Jacarta está a afundar e pode ficar submersa já em 2050

osrin / Flickr

Jacarta, capital da Indonésia

Os especialistas alertam que, se nada for feito, alguns lugares da capital da Indonésia podem acabar completamente debaixo de água até 2050.

“A possibilidade de Jacarta ficar submersa não é nenhuma brincadeira”, adverte o investigador Heri Andreas, do instituto de tecnologia Bandung, que estuda há já 20 anos o afundamento do solo de Jacarta. “Em 2050 cerca de 95% do norte de Jacarta estará submerso.”

O norte da capital da Indonésia afundou 2,5 metros em apenas 10 anos e continua a afundar até 25 centímetros por ano, isto é, mais do dobro da média global para megacidades costeiras.

Segundo a BBC, Jacarta afunda anualmente, em média, cerca de 1 a 15 centímetros, sendo que quase metade da capital indonésia está já abaixo do nível da água do mar.

O impacto já é visível a norte do município. No distrito de Muara Baru, por exemplo, um edifício corporativo encontra-se completamente abandonado. O prédio abrigava uma empresa de pesca, mas a varanda do primeiro andar é a única parte funcional que resta.

Na maioria das vezes, os proprietários dos edifícios arranjar soluções a curto prazo para solucionar os estragos das enchentes, pelo que prédios inundados raramente são abandonados desta forma. No entanto, neste caso em particular, não conseguiram impedir que o solo sugasse parte do prédio.

Mas este é um cenário visível em todo o distrito. “As calçadas são como ondas, que se curvam para cima e para baixo. As pessoas podem tropeçar e cair muito facilmente”, diz Ridwan, morador de Muara Baru. À medida que o nível da água no subsolo diminui, o piso afunda e desloca-se, criando uma superfície instável e muito irregular.

Historicamente uma cidade portuária, Jacarta alberga um dos maiores portos marítimos e um dos mais movimentados da Indonésia: Tanjung Priok. Atualmente, cerca de 1,8 milhões de pessoas vivem na região, como Fortuna Sophia, que vive numa luxuosa mansão com vista para o mar.

Apesar de o afundamento do solo ainda não ser visível na casa, nem tudo é um mar de rosas. Sophia afirma que, a cada seis meses, aparecem novas fissuras nas colunas e nas paredes. “Estamos constantemente a consertar. Os homens da manutenção dizem que as fendas são causada pelo deslocamento do solo.”

Se Fortuna Sophia sofre com as consequências de uma Jacarta a afundar, as pequenas residências sofrem muito mais. Mas, embora a maré aumente cerca de 5 centímetros todos os anos, nada impede os agentes imobiliários de construir cada vez mais apartamentos de luxo no norte de Jacarta.

Eddy Ganefo, responsável do conselho consultivo da Associação de Desenvolvimento Habitacional da Indonésia, disse já ter pedido ao Governo que impedisse a realização de novos empreendimentos na região. Mas, segundo Ganefo, “enquanto for possível vender apartamentos, as construções continuarão“.

Extração excessiva de água subterrânea

Apesar de muitas cidades costeiras estarem a ser afetadas pelo aumento do nível da água do mar em decorrência das mudanças climáticas, Jacarta está a afundar a uma velocidade alarmante. Todavia, por muito surpreendente que seja, há poucas reclamações entre os moradores da cidade. Para eles, a inundação é apenas um entre os vários desafios de infraestrutura enfrentados diariamente.

Segundo explica a BBC, a velocidade dramática com que Jacarta está a afundar deve-se, em parte, à extração excessiva de água subterrânea para ser consumida como água potável. A água encanada não é confiável, tampouco está disponível na maioria das regiões. Desta forma, as pessoas não tem escolha senão recorrer ao bombeamento de água dos aquíferos subterrâneos.

Contudo, quando a água é bombeada, o terreno cede, como se estivesse pousado em cima de um balão vazio, levando ao afundamento do solo.

A situação é acentuada pela falta de regulamentação, que permite que praticamente qualquer pessoa realize a sua própria extração de água subterrânea. Os moradores sublinham que não têm escolha, uma vez que as autoridades não conseguem atender as suas necessidades.

O Governo só recentemente admitiu que a extração ilegal é um problema. Anies Baswedan, governador de Jacarta, afirmou que todos devem obter uma licença, o que permitirá às autoridades medir a quantidade de água subterrânea que é bombeada.

Além disso, as autoridades esperam também que a Grande Garuda, um muro de contenção de 32 quilómetros que está a ser construído ao longo da Baía de Jacarta, juntamente com 17 ilhas artificiais, ajude a salvar a cidade.

O projeto está a ser apoiado pelos Governos holandês e sul-coreano e prevê a criação de uma lagoa artificial, na qual os níveis de água podem ser controlados, de modo a permitir a drenagem dos rios da cidade. O objetivo é ajudar a conter as inundações, um dos grandes problemas quando chove.

Jan Jaap Brinkman não está tão confiante. Segundo o especialista em hidrologia, a Grande Garuda vai apenas oferecer a Jacarta mais 20 ou 30 anos para encontrar uma solução de longo prazo para o afundamento do solo.

Há apenas uma solução e todos sabem qual é.

De acordo com o especialista, a única saída viável seria proibir a extração de água subterrânea e recorrer apenas a outras fontes, como água da chuva, dos rios ou de reservatórios. Segundo Brinkman, Jacarta precisa de pôr fim à extração de água do subsolo até 2050 para evitar que a cidade afunde.

ZAP // BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Boa tarde.
    Como habitualmente acontece em outras paragens, este caso também deixa antever esse eterno duelo entre detentores de poder e cientistas/tecnicos.
    A ganância e a ignorância ditam o comportamento da população.
    Os poderes legalmente constituídos tiram proveito do drama, estribados em não informar cabalmente a população, para não caírem em descrédito.
    Não é impossível que determinados sectores não se sintam capazes de contornar uma situação que configura uma catástrofe.
    Esperemos que os especialistas nacionais e cidadãos de boa vontade no poder, com a ajuda de “experts” estrangeiros possam inverter credivelmente a mentalidadee e a situação física e real que se vive.

RESPONDER

No dia anterior à derrocada houve explosões na pedreira de Borba

Um dos sobreviventes da derrocada, que em novembro do ano passado matou cinco pessoas em Borba, garante que na véspera da tragédia "houve explosões e fogo" no fundo da pedreira. Um dos sobreviventes da derrocada de …

As vaquitas estão extinguir-se à nossa frente. Já só há 10 em todo o mundo

A vaquita marinha, o cetáceo mais pequeno do mundo, está à beira da extinção, havendo apenas cerca de dez criaturas vivas, segundo cientistas. O ser humano é o principal responsável pelo seu contínuo desaparecimento. As vaquitas …

A Ciência descobriu quando nasceu Deus

A ideia de um deus todo-poderoso que vigia os humanos a partir do Céu e pune os que se desviam da norma surgiu depois que estes trocaram a tribo pela sociedade. Essa é a principal conclusão …

Famílias numerosas queixam-se de disparidades no preço da água consumida

A Associação Portuguesa das Famílias Numerosas queixou-se da diferença no preço da água consumida consoante o município onde se vive e o número de pessoas do agregado familiar. Na quarta edição do estudo sobre a água …

Costa condiciona extensão do Brexit para além de 23 de maio à aprovação do acordo

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta quinta-feira que uma extensão do Brexit para além de 23 de maio implica a ratificação do Acordo de Saída pelo Parlamento britânico ou a realização de eleições europeias no …

Ter avós, tios ou primos com Alzheimer influencia risco de desenvolver a doença

Ter avós, tios ou primos com Alzheimer aumenta a probabilidade de desenvolver a doença, concluiu um estudo recente que avaliou a história familiar de mais de 280 mil pessoas. Na última década, vários estudos indicaram a …

Marcelo Rebelo de Sousa promulgou a nova lei da paridade (mas com alguns parêntesis)

O Presidente da República promulgou a nova Lei da Paridade. A lei estabelece que as listas para a Assembleia da República, para o Parlamento Europeu e para as autarquias locais têm de assegurar a representação …

Cientistas descobrem o que provocou três eras glaciais na Terra

Cientistas estadunidenses calcularam que um evento geológico repetido deu origem às três últimas eras glaciais no nosso planeta, a última das quais ainda mantém o seu gelo nas regiões polares. Segundo a revista Science, a responsável …

A Terra pode guardar um Oumuamua no seu interior

Uma parte da terra que pisamos poderia vir, literalmente, de outras regiões da galáxia - áreas muito distantes do local onde o planeta está localizado e que para chegar até aqui teriam que viajar anos-luz …

Há um planeta mais próximo da Terra do que Vénus

A partir do Sol, a ordem dos primeiros planetas começa com Mercúrio, depois Vénus e depois a Terra. Então, Vénus é o planeta mais próximo do nosso? A resposta é: depende. Uma equipa de cientistas acaba …