Israel reforça presença militar na fronteira com Gaza. “Última palavra ainda não foi dita”

Mohammed Saber / EPA

Uma palestiniana ao lado de uma casa destruída pelos bombardeamentos de Israel

O Exército israelita tinha anunciado, esta quinta-feira à noite, que os seus soldados tinham entrado na Faixa de Gaza. Depois veio negar essa informação, atribuindo a confusão a um problema de “comunicação interna”.

Na noite desta quinta-feira, o Exército israelita anunciou, em comunicado, que as suas tropas tinham penetrado na Faixa de Gaza, no âmbito de uma operação militar contra o movimento islâmico xiita Hamas.

Pouco depois da meia-noite, o Exército emitiu novo comunicado com um “esclarecimento” para dizer que “não havia soldados” em Gaza, alegando um “problema de comunicação interna” para justificar a confusão.

Ao longo do último dia, o Ministério da Defesa de Israel aprovou a mobilização de mais de nove mil soldados reservistas e anunciou o reforço de tropas junto à fronteira com Gaza, para preparar “a opção de uma manobra terrestre”, com veículos blindados e artilharia a ser colocados em alerta para poderem ser “mobilizados a qualquer momento”.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, escreveu na sua conta do Twitter que “a última palavra ainda não foi dita” e que esta operação militar “vai continuar enquanto for necessário”, cita o semanário Expresso.

“Eu disse que iríamos cobrar um preço muito elevado ao Hamas. Estamos a fazer isso e vamos continuar a fazer isso com toda a força”, disse depois num vídeo, também publicado na mesma rede social.

Por seu lado, o Hamas afirmou, segundo o jornal, que “qualquer incursão terrestre em qualquer área da Faixa de Gaza será uma oportunidade para aumentar o número de mortos e prisioneiros entre o inimigo”.

O conflito israelo-palestiniano já dura há quatro dias e tem assistido a sucessivas escaladas de violência, com fortes bombardeamentos aéreos por parte de Israel e o disparo de centenas de rockets por parte do Hamas.

Um porta-voz militar disse que Israel utilizou esta manhã 160 aviões, artilharia e infantaria durante o ataque ao enclave palestiniano. Ao mesmo tempo, as milícias palestinianas dispararam 50 foguetes contra Israel durante a madrugada.

A escalada das hostilidades ocorre enquanto os negociadores egípcios tentam manter conversações com as duas partes, intensificando os esforços de mediação.

Nas zonas próximas da fronteira, em Gaza, testemunhas relatam que várias dezenas de famílias estão a fugir das suas casas. Ibrahim Jamal, um habitante local, disse que cerca de 200 pessoas procuraram abrigo numa escola das Nações Unidas.

O Ministério da Saúde do enclave disse que o número de mortos subiu para 87, incluindo 18 crianças e oito mulheres, com 530 feridos registados. Por sua vez, Israel anunciou a morte de sete pessoas, incluindo um soldado e uma criança.

De acordo com o Expresso, do lado israelita, a violência também já chegou às comunidades mistas de judeus e árabes. Sinagogas foram atacadas e têm-se registado ataques a pessoas sozinhas, que são apanhadas por multidões na rua e espancadas com gravidade.

Sessão pública do Conselho de Segurança da ONU

O Conselho de Segurança da ONU realizará, este domingo, uma reunião pública virtual sobre o conflito israelo-palestiniano, anunciaram fontes diplomáticas.

A reunião, inicialmente marcada para sexta-feira com caráter de urgência, foi solicitada por 10 dos 15 membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas (Tunísia, Noruega, China, Irlanda, Estónia, França, Reino Unido, São Vicente e Granadinas, Níger e Vietname).

Os Estados Unidos, que tinham rejeitado a data de sexta-feira, mostraram-se favoráveis a que o encontro se realizasse no início da próxima semana, “para dar um pouco mais de tempo à diplomacia para conseguir resultados“, nas palavras do chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken.

Agora, os Estados Unidos concordaram que a reunião de emergência seja antecipada para domingo, numa solução de compromisso entre as duas datas, segundo fontes diplomáticas.

A realização deste tipo de reuniões de urgência por videoconferência requer o consenso dos 15 Estados membros do Conselho de Segurança, mas tem sido prática comum nos últimos meses, devido à pandemia de covid-19.

Esta violência surgiu, em parte, devido à ameaça de expulsões de palestinianos de Jerusalém Oriental em benefício dos colonos israelitas.

Em entrevista ao Diário de Notícias, Raphael Gamzou, embaixador de Israel em Portugal, disse que, desta vez, o país terá de “lidar com o Hamas de forma profunda”. “O preço a pagar vai ser pesado. Penso que eles já o estão a sentir”, acrescentou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Os Israelitas são uns assassinos e extreminadores tal e qual os Nazistas e não se lembram que o que estão a fazer aos palestinianos foi exatamente o que os nazis lhes fizeram, colocaram-os num gueto a morrer a fome desde lá até agora foram vitimas, mas agora eles é que são os racistas e prenderam o povo palestiniano numa prisão ao ar livre, e matam-os com armas de guerra, eles é que realmente são o problema no médio oriente.

RESPONDER

Governo espanhol aprova indultos a nove líderes independentistas catalães na prisão

O governo espanhol aprovou esta terça-feira a concessão de indultos a nove líderes independentistas catalães a cumprir penas de prisão pelo seu envolvimento na tentativa de autodeterminação daquela região espanhola em 2017, anunciou o primeiro-ministro …

Direitos humanos. Confronto entre China e Canadá na ONU

O Canadá denunciou esta terça-feira na ONU, em nome de cerca de 40 países, a situação dos direitos humanos na província chinesa de Xinjiang e em Hong Kong, pedindo a Pequim uma investigação às violações …

Ministra da Saúde afasta limitação de visitas. Mas Associação de lares defende regresso da proibição

A ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou esta terça-feira que não há necessidade de voltar a limitar as visitas a lares de idosos, advogando que as pessoas vacinadas contagiadas com o novo coronavírus desenvolvem “uma …

Tripulantes da TAP queixam-se de "extrema violência psicológica" e escrevem carta ao ministro

Um grupo de tripulantes de cabine da TAP escreveu uma carta a Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas, na qual dizem temer que o processo de despedimento coletivo avance em julho e que já saíram …

Marcelo considera que legislativas de 2023 devem servir para julgar uso dos fundos europeus

O Presidente da República defendeu esta terça-feira que Portugal tem de dar "o salto" com os fundos europeus e considerou que as eleições legislativas de 2023 devem servir para os portugueses julgarem a sua utilização. "Cabe …

Portugal regista mais 1.020 casos e seis mortes. Internamentos continuam a aumentar

Portugal registou esta terça-feira 1.020 novos casos de infeção por covid-19 e mais seis mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), nas …

"Toma a vacina ou ponho-te na prisão". Presidente das Filipinas ameaça prender quem recusar ser imunizado

O Presidente das Filipinas ameaçou prender quem se recusar a tomar a vacina contra a covid-19, numa altura em que o país combate o pior surto da doença desde o início da pandemia. "Se não se …

Preços das casas continuam a subir. Centeno alerta para riscos de bolha imobiliária

Os preços das casas voltaram a registar um aumento em relação ao mês passado e não subiam tanto há mais de dois anos. Uma situação que leva o Banco de Portugal a alertar para os …

Itália segue os passos de França e Espanha e abandona o uso de máscara na rua

A Itália vai suspender a obrigatoriedade do uso de máscaras ao ar livre a partir do próximo dia 28 de junho, revelou o governo na segunda-feira. Depois de ter sido considerado o epicentro da pandemia, Itália …

União Europeia endurece sanções contra a Bielorrússia

A União Europeia, os Estados Unidos, o Reino Unido e o Canadá decidiram, esta segunda-feira, punir dezenas de personalidades e empresas ligadas ao regime bielorrusso. No final de uma reunião, no Luxemburgo, os 27 Estados-membros da …