Já há data para a morte do sol — e os humanos não vão estar cá para ver

Previsão dos cientistas é que o sol se venha a transformar numa nebulosa planetária daqui a cerca de dez mil milhões de anos.

Ao longo dos anos, a possibilidade de o sol desaparecer, ou simplesmente morrer, tem inquietado os cientistas, que, apesar de darem esta hipótese garantida, se têm dedicado a estudar quando é que o evento vai acontecer e quais as consequências que vai originar. Um aspeto certo: os humanos não estarão cá para ver.

Segundo os especialistas, a hipótese mais provável é a de que o sol se transforme numa nebulosa planetária, uma espécie de bolha luminosa formada por gases e pó. No entanto, novas descobertas parecem mostrar que o resultado pode ser mais massivo e robusto do que pensado inicialmente. Até que, em 2018, uma nova pesquisa levou os astrónomos à tese inicial.

Tal como lembra o Science Alert, o sol tem cerca de 4.6 mil milhões de anos, um valor calculado através de outros objetos do sistema solar que os investigadores estimam ter a mesma idade e um tempo de vida de mais dez mil milhões de anos.

Até se chegar lá, muitas coisas podem e devem acontecer, alertam os cientistas. Por exemplo, no prazo de cinco mil milhões de anos o sol deverá transformar-se numa gigante vermelha — o interior da estrela deverá diminuir, mas as camadas mais superficiais deverão expandir-se para a órbita de Marte.

Outro passo do processo intrínseco ao desaparecimento do sol será a estrela engolir o nosso planeta, isto é, caso ele ainda exista. Segundo as previsões dos cientistas, a humanidade só terá pela frente mil milhões de anos, a não ser que os humanos descubram um caminho que lhes permita continuar a viver fora do planeta azul. A justificação para esta previsão dos cientistas tem que ver com o aumento de luminosidade do sol, em cerca de 10%, a cada mil milhões de anos.

À primeira vista, este pode não parecer um número muito elevado, mas é o suficiente para acabar com qualquer perspetiva de vida na terra, uma vez que a água dos oceanos deverá evaporar e a superfície terrestre tornar-se-á demasiado quente para que se forme água.

Ao longo dos anos, vários estudos indiciaram que, para uma nebulosa planetária brilhante se formar, é preciso que a estrela inicial tivesse que ser pelo menos duas vezes maior que o solo.

No entanto, uma pesquisa de 2008, com recurso a modelação computacional indiciou que o sol, à semelhança do que acontece com 90% das estrelas é mais provável de passar de uma gigante vermelha para uma anã branca e, só depois, para uma nebulosa planetária, que será a sua última forma.

“Quando uma estrela morre, ela ejeta uma massa de gás e pó — conhecida como o seu envelope — para o espaço. O envelope pode ser tão grande como metade da massa da estrela. Isto revela o núcleo da estrela, o qual, neste estado da vida da estrela, estará a ficar sem combustível, acabando, eventualmente, por se desligar antes de morrer“, explicou Albert Zijlstra, investigador da Universidade de Manchester e um dos autores do estudo.

“Só depois o núcleo quente fará o envelope ejetado brilhar de forma clara durante cerca de dez mil anos, um período curto em astronomia. É isto que faz as nebulosas planetárias visíveis. Algumas são tão brilhantes que podem ser vistas a grandes distâncias — na ordem dos dezenas de milhões de anos luz”, concluiu.

O modelo matemático criado pela equipa consegue prever o ciclo de vida de diferentes tipos de estrelas, de forma a perceber o brilho da nebulosa planetária associada a diferentes massas de estrelas.

As nebulosas planetárias são relativamente comuns no universo visível, com a nebulosa Olho de Gato, do Anel, Helix e Bubble entre as mais conhecidas. São assim designadas, como planetárias, não por terem alguma relação com os planetas, mas porque foram descobertas no final do século XVIII, por William Herschel, parecendo-se aos planetas nos telescópios da altura.

Há cerca de 30 anos, os astrónomos deparam-se com uma constatação peculiar: as nebulosas planetárias mais brilhantes de outras galáxias têm todas o mesmo nível de brilho. Isto significa que, pelo menos teoricamente, através da observação é possível calcular a distância destes organismos.

  ZAP //

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Os seres humanos são tão mauzinhos que vão acabar por provocar a própria extinção, São tão mauzinhos para com eles e para com os outros. Provocam guerras que destroem tudo à volta. Vão esgotar as reservas do planeta por causa de satisfazer as necessidades económicas. Necessidades económicas que existem para satisfazer as pessoas. Já estão a provocar níveis de poluição exagerados, o aquecimento global, a destruição de espaços naturais, de fauna animal…….se continuam assim. o que o planeta terra fornece,não vai chegar para todos.

    • Digo eu, sem dúvida alguma que o ser humano desaparecerá muito antes e não estará assim tão longe a sua extinção por culpa própria e pelos erros que apontou.

RESPONDER

Medina renuncia a cargo de vereador para facilitar a vida a Moedas

Numa carta enviada à Assembleia Municipal, Fernando Medina afirma que a sua saída ajuda ao funcionamento do executivo municipal de Carlos Moedas, novo presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Depois de uma derrota inesperada na …

Resposta britânica à pandemia foi "dos maiores fracassos de sempre"

Um relatório do Parlamento britânico sobre a gestão pandémica no Reino Unido arrasa os esforços do executivo britânico no sentido de impedir a propagação do vírus no início da pandemia. Segundo a visão dos parlamentares, a …

PGR abre inquérito a caso de jovem agredido no Porto que acabou por morrer

A Procuradoria-Geral da República (PGR) abriu um inquérito para investigar o caso do rapaz de 23 anos que foi espancado na Baixa do Porto, na madrugada de domingo, e que acabou por morrer no hospital, …

Podia ser anedota, mas não é: equipa marcou 4 auto-golos, de propósito

Jogadoras de futsal do Banfield estavam a vencer por 2-0 quando decidiram perder propositadamente. Tudo a pensar nos play-offs. Quem abrir este artigo e analisar este vídeo, pode pensar que isto foi filmado propositadamente para os …

Portugal vai receber 6,1 milhões de vacinas até ao final do ano

Portugal vai receber cerca de 6,1 milhões de vacinas contra a covid-19 até final do ano, dispondo de doses suficientes para voltar a vacinar toda a população, caso seja necessário, anunciou hoje o coordenador da …

Objeto de Hamilton. Galáxia "dupla" intrigou astrónomos durante anos

O nosso Universo esconde vários objetos estranhos, desde estrelas em explosão a galáxias em colisão. O Hubble encontrou o que parece ser um par de objetos idênticos, tão estranhos que os astrónomos demoraram vários anos …

Neymar, de novo: "Aquilo foi uma declaração terrível para o PSG"

Jérôme Rothen avisou: Neymar disse que vai deixar o futebol depois do Mundial e pode ter que enfrentar consequências. Neymar, Neymar, Neymar. O jogador brasileiro mais falado por estes dias (e em muitos outros períodos). Desta …

Portugal regista mais 719 casos de covid-19 e oito mortos. Internamentos descem

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais oito mortes e 719 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2. O número de pessoas internadas volta a descer. O boletim epidemiológico desta terça-feira informa que há menos 11 pessoas …

Vulcão, La Palma

Avanço da lava em La Palma obriga cerca de 800 pessoas a abandonar as casas. Há agora perto de sete mil desalojados

A lava proveniente do vulcão Cumbre Vieja continua a consumir a ilha de La Palma, nas Canárias. Ao fim de 23 dias, surgem novas correntes que obrigaram cerca de 800 habitantes a abandonar as suas …

Pintura inacabada de Picasso descoberta ao fim de 118 anos. Inteligência Artificial finalizou a obra

Um nova obra de Picasso foi descoberta por baixo de outra reprodução do artista. A pintura de uma mulher nua estava escondida pela obra "A Refeição de um Homem Cego". Segundo noticia a CNN, a descoberta …