Investigadores de Cambridge criaram jogo para combater “fake news”

Bad News / University of Cambridge

Uma imagem do jogo “Bad News”

Investigadores da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, pensam ter descoberto uma forma de “inocular” o público contra as chamadas notícias falsas.

Segundo o Science Alert, a solução pode estar num simples jogo online, lançado no ano passado e batizado de Bad News, no qual qualquer pessoa que assim o deseje pode entrar de forma segura na mente de um propagandista da Internet nos dias que correm.

“A investigação sugere que as notícias falsas se espalham mais rápido e mais profundamente do que a própria verdade, por isso combater a desinformação depois do facto pode ser como lutar uma batalha perdida”, afirma Sander van der Linden, co-autor do artigo publicado, no final de junho, na revista científica Palgrave Communications.

“Queríamos ver se conseguíamos desmascarar de forma preventiva notícias falsas, expondo as pessoas a uma dose fraca dos métodos usados para criar e disseminar desinformação, para que entendessem melhor como poderiam ser enganados”, explica.

Esta tática é aquilo a que os psicólogos chamam de “teoria da inoculação”, isto é, quando se tenta persuadir uma pessoa a não ser persuadida por outra. Tal como uma vacina, expor as pessoas a um argumento fraco pode ajudá-las a desenvolver um sistema de defesa, através do qual argumentos mais fortes não serão tão contagiosos ou prejudiciais no futuro.

O jogo online funciona dentro de uma simulação de uma rede social, onde os participantes são apresentados a estratégias de propaganda que podem usar para construir uma plataforma que espalhe medo, ódio e raiva.

Com recurso a ‘bots’ do Twitter, Photoshop e outras estratégias, os jogadores podem fazer surgir um escândalo nacional ou roubar a identidade de outra pessoa para aumentar a sua própria credibilidade. Ao longo desta jornada, os jogadores ganham medalhas pela sua manipulação bem-sucedida. Mais importante ainda, antes e depois de jogar, foi pedido que avaliassem a confiabilidade de uma série de diferentes manchetes e tweets.

Até agora, milhares de pessoas já jogaram o jogo de 15 minutos e a análise de 15 mil desses resultados foram agora publicados. Embora o jogo não tenha mudado a forma como os participantes compreendem as notícias reais, foram, em média, 21% melhores em determinar a confiabilidade das notícias falsas depois de terem jogado.

Isto sugere que o jogo não deixa apenas os participantes mais céticos, mas também os capacita a perceber estratégias específicas de fraude. Melhor ainda, aqueles que eram mais suscetíveis a manchetes de notícias falsas no início do jogo pareceram beneficiar ainda mais dessa “inoculação psicológica”.

Enquanto que, no geral, os idosos e os conservadores foram os grupos mais suscetíveis a notícias falsas, a inoculação pareceu funcionar em toda a demografia, incluindo géneros, níveis de educação, grupos etários e ideologias políticas.

Porém, tal como explica o Science Alert, a própria natureza do jogo traz algumas desvantagens científicas. Exemplos disso são, por exemplo, o facto de o tamanho da amostra não poder ser representativo do público em geral e o estudo não ter um grupo de controlo tradicional, ou seja, para minimizar o problema, os autores incluíram duas questões de controlo de “notícias reais”.

E, antecipando já algumas críticas, os investigadores estão confiantes de que o jogo não encoraja um mau comportamento online. A divulgação de notícias falsas geralmente é feita por razões financeiras e/ou políticas, e essas motivações não são inspiradas no jogo.

Além disso, apontam, qualquer pessoa que tenha perdido algum do seu tempo na Internet já se deparou com todas estas estratégias e técnicas. Os mecanismos de notícias falsas já não são um segredo, mas estão a tornar-se rapidamente um contágio.

“Estamos a mudar o alvo das ideias para as táticas. Ao fazer isto, esperamos criar aquilo que podemos chamar de ‘vacina’ contra notícias falsas, em vez de tentar combater cada conspiração ou falsidade específica”, conclui o outro co-autor do estudo, Jon Roozenbeek.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …

Para os jovens refugiados, um telemóvel pode ser tão importante quanto comida ou água

Entre 2015 e 2018, mais de 200.000 jovens não acompanhados reivindicaram asilo na Europa. Muitos deles, agora na União Europeia, têm uma coisa em comum: os seus smartphones. Não são apenas ferramentas para entretenimento nem uma …

Cientistas observaram pela primeira vez porcos a usar ferramentas

Uma equipa de cientistas registou pela primeira vez uma família de javalis das Visayas, num jardim zoológico em Paris, a usar paus para cavar e construir ninhos. Os porcos não gostam só de chafurdar na lama …

Transição verde: o mundo tem muito a aprender com uma pequena cidade na Islândia

Uma pequena cidade no norte da Islândia tornou-se quase neutra em dióxido de carbono (CO2). Uma equipa de cientistas viajou até ao país insular nórdico para descobrir como podemos aprender com esta cidade. Atualmente, as cidades …

Adolfo Mesquita Nunes não será candidato à liderança do CDS

Adolfo Mesquita Nunes anunciou este domingo que não será candidato à liderança do CDS. A garantia foi deixada pelo próprio, na sua página pessoal de Facebook, depois de ter sido desafiado por António Pires de …

Afastado desde a noite eleitoral, Rui Rio volta para lançar suspeitas sobre a RTP

Afastado dos holofotes desde a noite eleitoral e sem dizer se se vai recandidatar à liderança do PSD, Rui Rio recorreu ao Twitter para comentar as suas suspeitas sobre a RTP. O líder social-democrata recorreu às …

Iniciativa Liberal vai votar contra programa de Costa

O deputado eleito do Iniciativa Liberal vai votar contra o Programa de Governo, e revela que as suas primeiras propostas serão de desagravamento fiscal perante um Parlamento onde se quer sentar ao meio, "o mais …