“Somos Ivan Golunov”. O movimento que libertou o jornalista russo detido em Moscovo

Sergei Ilnitsky / EPA

O jornalista russo Ivan Golunov.

O jornalista russo Ivan Golunov estava detido em Moscovo, naquilo que muitos pensam ter sido uma perseguição pela sua investigação à corrupção no sistema. Agora, depois de um movimento de três dos maiores jornais russos e de milhares de pessoas, Golunov foi libertado.

O caso de Ivan Golunov começou a reunir atenção mediática logo após a sua detenção, na sexta-feira passada. O jornalista foi detido após, alegadamente, terem sido encontradas drogas no seu apartamento pela polícia russa. Muitos dos seus colegas questionaram a veracidade da situação e rapidamente surgiu um movimento a apelar à sua libertação.

Golunov trabalha para o site Meduza e é responsável por investigações à corrupção na Câmara de Moscovo. Muitos realçam que esta foi uma tentativa da polícia russa de silenciar o jornalista, que se arriscava a apanhar 20 anos de cadeia caso fosse condenado.

Esta segunda-feira, os três maiores jornais russos decidiram, numa situação inédita, publicar todos praticamente a mesma capa numa manifestação de solidariedade para com Golunov. Segundo o Diário de Notícias, na primeira página do Kommersant, do Vedomosti e do RBK podia-se ler “Sou/Somos Ivan Golunov“.

Depois da polémica gerada em torno do caso, os procuradores decidiram retirar as acusações, já que não foi possível provar a ligação do jornalista com o crime. A polícia tinha divulgado fotografias da suposta casa de Golunov com drogas, mas acabou por retirar a declaração, afirmando que foram tiradas noutro lugar. Os polícias responsáveis pela sua detenção foram suspensos e foi aberto um inquérito para averiguar os seus atos.

“Obrigado a todos pelo vosso apoio. Ainda não consigo entender totalmente o que está a acontecer. Fico feliz que a justiça seja finalmente cumprida e o caso tenha sido abandonado. Espero que a investigação continue e espero que ninguém fique na mesma situação que eu,” disse o jornalista no momento em que foi libertado.

Segundo o The Guardian, Golunov confessou que não deverá reivindicar nenhuma indemnização pelas acusações fraudulentas. “A compensação ideal seria se acusações como estas nunca mais fossem feitas contra ninguém“, rematou.

Golunov admitiu que continuará a trabalhar como jornalista, mas que não irá investigar o seu próprio caso, uma vez que haveria “um conflito de interesses”. O site para o qual trabalha, o Meduza, ficou delirante com a sua libertação e realça que esta é uma vitória para o jornalismo independente. “Juntos fizemos algo incrível: paramos a perseguição criminal de uma pessoa inocente”, escreveu o jornal em comunicado.

Apesar da sua libertação, cerca de 25 mil pessoas participaram esta quarta-feira numa marcha de protesto contra a detenção do jornalista russo.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A Evolução mostra que podemos ser a única forma de vida inteligente no Universo

As reduzidas probabilidades que acompanham a nossa evolução ao longo da história podem ser uma pista que talvez sejamos a única forma de vida inteligente no Universo. Será que estamos sozinhos no Universo? Tudo se resume …

A China está a usar a educação como arma para controlar o Tibete

A China quer obrigar crianças tibetanas a abandonarem as escolas da região e mudarem-se para escolas chinesas. O objetivo, segundo uma especialista, é "tirar o tibetano da criança". A batalha geopolítica entre a China e o …

Revelada explosão violenta no coração de um sistema que alberga um buraco negro

Uma equipa de astrónomos, liderada pela Universidade de Southampton, usou câmaras de última geração para criar um filme com alta taxa de quadros de um sistema com um buraco negro em crescimento e a um …

"É altura de dizer basta". Sporting corta com as claques

O Sporting rescindiu “com efeitos imediatos” os protocolos que celebrou em 31 de julho com a Associação Juventude Leonina e com o Diretivo Ultras XXI – Associação, anunciou hoje o clube, devido à “escalada de …

Poluição atmosférica associada a abortos espontâneos

Elevados níveis de poluição atmosférica foram associados a abortos espontâneos num estudo feito com mulheres grávidas a viver e trabalhar em Beijing, na China. A China é um dos países que mais sofre com a poluição …

Empresas espanholas dominam obras públicas na ferrovia

As empresas espanholas dominam as obras públicas na ferrovia em Portugal, ascendendo a sua quota a 70%, avança o Expresso na sua edição deste sábado. Para presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras …

Cada vez mais mulheres denunciam abusos médicos durante o parto

Um número crescente de mulheres tem vindo a denunciar casos de abuso durante o trabalho de parto. No entanto, pouco está a ser feito para mudar isto. Durante o parto, as mulheres ficam numa posição vulnerável …

Já podemos explorar "Melckmeyd", naufrágio holandês do século XVII

Nas profundezas do Oceano Atlântico, perto da costa da Islândia, encontram-se os destroços de um navio holandês que afundou há 360 anos, no qual agora podemos "mergulhar" graças a uma experiência de realidade virtual. Quando a …

Os furacões podem provocar atividade sísmica tal como um terramoto

Uma equipa de cientistas descobriu um novo fenómeno geofísico no qual furacões ou fortes tempestades podem produzir vibrações no fundo do oceano tão fortes quanto um terramoto de magnitude 3.5. "As tempestades, furacões ou ciclones extratropicais …

Quem anda mais devagar pode envelhecer mais rapidamente

A velocidade a que caminham as pessoas aos 45 anos pode ser um indicador de como é que o cérebro e o corpo envelhecem, revela um novo estudo levado a cabo por uma equipa de …