Poderá Joe Biden “curar” os Estados Unidos? Especialistas políticos discordam

Jim Lo Scalzo / EPA

Dois especialistas políticos duvidam da possibilidade de Joe Biden conseguir unir os Estados Unidos da América após ser declarado o novo Presidente norte-americano.

Quando Joe Biden se tornar presidente no dia 20 de janeiro de 2021, liderará uma nação fragmentada cujas fações políticas estão separadas por um abismo. No seu discurso de vitória, Biden pediu aos americanos “que se unissem” e “parassem de tratar os oponentes como inimigos”.

A cura é possível entre a América vermelha e a América azul? O The Conversation perguntou a especialistas em polarização política se a meta de Biden é realista.

 

Como descongelar a inimizade e o desdém

A imagem de duas culturas monolíticas em conflito, embora talvez intuitiva e atraente, é um mito que não se sustenta num escrutínio mais minucioso. Psicólogo político que investigou radicalização, polarização e populismo, Arie W. Kruglanski acredita que uma metáfora das “duas tendas” seria mais precisa.

Se olharmos para os dados eleitorais de 2020, veremos que os campos de Trump e Biden continham diversos pontos de vista, interesses e preocupações.

Na tenda de Trump estavam republicanos obstinados com o conservadorismo fiscal, mas também a classe trabalhadora adepta de políticas económicas progressistas que apoiaram o presidente Donald Trump por razões culturais e cristãos evangélicos apaixonadamente contra o aborto. Estavam presentes adeptos brancos do “America First” que vociferam contra a imigração, mas têm sentimentos de anticorporativismo tipicamente expressos por liberais; Latinos que são imigrantes; e afro-americanos que viam as políticas pró-negócios como um caminho para o progresso económico.

Os apoiantes de Biden eram moradores urbanos e suburbanos que diferiam em muitos aspetos, mas compartilhavam a preocupação sobre a gestão incorreta da pandemia de covid-19. A sua tenda abrigava democratas de centro e socialistas económicos, negros americanos com a intenção de abordar o racismo sistémico e membros da comunidade LGBTQ a defender os seus direitos.

Essas tendas sobrepunham-se e muitos americanos andaram de tenda em tenda. Trump ganhou mais votos negros e latinos do que qualquer republicano em 60 anos. Mas milhões de evangélicos que ele derrotou em 2016 votaram este ano para os democratas, incluindo Biden. Tem havido divisões notáveis entre republicanos, e um círculo significativo de membros do partido republicano de alto perfil apoiou Biden.

Em todo o espectro político, os eleitores americanos dizem que querem que o presidente seja um unificador e não um divisor. Em outubro de 2020, 89% dos apoiantes de Biden e 86% dos apoiantes de Trump disseram que queriam que o seu candidato atendesse às necessidades de todos os americanos. Os eleitores entregaram a Casa Branca a Biden, um candidato que enfatizou a unidade em vez de ressentimentos, enquanto apoiavam os republicanos no Congresso.

Estes resultados eleitorais sinalizam que os americanos resistem à dominação de qualquer um dos partidos, o que é efetivamente um apelo à colaboração. Com a sociedade chocada com as mortes da covid-19 e a presidência não convencional de Trump, as peças do quebra-cabeça político americano podem encaixar-se de novas maneiras.

 

A divisão política da América será muito difícil de curar

No seu discurso de vitória, Joe Biden disse que o partidarismo “não se deve a alguma força misteriosa”, mas a “uma escolha que fazemos”, pedindo aos americanos que “deem uma chance uns aos outros”. O seu conselho para o fazer “escutem”.  Outros analistas políticos também aconselharam a escutar como forma de curar a divisão da América.

Mas segundo Robert Talisse,  não escutar não é o problema. As divisões políticas têm mais a ver com sentimentos negativos em relação aos oponentes do que com a incompreensão das suas opiniões.

Quando esses sentimentos são intensos, como são agora, ouvir pode realmente aprofundar as divisões. Portanto, quando os oponentes falam, os militantes e simpatizantes partidários ouvem apenas distorção e hipocrisia.

Como resultado, os americanos hoje olham para os seus adversários como indignos de confiança, desonestos, não patrióticos, ameaçadores e até mesmo prejudiciais à nação, de acordo com um estudo recente do Pew Research Center. O amargo partidarismo tornou os americanos incapazes de tratar os seus oponentes como parceiros democráticos.

O estudo mostra que a exposição momentânea a mensagens políticas que se opõem ligeiramente às nossas normalmente intensifica a animosidade em relação aos rivais. É por isso que até mesmo verificar os factos dos tweets de Trump amplifica as divisões: quando o Twitter marca um tweet de Trump como enganoso, mostra o estudo, os republicanos ficam mais inclinados a acreditar nisso.

Escutar apenas pode curar quando as divisões estão no campo mútuo da democracia – o princípio básico de que, apesar das suas diferenças, os cidadãos são politicamente iguais. O amargo partidarismo de hoje erodiu esse terreno mútuo nos Estados Unidos.

Para o país se curar, os americanos devem recuperar o terreno mútuo democrático. Fazer isso exigiria reabilitar as opiniões das pessoas sobre os seus concidadãos. Ou seja, primeiro, os americanos precisariam de ver os outros americanos como pessoas, independentemente da sua filiação partidária.

Isto não é fácil. A divisão partidária é uma característica dos nossos ambientes sociais quotidianos, com republicanos e democratas frequentemente a viverem tipos de vida totalmente diferentes.

Se já nos definimos uns aos outros em termos de lealdades partidárias, o caminho para a cura não passa por mais diálogo político. Em vez disso, os americanos precisariam de fazer coisas juntos que nada têm a ver com política, como ser voluntário numa organização comunitária, por exemplo, ou entrar numa liga de bowling.

No entanto, as oportunidades para este tipo de interação apartidária diminuíram. E, afinal, como é que se cura uma nação com bowling? Não se pode, é claro. E entretanto, todas as coisas importantes que os norte-americanos fazem como nação, de votar até criar famílias, são tingidas de partidarismo.

E até que os norte-americanos consigam colocar a política partidária no seu devido lugar, as divisões persistirão.

  ZAP // The Conversation

PARTILHAR

RESPONDER

Implante cerebral permite que paciente totalmente cega consiga ver formas e letras

Os cientistas da Universidade Miguel Hernández de Elche (UMH), em Espanha, fizeram com que uma mulher completamente cega conseguisse ver formas simples e letras, através da colocação de um implante no seu córtex visual. Os investigadores …

Teoria dos primatas pedrados. Podem os cogumelos mágicos ter sido a chave para a nossa evolução?

A teoria já era conhecida desde os anos 90, mas um novo estudo veio trazê-la à baila novamente. O argumento é de que os cogumelos com efeitos psicadélicos podem ter ajudado a tornar os nossos …

Ainda sem fumo branco para o OE, Bloco e PCP reúnem órgãos máximos

O PCP e o Bloco de Esquerda reúnem hoje os respetivos órgãos máximos entre congressos com a proposta orçamental para 2022 no centro do debate. As conclusões da reunião da Mesa Nacional do BE serão apresentadas …

Sismo de 4,9 em La Palma e novo colapso do cone do Cumbre Vieja

A ilha espanhola de La Palma registou hoje um sismo de 4,8 de magnitude, no dia em que o vulcão voltou a sofrer um colapso no cone principal, causando grandes derrames de lava. O sismo foi …

Algas vivas sensíveis à luz (um tipo de cianobactérias chamado Synechocystis) injetadas num girino

Podia ser ficção científica, mas não é. Injetar algas no sangue dos sapos pode ajudá-los a respirar

Os sapos adotam várias técnicas de respiração ao longo da sua vida. Agora, uma equipa de cientistas alemães desenvolveu um novo método que permite que os girinos "respirem" graças à introdução de algas na sua …

As misteriosas auroras de Úrano foram finalmente detalhadas ao pormenor pelos cientistas

Auroras de Úrano foram captadas pela primeira vez em 2011 através do telescópio Hubble Space, mas as suas origens representam ainda mistérios que os cientistas não conseguem esclarecer. Pela primeira vez, os cientistas conseguiram moldar a …

Domingo invulgar: 17 grandes jogos para ver, em poucas horas

A ementa começa em França, ao meio-dia, e acaba no Chile, já depois das oito da noite. Não estamos perto do Carnaval mas vem aí um "domingo gordo" no futebol. Vários jogos grandes, uns mais mediáticos …

Sporting 1-0 Moreirense | Capitão Coates embala leão

O Sporting igualou hoje o FC Porto na liderança provisória da I Liga portuguesa de futebol, ao vencer em casa o Moreirense, por 1-0, em jogo da nona jornada. O capitão Sebastián Coates marcou, aos …

Relatório médico indica que jovem chinês morreu após beber uma garrafa de Coca-Cola em dez minutos

Um homem chinês morreu depois de beber uma garrafa de 1,5 litros de Coca-Cola em dez minutos, informaram os médicos num relatório. O jovem de 22 anos, que não tinha doenças subjacentes, dirigiu às urgências do …

Universidade no Reino Unido tem arquivo de "casas assombradas"

A Universidade de Sheffield, no Reino Unido, tem um arquivo aberto ao público com quase 80 mil fotografias de "casas assombradas" de várias feiras populares. Para muitos, o medo é parte integrante da experiência de uma …