Transjordânia, o protetorado britânico antecessor da atual monarquia.

O palácio real divulgou uma fotografia e um vídeo com Abdullah, Hamzah, o príncipe herdeiro Hussein e outros dignitários, junto à sepultura do rei Talal, em Amã, a capital. Hamzah juntou-se à família para as orações, mas não fez declarações.

De acordo com a agência AP, esta foi a primeira vez que Hamzah foi visto em público desde que foi colocado em prisão domiciliária, em 03 de abril, na sequência de acusações de envolvimento numa “conspiração maliciosa” para desestabilizar a monarquia.

Porém, não é certo que o rei e o popular príncipe tenham posto de lado as suas diferenças, na sequência da mais séria divergência pública da família real em décadas.

As autoridades impuseram uma mordaça generalizada à cobertura mediática da disputa real, mas, num comunicado que chegou à comunicação social, o príncipe Hamzah nega as acusações de conspiração e critica o Governo jordano por corrupção e incompetência.

O rei Abdullah confirmou depois que as autoridades tinham impedido uma tentativa de conspiração, envolvendo o seu meio-irmão e outros 18 suspeitos, assumindo-se zangado e chocado. “[Hamzah está] com a sua família, no seu palácio, sob a minha responsabilidade”, adiantou, dando a entender que controla os movimentos do meio-irmão.

A aparição de Hamzah mostrou que está bem, mas desconhece-se se o príncipe terá aparecido voluntariamente e se tal significa maior liberdade de movimentos.

Não há indicações de que as autoridades tenham libertado outro dos 18 suspeitos, entre os quais elementos de uma das tribos mais poderosas, aliada tradicional da monarquia.

Este drama palaciano surge numa altura em que a Jordânia se debate com uma crise económica e social (uma em quatro pessoas está no desemprego), agravada pela pandemia de covid-19 e o impacto desta num país muito dependente do turismo.

As queixas contra a corrupção e o desgoverno deram origem a protestos, nos últimos meses, por todo o país. Ao mesmo tempo, a paisagem estratégia da região está a mudar, com a aproximação entre os poderosos emirados do Golfo e Israel, o que pode desvalorizar o papel da Jordânia no processo de pacificação do Médio Oriente.

A Jordânia – com uma grande população palestiniana, incluindo mais de dois milhões de refugiados, e seus descendentes, das guerras com Israel – tem sido um parceiro estável do Ocidente, nomeadamente dos Estados Unidos, na região.

Abdullah e Hamzah são filhos do rei Hussein, que governou a Jordânia durante quase meio século, até morrer, em 1999. Abdullah chegou a designar Hamzah como príncipe herdeiro à sua sucessão, mas, em 2004, recuou, a favor do seu filho mais velho.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Licença para estudar. Governo negoceia e bazuca europeia vai saldar promessa eleitoral

As negociações já estão em curso. Com o dinheiro que vai chegar da União Europeia (UE), o Governo vai poder apoiar empresas, reforçar os rendimentos das famílias e alargar políticas sociais O Expresso avança, esta sexta-feira, …

O fim de uma lenda: Teddy Riner perdeu

Campeão olímpico em 2012 e em 2016, falhou o registo histórico de se tornar tricampeão nos Jogos Olímpicos. Lukáš Krpálek foi campeão e também foi histórico. Teddy Riner foi campeão nas duas edições anteriores dos Jogos …

Governo de Biden quer que estados ofereçam 100 dólares a quem for vacinado

O Governo dos Estados Unidos quer que os vários estados norte-americanos ofereçam um cheque de 100 dólares aos cidadãos que se vacinem contra a covid-19. De acordo com a imprensa norte-americana, o Governo de Joe Biden …

"Estou com vergonha, fui uma deceção": a chorar, Rochele pediu desculpa a Portugal

Judoca nascida no Brasil, que se naturalizou por Portugal a pensar nos Jogos Olímpicos, só venceu um combate em Tóquio. Rochele Nunes chegou aos Jogos Olímpicos com o objetivo de subir ao pódio mas só venceu …

Governo acelera no desconfinamento, mas ainda há questões para os peritos resolverem

Plano apresentado pelo Governo esta quinta-feira diverge do proposto pelos peritos, sobretudo na data prevista para a imunidade de grupo e, consequentemente, para o levantamento de medidas restritivas. Apesar das medidas anunciadas que sugerem um …

Se António Costa sair, "o PS parte-se todo"

Rui Rio não esconde a ambição de tirar o lugar a António Costa. Em entrevista ao Expresso, o líder social-democrata assumiu estar convicto de que o PS "se parte todo" se o atual secretário-geral do …

Vladimiro Feliz concorre ao Porto com o apoio de cinco independentes

Vladimiro Feliz concorre à Câmara do Porto pelo PSD, contando com o apoio de cinco independentes numa lista de 13 pessoas. "Rui Moreira tornou-se um autarca vulgar", disse Vladimiro Feliz numa recente entrevista ao jornal Público. …

Rui Costa "jamais aceitaria ser príncipe herdeiro" (e deixa candidatura em aberto)

O presidente do Benfica, Rui Costa, disse que seria uma cobardia a si próprio e aos benfiquistas se não assumisse o cargo e que ignorou Luís Filipe Vieira porque ninguém está acima do clube. “Não podia …

Emprego recupera para níveis históricos, mas jovens não acompanham tendência

Números provisórios do INE correspondentes a junho indicam uma retoma do emprego, com 17 mil novos postos de trabalho criados — numa sequência de cinco meses consecutivos de melhoria. Trata-se do mês mais forte desde …

Desconfinamento: A satisfação de uns, continua a ser a angústia de outros

Há vários meses que muitas áreas de atividade económica desejavam o anúncio de um desconfinamento generalizado. Numa altura altura em que a taxa de vacinação está a aumentar progressivamente, o Governo fez-lhes a vontade, mas …