Num país marcado pelo racismo, Jane Bolin fez história como a primeira juíza negra dos EUA

A 22 de julho de 1939, Jane Bolin fez história ao prestar juramento como juíza na cidade de Nova Iorque. A jovem ocupou o cargo durante 40 anos e só saiu de cena quando atingiu a idade obrigatória.

A vida de Jane Bolin ficou marcada pelos seus feitos históricos.

Em 1931, a jovem tornou-se a primeira mulher negra a formar-se na Escola de Direito de Yale. Passados 8 anos, em 1939, prestou juramento como a primeira juíza negra nos Estados Unidos.

Bolin trabalhou como juíza durante 40 anos em Nova Iorque, sendo que só se reformou quando a idade a obrigou a sair de cena. Em todos os casos em que esteve envolvida, procurou mostrar “uma ampla simpatia pelo sofrimento humano”.

História notável

Jane Bolin nasceu a 11 de abril de 1908, em Poughkeepsie, Nova Iorque, e herdou o amor pela justiça do seu pai. Gaius C. Bolin era advogado e também foi o primeiro negro a formar-se no Williams College.

Com a morte prematura da mãe, Bolin foi criada pelo seu pai. Na juventude, passou horas a estudar os livros de Direito no seu escritório. “Aqueles livros com capa de couro intrigavam-me”, lembrou mais tarde.

Contudo, numa cidade predominantemente branca, Bolin tinha plena consciência do mundo cruel que a podia condicionar na execução dos seus sonhos.

A disseminação da discriminação local atingiu o seu máximo quando Bolin começou a pensar em entrar para a faculdade. Na cabeça da jovem fazia sentido ir para Vassar, que se situava nas proximidades, mas a instituição não aceitava alunos negros.

Assim, Jane Bolin matriculou-se no Wellesley College, em 1924, sendo uma das duas alunas negras. Na faculdade feminina de elite, escreve o ATI, a dupla sentiu-se condenada ao ostracismo. “Os meus dias na faculdade evocam memórias pessoais tristes e solitárias”, escreveu Bolin.

Jane também enfrentou resistência ao partilhar os seus objetivos de carreira com um conselheiro de orientação. O orientador advertiu Bolin sobre o afastamento da lei, já que as mulheres tinham poucas oportunidades na área, sobretudo se fossem negras.

Ainda assim, Jane Bolin não desistiu do seu sonho. Formou-se em 1928 como a primeira da turma e matriculou-se na Faculdade de Direito de Yale. Era a única mulher negra no curso e uma das poucas estudantes negras do campus.

Na faculdade de Direito, Bolin enfrentou discriminação dos seus colegas. Anos mais tarde, recordou que os alunos batiam com as portas da sala de aula na sua cara.

Porém, isso não a impediu de se tornar a primeira mulher negra a formar-se em Direito em Yale.

Primeira juíza negra dos Estados Unidos

Apesar do seu currículo formidável, Jane Bolin enfrentou uma onda de rejeições quando tentou entrar no mercado de trabalho pela primeira vez.

“Fui rejeitada por ser mulher, mas tenho a certeza de que a raça também influenciou”, disse Bolin mais tarde.

Com dificuldade em arranjar emprego, construiu a sua própria clínica com o marido, Ralph Mizelle. Depois de cinco anos a trabalhar com Mizelle, Bolin conseguiu um lugar no escritório do conselho da corporação da cidade de Nova Iorque.

Dois anos depois, a 22 de julho de 1939, recebeu um telefonema que viria a mudar a sua vida. O governador Fiorello LaGuardia queria conhecê-la. Depois de uma longa conversa, LaGuardia nomeou-a juíza num de tribunal de Nova Iorque. “Fiquei em estado de choque”, disse Bolin, citada pelo ATI.

Assim, Jane Bolin tornou-se a primeira juíza negra da história dos Estados Unidos.

A norte-americana assumiu o comando do Tribunal de Relações Domésticas, que mais tarde foi renomeado para Tribunal de Família.

Como juíza, Bolin observou casos de violência doméstica, homicídios juvenis e casos de crianças negligenciadas.

No poder, nunca se esqueceu de onde veio ou da discriminação que vivenciou. Graças às suas decisões, as agências de assistência à infância com financiamento público não puderam rejeitar as crianças negras. Também impediu o tribunal de designar oficiais de condicional com base na sua raça.

Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Atualmente os EUA são o país do mundo em que os negros têm mais oportunidades de sucesso (facto).
    Por isso, é o país com mais bilionários negros (facto).
    A narrativa identitária anti-racista está a dividir mais do que a unir.

      • Não sei de que “privilégio” fala. Mas os asiático-americanos nunca tiveram privilégio algum — antes pelo contrário, até foram fortemente discriminados — e, no entanto, atualmente são academica e profissionalmente muito bem sucedidos.
        É que enquanto uns berram, outros estudam/trabalham.

    • Sim, são factos, assim como é um facto incontestável que os EUA são o país mais racista do mundo “ocidental”!

      • E qual é a tua experiência para falar do assunto? Vivo nos EUA há vários anos, e não tenho dúvidas que há mais racismo e xenofobia na Europa (especialmente entre os vários países) que nos EUA. Um país de maioria branca elegeu por 2 vezes um Presidente negro, onde é que isso aconteceu na Europa? Esta mulher foi eleita juíza em 1939, e o primeiro Juiz negro no Supremo Tribunal foi eleito em 1967. Entretanto, por exemplo no Reino Unido, o primeiro juiz negro a chegar a um alto tribunal foi em 2004.

        É praticamente impossível encontrar empresas de média e grande dimensão nos EUA sem imigrantes em cargos de topo, e não estou a falar de imigrantes que chegaram aos EUA com 4 anos, estou a falar de imigrantes que cá chegaram com 20, com sotaque carregado. Os casos da Google e Microsoft, com CEOs Indianos, são apenas os exemplo mais conhecidos, mas na verdade é bem normal. Onde é que isto se passa na Europa, com esta frequência?

        É certo que sou branco, mas é a minha experiência.

        • Bem… só pela comparação, diria que vives nos EUA há demasiado tempo e que não conheces nem os EUA nem a Europa!…
          Não que isso tenha relação directa com o racismo mas, tens sequer noção da percentagem de população negra no EUA e na Europa?
          Duvido…
          Além disso, boa parte de população negra na Europa são refugidos (ou filhos de refugidos) chegados à Europa nos últimos 20-40 anos…
          Já agora, quantos nativos americanos foram presidentes, são juízes, ou são CEOs de multinacionais americanas?!
          Pois…

          • Vamos lá a parar de atirar areia para os olhos… O que está aqui em causa é você acusar os EUA de ser o país mais racista do mundo ocidental, e eu questiono em que é que você se baseia para dizer tal coisa. O facto continua a ser que um país de maioria branca elegeu um membro de uma minoria para Presidente (só 13% dos Americanos são negros). É certo que a percentagem de negros na Europa é muito inferior ao que se verifica nos EUA, mas há outras minorias na Europa, e todas juntas são um número expressivo. Onde é que na Europa um membro de uma minoria étnica foi eleito Presidente pela maioria?

            Nunca houve um Presidente nativo americano (pouco mais de 1% da população), mas houve um VP, senadores, representantes, juízes, CEOs, etc.

            Mantenho o que disse. Há mais racismo e xenofobia na Europa que nos EUA.

  2. Perdoem a minha ignorância a senhora a que referem que dizem ser negra é a da fotografia? A mim parece me branca ou será negra, mas que confusão a mim parece me que é tão negra como branca. Não será altura de começar mos a olhar para as pessoas sem ver cores. Reparem eu conheço pessoas que têm a tes mais escura e dizem me que são brancos. Acabem com a história de brancos, negros, amarelo, vermelhos, as pessoas valem pelo que são e não pelo que parecem. A mim chamam me branco, porque os meus pais são europeus e engraçado eu considero me pessoa nascida em Angola e cuja cultura AFRO- EUROPEIA. Já agora não conheço nenhum pessoa branca, preta, amarelo ou vermelha a não ser que seja pintada.

RESPONDER

Evolução genética pode estar a tornar-se cada vez mais obsoleta

Um novo estudo sugere que a evolução humana já não está estritamente ligada aos genes e supõe que a cultura pode estar a conduzir a evolução mais rápido do que as mutações genéticas podem funcionar. Tendo …

ALMA descobre a primeira gigantesca tempestade de buracos negros

O telescópio Atacama Large Millimeter Array (ALMA) detetou um forte vento galático impulsionado por um buraco negro supermassivo há 13,1 mil milhões de anos. Os investigadores salientam que este é o exemplo mais antigo alguma vez …

NASA vai construir telescópio espacial capaz de detetar asteroides ameaçadores

A NASA aprovou a produção de um telescópio espacial infravermelho para detetar asteroides que possam representar uma ameaça para a Terra. A agência está a desenvolver o telescópio espacial Near-Earth Object Surveyor - ou NEO Surveyor …

Muco marinho na costa da Turquia ameaça ecossistemas. E é só a ponta do icebergue

Esta semana, a Turquia lançou a maior limpeza marítima da sua história para fazer face à proliferação sem precedentes de muco marinho no Mar de Mármara, um sintoma de um problema ambiental muito maior. Debaixo das …

Fotografia da Rainha Isabel II removida da Universidade de Oxford devido à "história colonial"

Um grupo de estudantes da Universidade de Oxford removeu uma fotografia da Rainha Isabel II da sua área comum devido aos seus laços com a “história colonial”. A atitude gerou uma onda de controvérsia. A imprensa …

Espanha 0-0 Suécia | Muro amarelo trava fúria espanhola

A Espanha e a Suécia empataram hoje 0-0 em jogo da primeira jornada do Grupo E do Euro2020 de futebol, naquela que foi a primeira partida sem golos na competição até ao momento. No estádio La …

Covid-19. Variante indiana causa doença mais grave, dizem médicos chineses

A Delta está a causar doença mais grave e mais rapidamente do que durante a primeira vaga, informaram médicos na zona de Guangzhou, no sudeste da China, onde surgiu um surto recente provocado por esta …

Do café aos brinquedos. Preço do transporte de mercadorias vai atingir a nossa carteira mais cedo do que se pensava

Os preços exorbitantes do transporte de mercadorias pelo mundo poderão atingir a sua carteira mais cedo do que pensa. Mais de 80% de todo o comércio de mercadorias é transportado pela via marítima, mas o alto …

Tal é a qualidade de Portugal, que o treinador da Hungria "podia ser motorista ou roupeiro"

O selecionador da Hungria, o italiano Marco Rossi, afirmou hoje que "até podia ser o motorista ou rapaz dos equipamentos" da seleção portuguesa, tal é a qualidade dos jogadores lusos que vão disputar o Euro2020. “Estamos …

Destroços de avião descobertos no fundo de um lago nos EUA podem pôr fim a um mistério de 56 anos

Trabalhadores que testam equipamentos de investigação subaquática dizem ter encontrado os destroços de um pequeno avião nas profundezas do lago Folsom, na Califórnia. A confirmar-se, podem ter resolvido um mistério com 56 anos. As imagens de …