Morta aos olhos de França, Jeanne Pouchain está a tentar “ressuscitar” desde 2017

Jeanne Pouchain foi declarada morta por um tribunal em 2017. Desde então, a francesa tem tentado provar às autoridades que está viva – mas convencê-las não está a ser uma tarefa fácil.

Há três anos que Jeanne Pouchain, uma mulher de 58 anos, não existe aos olhos do Governo francês. Após uma longa disputa judicial envolvendo um ex-funcionário da sua empresa de limpezam a francesa foi declarada morta – e está desde então a tentar “ressuscitar” oficialmente.

“Fui ver um advogado que me disse que o problema seria resolvido rapidamente, pois eu havia consultado o meu médico que atestou que eu ainda estava viva. Mas porque houve uma decisão [legal], isso não foi suficiente ”, disse Pouchain, citado pelo jornal britânico The Guardian.

O advogado Sylvain Cormier também ficou surpreendido com o caso. “É uma história maluca. Eu não conseguia acreditar. Nunca pensei que um juiz declararia alguém morto sem um certificado. Mas o querelante alegou que a Sra. Pouchain estava morta, sem fornecer qualquer prova e todos acreditaram nele. Ninguém verificou”, disse o advogado, em declarações à AFP.

A decisão do tribunal de Lyon de declarar a morte de Pouchain veio em novembro de 2017, após mais de uma década de batalhas judiciais com um ex-funcionário descontente.

Um tribunal industrial de 2004 ordenou que Pouchain pagasse ao ex-membro da equipa – supostamente demitido do seu emprego quando a empresa de Pouchain perdeu um grande contrato – cerca de 14 mil euros por danos. Como o caso era contra a sua empresa e não contra Pouchain pessoalmente, a decisão nunca foi executada.

Em 2009, o funcionário processou novamente, mas o caso foi retirado do tribunal.

Em 2016, acreditando que Pouchain estava morta, um tribunal ordenou que o seu filho e marido pagassem os danos. No ano seguinte, a funcionária informou ao tribunal industrial que as cartas para a sua ex-chefe não foram respondidas e ela tinha morrido.

Pouchain foi riscada dos registos oficiais, invalidando o seu documento de identificação, carta de condução, conta bancária, seguro de saúde e outros documentos oficiais necessários para provar sua existência.

Enquanto o seu advogado tentava ressuscitá-la oficialmente nesta semana, Pouchain acusou o ex-funcionário de inventar a sua morte na tentativa de obter uma indemnização de seus herdeiros. O advogado da funcionária contraargumentou que Pouchain fingiu estar morta para evitar pagar os danos, acusações que ela negou.

“Não tenho documentos de identidade, nem seguro de saúde, não posso provar aos bancos que estou viva. Não sou nada”, disse Pouchain. “É hora de alguém dizer ‘chega’. Se eu não lutar, ninguém vai lutar por mim. A avó do meu marido tem 102 anos… ela passou por muitas coisas, incluindo a guerra, mas diz que nunca sofreu nada tão duro como eu”.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Esse é um caso que assentaria muito bem na administração portuguesa, mas em França segundo me tem constado também vai “evoluindo” no mesmo sentido.

  2. Se pega por cá , vai ser um corrupio aos tribunais para “ matar “ os nossos idosos e reformados , se o
    donalt vent… , sabe disso , tem mais um motivo , para juntar a lista das suas inovadoras ideias, de trump .
    Cuidem-se

RESPONDER

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …

China anuncia fim de novas centrais a carvão no estrangeiro

Segundo os especialistas, o impacto da medida deverá depender da forma como será implementada, podendo ter um grande impacto na luta contra as alterações climáticas. Num anúncio bem recebido por ativistas e organizações ambientes, a China …

Roménia vai distribuir €200 mil a quem tiver vacinação completa contra a covid-19

A Roménia anunciou uma "lotaria de vacinação" que distribuirá prémios de até 200.000 euros entre aqueles que tiverem a vacinação completa, na tentativa de elevar a taxa de imunização, a segunda mais baixa da União …

Antes da invasão ao Capitólio, Bannon ajudou a planear estratégia para "matar a presidência de Biden no berço"

O estrategista-chefe da campanha de Donald Trump, Steve Bannon, revelou que falou com o ex-Presidente antes da invasão ao Capitólio, a 06 de janeiro, discutindo as condições para "matar a presidência de [Joe] Biden no …