Morta aos olhos de França, Jeanne Pouchain está a tentar “ressuscitar” desde 2017

Jeanne Pouchain foi declarada morta por um tribunal em 2017. Desde então, a francesa tem tentado provar às autoridades que está viva – mas convencê-las não está a ser uma tarefa fácil.

Há três anos que Jeanne Pouchain, uma mulher de 58 anos, não existe aos olhos do Governo francês. Após uma longa disputa judicial envolvendo um ex-funcionário da sua empresa de limpezam a francesa foi declarada morta – e está desde então a tentar “ressuscitar” oficialmente.

“Fui ver um advogado que me disse que o problema seria resolvido rapidamente, pois eu havia consultado o meu médico que atestou que eu ainda estava viva. Mas porque houve uma decisão [legal], isso não foi suficiente ”, disse Pouchain, citado pelo jornal britânico The Guardian.

O advogado Sylvain Cormier também ficou surpreendido com o caso. “É uma história maluca. Eu não conseguia acreditar. Nunca pensei que um juiz declararia alguém morto sem um certificado. Mas o querelante alegou que a Sra. Pouchain estava morta, sem fornecer qualquer prova e todos acreditaram nele. Ninguém verificou”, disse o advogado, em declarações à AFP.

A decisão do tribunal de Lyon de declarar a morte de Pouchain veio em novembro de 2017, após mais de uma década de batalhas judiciais com um ex-funcionário descontente.

Um tribunal industrial de 2004 ordenou que Pouchain pagasse ao ex-membro da equipa – supostamente demitido do seu emprego quando a empresa de Pouchain perdeu um grande contrato – cerca de 14 mil euros por danos. Como o caso era contra a sua empresa e não contra Pouchain pessoalmente, a decisão nunca foi executada.

Em 2009, o funcionário processou novamente, mas o caso foi retirado do tribunal.

Em 2016, acreditando que Pouchain estava morta, um tribunal ordenou que o seu filho e marido pagassem os danos. No ano seguinte, a funcionária informou ao tribunal industrial que as cartas para a sua ex-chefe não foram respondidas e ela tinha morrido.

Pouchain foi riscada dos registos oficiais, invalidando o seu documento de identificação, carta de condução, conta bancária, seguro de saúde e outros documentos oficiais necessários para provar sua existência.

Enquanto o seu advogado tentava ressuscitá-la oficialmente nesta semana, Pouchain acusou o ex-funcionário de inventar a sua morte na tentativa de obter uma indemnização de seus herdeiros. O advogado da funcionária contraargumentou que Pouchain fingiu estar morta para evitar pagar os danos, acusações que ela negou.

“Não tenho documentos de identidade, nem seguro de saúde, não posso provar aos bancos que estou viva. Não sou nada”, disse Pouchain. “É hora de alguém dizer ‘chega’. Se eu não lutar, ninguém vai lutar por mim. A avó do meu marido tem 102 anos… ela passou por muitas coisas, incluindo a guerra, mas diz que nunca sofreu nada tão duro como eu”.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Esse é um caso que assentaria muito bem na administração portuguesa, mas em França segundo me tem constado também vai “evoluindo” no mesmo sentido.

  2. Se pega por cá , vai ser um corrupio aos tribunais para “ matar “ os nossos idosos e reformados , se o
    donalt vent… , sabe disso , tem mais um motivo , para juntar a lista das suas inovadoras ideias, de trump .
    Cuidem-se

RESPONDER

Pela primeira vez, um restaurante vegan ganha uma estrela Michelin em França

Um restaurante de comida totalmente vegan em França foi o primeiro do país a receber a desejada estrela Michelin. Localiza-se perto de Bordéus. A concessão da estrela ao ONA (Origine Non-Animale) é mais uma evidência de …

Onze mineiros resgatados com vida de uma mina de ouro na China

Onze mineiros presos há duas semanas dentro de uma mina de ouro na China, devido a uma explosão, foram hoje trazidos em segurança para a superfície, informou a televisão estatal chinesa. No dia 10 de janeiro, …

Multimilionário oferece 1 milhão em prémios por evidências de vida após a morte

Um empresário de Las Vegas, nos Estados Unidos, está a oferecer um milhão de dólares em prémios em troca de evidências de que existe vida após a morte. O investidor imobiliário e empresário espacial Robert Bigelow, …

Marcelo reeleito com 55% a 62% dos votos. Ana Gomes em segundo lugar

Marcelo Rebelo de Sousa foi reeleito para um segundo mandato como Presidente da República, após vencer as eleições deste domingo com 55% a 62% dos votos.  Segundo as primeiras projeções, Ana Gomes deverá ficar em …

Itália vai processar Pfizer e AstraZeneca devido a atrasos nas vacinas. UE pede "transparência"

A Itália vai processar a Pfizer Inc e a AstraZeneca devido aos atrasos na entrega das vacinas contra a covid-19 e para garantir os fornecimentos – não para obter compensações, disse neste domingo o ministro …

Declínio cognitivo relacionado com a idade pode ser reversível

Cientistas conseguiram reverter em ratos o declínio cognitivo causado pelo envelhecimento. O objetivo dos investigadores é que as farmacêuticas baseiem-se neste estudo para criar um composto que possa ser administrado em humanos. As células específicas do …

Afluência às urnas é menor (mas há mais votantes). Abstenção deverá ficar entre os 56 e 60%

A afluência às urnas às 16:00 nas presidenciais de hoje em Portugal, 35,4%, é a segunda mais baixa desde as eleições de 2006, ano em que este número passou a ser divulgado pela administração eleitoral. Esta …

Reino Unido já vacinou quase 6 milhões. Alemanha aumenta controlo nas fronteiras

O Reino Unido já administrou a primeira das duas doses da vacina contra o novo coronavírus em cerca de seis milhões de pessoas, quando o número de mortes no país devido à pandemia está perto …

Polícia desmantela rede de tráfico internacional de armas (e descobre santuário dedicado a Hitler)

Em dezembro, as autoridades espanholas conseguiram desmantelar uma rede ilegal de armas que operava em toda a Europa, e acabou por capturar os traficantes. O que a polícia não esperava era encontrar um armazém cheio …

Diminuição da esperança média de vida é "consequência inevitável" da pandemia

A esperança média de vida em Portugal vai necessariamente diminuir em consequência da pandemia de covid-19, defendeu um especialista, explicando que isso decorre do efeito combinado da morte de idosos, mas também de jovens em …