Já pode comprar ações de obras de arte como se fosse a bolsa de valores

Já é possível comprar ações de obras de arte como se da bolsa de valores se tratasse. A plataforma Masterworks está a tentar trazer a arte das elites para todos.

No outono de 2018, uma obra de Banksy, “Love is in the Bin (“O Amor Está no Lixo” em português), foi vendida por 1,2 milhões de euros.

Agora, o comprador original colocou a obra à venda e espera-se que ela valha mais de 4 milhões de euros — o que equivaleria a um retorno de mais de 250% sobre o investimento original.

E se, em vez de o mercado de arte ser apenas para as elites, as pessoas comuns pudessem comprar ações de uma peça de arte cara e vendê-las como bem entendessem? É precisamente isso que uma nova plataforma, Masterworks, procura fazer.

Os fundos de investimento em arte existem há mais de um século. A Masterworks, no entanto, deu um nova ar a uma velha prática, na medida em que a plataforma permite que indivíduos comprem ações de obras de arte específicas por 20 dólares.

Os investidores podem então vender essas ações num mercado secundário fácil de usar ou esperar até que a Masterworks venda a peça.

Para aqueles que pensam em comprar arte apenas para fins de investimento, é importante entender como é que os fundos de investimento em arte têm funcionado tradicionalmente e se os especialistas acreditam que é um bom investimento.

Um dos primeiros fundos de investimento em arte chamava-se La Peau de l’Ours (A Pele do Urso), que estava sediado em França durante o início do século XX.

O nome vem de uma fábula francesa que contém o aforismo “nunca venda a pele do urso antes de matá-lo” e faz alusão ao facto que investir em arte pode ser um empreendimento arriscado.

Parcialmente pretendido como um meio de apoiar artistas pós-impressionistas emergentes, como Picasso, Matisse e Gauguin, o fundo era administrado como um sindicato no qual um pequeno número de parceiros contribuía com quantias idênticas para comprar uma coleção de pinturas.

O empresário, crítico de arte e colecionador Andre Level administrou o fundo e organizou a venda das pinturas. Depois de as pinturas serem vendidas, ele recebia 20% do preço de venda pelo seu trabalho. Os artistas recebiam 20% dos lucros do fundo além do dinheiro que recebiam da venda original. Os investidores recebiam o restante em proporções iguais.

Este conceito — devolver uma proporção do preço de venda ao artista — é conhecido como droit de suite, ou direito de revenda do artista. Versões disto são agora lei na maior parte do mundo ocidental, exceto nos Estados Unidos.

Este primeiro fundo de arte foi um sucesso. Gerou procura por novas obras de arte e apoiou artistas impressionistas e modernos inovadores, ao mesmo tempo que proporcionou um retorno considerável aos investidores originais.

Há fundos de arte que ainda estão em operação, como o Anthea e o The Fine Art Group, e, é claro, bancos e leiloeiras há muito descrevem o investimento em arte como uma estratégia de diversificação adequada para os ricos.

A teoria económica sugere que, por definição, investir em arte pode fornecer retornos menores do que investir em ações. Isto porque é considerado um investimento de paixão. Assim como investir em joias ou moedas, parte do retorno do investimento em arte deve ser o gozo intrínseco dos próprios objetos. O retorno total consiste no retorno monetário e no gozo da propriedade.

Como as ações não fornecem, para a maioria das pessoas, esse valor de gozo, o retorno monetário do investimento nesses instrumentos financeiros deveria, em tese, ser maior do que o retorno monetário do investimento em arte. Mas é importante analisar os números.

Em 1986, o economista William Baumol estimou os retornos de longo prazo ajustados pela inflação para investir em arte, ao longo de um período de 300 anos, em apenas 0,6%.

Desde então, alguns investigadores estimaram retornos mais elevados. Por exemplo, o trabalho do professor de finanças de Yale, Will Goetzmann, e dos economistas Jiangping Mei e Mike Moses, encontrou retornos ajustados pela inflação de 2% em 250 anos e 4,9% em 125 anos, respetivamente. Os retornos estimados variam com base no período de tempo, amostra e metodologia.

Arte para todos?

A Masterworks, no entanto, é um pouco diferente dos fundos de arte tradicionais discutidos acima. Os investidores estão a comprar ações de uma única obra de arte, em vez de investir num fundo que inclui várias obras.

O preço de entrada é muito mais baixo e, enquanto houver compradores dispostos a compartilhar a obra de arte, os investidores não ficarão presos ao fundo por um determinado período de tempo. Os investidores podem obter retorno apenas vendendo ações que sobem de valor, sem esperar que a própria obra de arte seja vendida.

Mas, como os fundos de arte tradicionais, os investidores em ações de arte vendidas pela Masterworks ganham dinheiro se o preço das suas obras de arte subir, e perdem o seu dinheiro se ele cair.

O formato da Masterworks provavelmente vai atrair uma geração mais jovem de investidores, muitos dos quais podem ter começado a investir pequenas quantias através de aplicações como a Robinhood.

  ZAP // The Conversation

PARTILHAR

RESPONDER

Albertina Museum, em Viena, na Áustria

Cansados de ver posts removidos por nudez, museus de Viena aderiram ao OnlyFans

Cansados de ver as obras de arte que partilhavam nas redes sociais removidas por serem demasiado "explícitas", vários museus austríacos decidiram abrir uma conta na plataforma mais liberal OnlyFans. No passado, tanto o Conselho de Turismo …

O pior desastre nuclear da história dos EUA pode ter sido fruto de uma brincadeira

O SL-1 era um reator nuclear experimental de baixa potência, localizado no Idaho, nos EUA, que tinha como objetivo fornecer energia a pequenas instalações militares remotas no início dos anos 1960. O reator acabou por ficar …

PJ deteve quarto suspeito da morte de jovem no metro das Laranjeiras

A Polícia Judiciária (PJ) deteve, ao final da tarde desta quinta-feira, um quarto suspeito da morte de um jovem, na quarta-feira, na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa. Durante a tarde de hoje, em conferência …

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, e a ministra da Saúde, Marta Temido

Saúde, Trabalho e Cultura. As medidas aprovadas pelo Governo para facilitar a negociação do OE

Novo Estatuto do Serviço Nacional de Saúde, Agenda do Trabalho Digno e a versão final do Estatuto dos Profissionais da Cultura foram os grandes destaques da conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta …

Banido do Facebook, Donald Trump aposta na criação da sua própria rede social

Nova rede social deverá estar disponível a partir do início do próximo ano e é uma resposta do antigo presidente às empresas que o decidiram banir. O antigo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump anunciou o …

Um cigarro aceso

"Fumar mata." Deputados britânicos querem que o aviso seja impresso em cada cigarro

Para desencorajar os fumadores, os deputados britânicos querem imprimir o slogan "Fumar mata" em cada cigarro de um maço de tabaco. Deputados britânicos apresentaram, no Parlamento, uma emenda à Lei de Saúde e Cuidados de Saúde …

Ludogorets 0-1 Braga | Horta bracarense dá frutos cedo

O Sporting de Braga conseguiu um importante triunfo por 1-0 na deslocação ao terreno do Ludogorets, no Grupo F da Liga Europa. A formação lusa não quis perder tempo e marcou logo aos sete minutos, por …

PJ admite mais pessoas envolvidas na morte de jovem no metro das Laranjeiras

A Polícia Judiciária (PJ) admitiu, esta quinta-feira, que estejam mais pessoas envolvidas na morte de um jovem, na quarta-feira, na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa. Os dados foram avançados esta tarde, em conferência de …

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo continua a "desejar e a esperar que haja uma possibilidade de o OE passar"

O Presidente da República afirmou, esta quinta-feira, que continua "a desejar e a esperar que haja uma possibilidade de o Orçamento passar" e considerou que os próximos dias, com reuniões partidárias até ao fim-de-semana, "são …

Facebook acorda com parte da imprensa diária francesa pagar "direitos conexos"

O Facebook chegou a um acordo com parte da imprensa diária francesa para pagar "direitos conexos", anunciou a rede social norte-americana, algumas semanas depois de assinar acordos semelhantes com o Le Monde e o Le …