Isabel de Castela ficou conhecida por cheirar mal. Novos documentos põem fim aos mitos

A famosa rainha Isabel I de Castela, em Espanha, era conhecida por se lavar pouco e cheirar mal. Contudo, documentos recém-descobertos mostram que possuía uma quantidade enorme de perfumes de grande valor.

Isabel I financiou a viagem de Colombo ao Novo Mundo e a união do seu país e, através do seu governo firme e do casamento com Fernando II de Aragão, preparou o cenário para o domínio global da Espanha e a Idade de Ouro.

No entanto, o seu prestígio foi minado pelo que os historiadores chamam de “uma lenda negra”, constituída em parte pela sua reputação de não se lavar e pelo seu papel em instigar a Inquisição e a expulsão dos judeus.

A lenda surgiu de uma história segundo a qual a rainha jurou não mudar de camisola até que as suas forças tivessem cercado o último reino mouro na Península Ibérica. O cerco, iniciado em abril de 1491, durou oito meses.

No entanto, segundo o The Times, uma investigação num dos arquivos privados mais importantes da Espanha, a herança de uma família nobre agora nas mãos da Fundação Tatiana Pérez de Guzmán el Bueno, levou à descoberta de um inventário dos perfumes e cosméticos que a monarca usava, e dos esforços necessários para os adquirir.

O inventário, compilado por Sancho de Paredes Golfín, camareiro de Isabel I de 1484 até à sua morte em 1504, mostra que usava perfumes como almíscar, animé, uma resina ou goma de várias espécies botânicas orientais, e benjoim, uma resina de uma árvore originária das florestas tropicais do sudeste da Ásia.

Os documentos, que foram disponibilizados pela primeira vez, mostram que o toucador da rainha continha âmbar, óleo de flor de laranjeira e óleo de rosa mosqueta.

Os perfumes foram comprados pelo camareiro e a sua esposa.

“O documento lista como a Rainha possuía uma quantidade enorme de perfumes de grande valor e fornece evidências contra a lenda negra que cerca Isabel I no imaginário público”, disse Álvaro Matud, diretor académico da fundação, acrescentando que o documento veio de um livro de contas que regista em “detalhes meticulosos” as despesas de Isabel I.

A descoberta foi saudada por historiadores como contraponto aos mitos sobre a rainha.

“O documento mostra que a rainha gostava de perfumes. Achava que o seu papel significava que tinha de estar adequadamente vestida. Que uma rainha deve ter uma presença pública solene ou proeminente, disse Miguel Ángel Ladero Quesada, professor da Real Academia de História e especialista em história da Coroa de Castela durante os séculos XIII a XV.

“Isabel I tinha um conceito muito forte da vida real e de como as roupas, joias e cortesãos deveriam existir para impressionar os seus súbditos e dar-lhes a sensação de que estavam realmente diante do seu rei ou rainha. E os perfumes também fazem parte disso”, rematou.

Os historiadores acreditam que a lenda negra do odor corporal da rainha se deve, em parte, à propaganda muçulmana na época das guerras contra os cristãos.

“É um absurdo pensar que Isabel I tinha baixos níveis de higiene quando as normas que regiam os banhos públicos em Castela durante o seu período estão tão bem documentadas”, concluiu Ladero Quesada.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Usar perfumes, ter variedades de perfumes, não quer dizer higiene corporal, mas a limpeza do corpo com banhos diários. “Onde há fumaça, há fogo”, diz o adágio popular, e quem divulgou o mal odor da Rainha foi quem tinha o acesso ao seu quarto e convivia diariamente com ela nos seus afazeres. A Rainha Isabel pode ter sido uma beleza feminina, mas, põe-se em dúvida o seu mal hálito e o seu corpo mal cheiroso. É o que pensa [email protected]

    • É a mesma coisa que pegar aquele cachorro molhado com fedor de frescum e aplicar-lhe perfume, por melhor que seja, vai proliferar ainda mais a mistura dos odores e ninguém irá aguentar ficar perto daquele ser. Pelo visto ela não esperou morrer para começar a feder.

  2. Para além de ser alérgica a água, possivelmente usava daqueles perfumes espanhóis que há décadas atrás as ciganas vendiam nas estações de comboios espanhóis que até provocavam dor de cabeça!

  3. Este trabalho cheira-me mais a uma tentativa de lavagem da imagem de Isabel I. Precisar de usar tantos perfumes poderia ser claramente porque precisava de ocultar alguma coisa. Além disso, o facto de haver normas quanto aos banhos públicos nada indica, porque as normas nunca se aplicaram aos reis, e rainhas…

RESPONDER

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …