Israel reforça presença militar na fronteira com Gaza. “Última palavra ainda não foi dita”

Mohammed Saber / EPA

Uma palestiniana ao lado de uma casa destruída pelos bombardeamentos de Israel

O Exército israelita tinha anunciado, esta quinta-feira à noite, que os seus soldados tinham entrado na Faixa de Gaza. Depois veio negar essa informação, atribuindo a confusão a um problema de “comunicação interna”.

Na noite desta quinta-feira, o Exército israelita anunciou, em comunicado, que as suas tropas tinham penetrado na Faixa de Gaza, no âmbito de uma operação militar contra o movimento islâmico xiita Hamas.

Pouco depois da meia-noite, o Exército emitiu novo comunicado com um “esclarecimento” para dizer que “não havia soldados” em Gaza, alegando um “problema de comunicação interna” para justificar a confusão.

Ao longo do último dia, o Ministério da Defesa de Israel aprovou a mobilização de mais de nove mil soldados reservistas e anunciou o reforço de tropas junto à fronteira com Gaza, para preparar “a opção de uma manobra terrestre”, com veículos blindados e artilharia a ser colocados em alerta para poderem ser “mobilizados a qualquer momento”.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, escreveu na sua conta do Twitter que “a última palavra ainda não foi dita” e que esta operação militar “vai continuar enquanto for necessário”, cita o semanário Expresso.

“Eu disse que iríamos cobrar um preço muito elevado ao Hamas. Estamos a fazer isso e vamos continuar a fazer isso com toda a força”, disse depois num vídeo, também publicado na mesma rede social.

Por seu lado, o Hamas afirmou, segundo o jornal, que “qualquer incursão terrestre em qualquer área da Faixa de Gaza será uma oportunidade para aumentar o número de mortos e prisioneiros entre o inimigo”.

O conflito israelo-palestiniano já dura há quatro dias e tem assistido a sucessivas escaladas de violência, com fortes bombardeamentos aéreos por parte de Israel e o disparo de centenas de rockets por parte do Hamas.

Um porta-voz militar disse que Israel utilizou esta manhã 160 aviões, artilharia e infantaria durante o ataque ao enclave palestiniano. Ao mesmo tempo, as milícias palestinianas dispararam 50 foguetes contra Israel durante a madrugada.

A escalada das hostilidades ocorre enquanto os negociadores egípcios tentam manter conversações com as duas partes, intensificando os esforços de mediação.

Nas zonas próximas da fronteira, em Gaza, testemunhas relatam que várias dezenas de famílias estão a fugir das suas casas. Ibrahim Jamal, um habitante local, disse que cerca de 200 pessoas procuraram abrigo numa escola das Nações Unidas.

O Ministério da Saúde do enclave disse que o número de mortos subiu para 87, incluindo 18 crianças e oito mulheres, com 530 feridos registados. Por sua vez, Israel anunciou a morte de sete pessoas, incluindo um soldado e uma criança.

De acordo com o Expresso, do lado israelita, a violência também já chegou às comunidades mistas de judeus e árabes. Sinagogas foram atacadas e têm-se registado ataques a pessoas sozinhas, que são apanhadas por multidões na rua e espancadas com gravidade.

Sessão pública do Conselho de Segurança da ONU

O Conselho de Segurança da ONU realizará, este domingo, uma reunião pública virtual sobre o conflito israelo-palestiniano, anunciaram fontes diplomáticas.

A reunião, inicialmente marcada para sexta-feira com caráter de urgência, foi solicitada por 10 dos 15 membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas (Tunísia, Noruega, China, Irlanda, Estónia, França, Reino Unido, São Vicente e Granadinas, Níger e Vietname).

Os Estados Unidos, que tinham rejeitado a data de sexta-feira, mostraram-se favoráveis a que o encontro se realizasse no início da próxima semana, “para dar um pouco mais de tempo à diplomacia para conseguir resultados“, nas palavras do chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken.

Agora, os Estados Unidos concordaram que a reunião de emergência seja antecipada para domingo, numa solução de compromisso entre as duas datas, segundo fontes diplomáticas.

A realização deste tipo de reuniões de urgência por videoconferência requer o consenso dos 15 Estados membros do Conselho de Segurança, mas tem sido prática comum nos últimos meses, devido à pandemia de covid-19.

Esta violência surgiu, em parte, devido à ameaça de expulsões de palestinianos de Jerusalém Oriental em benefício dos colonos israelitas.

Em entrevista ao Diário de Notícias, Raphael Gamzou, embaixador de Israel em Portugal, disse que, desta vez, o país terá de “lidar com o Hamas de forma profunda”. “O preço a pagar vai ser pesado. Penso que eles já o estão a sentir”, acrescentou.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Os Israelitas são uns assassinos e extreminadores tal e qual os Nazistas e não se lembram que o que estão a fazer aos palestinianos foi exatamente o que os nazis lhes fizeram, colocaram-os num gueto a morrer a fome desde lá até agora foram vitimas, mas agora eles é que são os racistas e prenderam o povo palestiniano numa prisão ao ar livre, e matam-os com armas de guerra, eles é que realmente são o problema no médio oriente.

RESPONDER

Pandora Papers são "embaraço também para Portugal". Caso vai ser analisado pelo Fisco

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais garantiu que, tal como já aconteceu noutros casos deste género, os Pandora Papers vão ser analisados pela Autoridade Tributária. No início de outubro, uma nova investigação do Consórcio Internacional …

Gonçalo Esteves, Sporting

"Gonçalo Esteves é o futuro do Sporting". Adeptos rendidos ao ex-portista de 17 anos

O lateral-direito Gonçalo Esteves, de apenas 17 anos, estreou-se na equipa principal do Sporting, no jogo da Taça de Portugal contra o Belenenses, e o treinador Ruben Amorim diz que é "o futuro" do clube. …

Portugal regista mais 10 mortes e 612 novos casos de covid-19

Portugal registou, este sábado, mais 10 mortes e 612 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 612 novos …

Toda a herança de Rendeiro foi para o "rei dos táxis". MP investiga presidente da ANTRAL e o filho motorista

O Ministério Público está a investigar o ex-motorista de João Rendeiro e o seu pai, o presidente da ANTRAL, a maior associação de táxis portuguesa. Em causa estão suspeitas de lavagem de dinheiro quando se …

Depois do polémico golo de Mbappé, UEFA pondera mudar regra do fora de jogo

A UEFA defendeu uma reformulação da regra do fora de jogo, depois do polémico golo de Kylian Mbappé que, no último domingo, deu a vitória a França na final da Liga das Nações. Apesar da polémica, …

Nova deputada do PSD condenada por falsificação de documento

A nova deputada do PSD, que toma posse na Assembleia da República na próxima terça-feira, já foi condenada por falsificação de documento há dois anos. Segundo avança o Jornal de Notícias, Eugénia Duarte vai substituir Carla …

Presidente avisou partidos sobre cenário de eleições antecipadas: "Se tiver de ser, é"

Em caso de chumbo do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), o Presidente da República prefere não perder tempo e "matar o mal pela raiz". Findas as audiências com os partidos no Palácio de Belém, a …

"A maior descida de sempre". Galamba sublinha redução dos preços da luz para empresas e famílias

As tarifas de electricidade propostas pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) para 2022 representam uma descida nos preços da ordem dos 3,4%. O Secretário de Estado Adjunto e da Energia, João Galamba, fala de …

Administração Biden vai reativar programa anti-imigração de Trump

A Administração Biden anunciou, esta sexta-feira, que vai reativar a política anti-imigração nas fronteiras da era Trump, que forçou milhares de requerentes de asilo a aguardarem a conclusão dos seus processos no México, muitas vezes …

José Sena Goulão / Lusa

"Rangel fez o roteiro da carne assada" (e Rio pode não sobreviver à "golpada")

Rui Rio ainda não desfez o tabu sobre a sua recandidatura, ou não, à presidência do PSD, mas está pressionado a tomar uma decisão. No seio do partido, e mesmo entre os seus apoiantes, só …