Irão enfrenta as piores cheias em décadas. Pelo menos 70 mortos e 791 feridos

Saeed Soroush / EPA

Pelo menos 70 pessoas morreram e 791 ficaram feridas desde o início das inundações no Irão, em 19 de março, segundo os últimos dados divulgados pelos Serviços de Emergência do país.

Em declarações à agência de notícias iraniana IRNA, o diretor dos Serviços de Emergência, Pir Hosein Kolivand, indicou que 45 dos feridos permanecem hospitalizados e que as principais províncias que se encontram neste momento em alerta são Cuzistão e Lorestão.

Segundo a mesma fonte, nas cidades das províncias de Pol-e-Dokhtar e Mamulan, sul de Lorestão, uma quarta equipa de operações especiais de emergência foi enviada de Teerão.

Hosein Kolivand explicou que, como não há acesso terrestre nessas áreas, está a ser fornecida assistência por via aérea às equipas instaladas no terreno.

O responsável pelos Serviços de Emergência referiu que estão a trabalhar para impedir que as inundações provoquem a propagação de infeções, acrescentando que nenhum surto foi ainda registado no país.

O anterior balanço estimava em 62 o número de mortos nas inundações no Irão, segundo a imprensa local, com o chefe do departamento de medicina forense do país a referir que as mortes ocorreram em várias províncias, nas últimas duas semanas.

O Presidente iraniano, Hassan Rouhani, qualificou, na quarta-feira passada, como “um crime sem precedentes” as sanções norte-americanas que, alegadamente, impedem a assistência humanitária internacional de chegar às pessoas necessitadas em áreas atingidas pelas inundações.

O Irão tem enfrentado desde meados de março grandes inundações e as autoridades locais pediram repetidamente que mais helicópteros fossem enviados para áreas remotas do país.

Os meios de comunicação estatais referiram ainda que as inundações atingiram centenas de aldeias, bem como cidades e vilas na metade ocidental do país. Em algumas partes, o estado de emergência foi declarado.

A decisão norte-americana de impor novas sanções a Teerão surgiu na sequência do abandono pelos Estados Unidos, por iniciativa do Presidente Donald Trump, do acordo nuclear assinado em 2015 entre o Irão e o denominado grupo dos 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU — Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China — mais a Alemanha).

O referido acordo foi negociado para impedir o Irão de se munir de armas nucleares.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Utentes da Soflusa estão “cansados” de constantes supressões

Os utentes da Soflusa mostraram-se esta segunda-feira "cansados" das constantes supressões das ligações fluviais entre o Barreiro e Lisboa, que estão hoje a acontecer durante todo o dia devido à falta de mestres. "Já estou a …

Banco Alimentar recolhe 1.605 toneladas de alimentos no fim de semana

O Banco Alimentar contra a Fome recolheu 1.605 toneladas de alimentos durante o fim de semana da campanha nacional que decorreu em mais de duas mil superfícies comerciais, anunciou a presidente do Banco Alimentar contra …

Sérgio Conceição apontado à Lazio

A imprensa italiana aponta esta segunda-feira o treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, à Lazio. O técnico português, recorde-se, passou pelo emblema italiano em duas ocasiões como jogador de futebol. O jornal italiano Il Messaggero adianta …

Filial portuguesa de multinacional alemã envolvida em subornos em Angola

A sucursal portuguesa em Angola da multinacional alemã Fresenius Medical Care, que actua na área médica, esteve envolvida num esquema de pagamento de subornos a médicos e militares angolanos que renderam 124 milhões de euros …

CGD acaba com empresa que criou há quase 20 anos com a PT

Criada há quase 20 anos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) e pela Portugal Telecom (PT), a Caixanet foi liquidada no início deste ano, bem como a Caixa Tec e a Sogrupo, duas outras empresas …

MB Way. Bancos "fecham" aplicação para cobrar comissões diferenciadas nas transferências

Em pleno arranque do 'open banking', os bancos estão a substituir a aplicação MB Way por soluções próprias que "amarram" os clientes, com o propósito de cobrar comissões diferenciadas nas transferências através do telemóvel. Segundo noticiou …

A abstenção venceu. É a mais alta de sempre

A abstenção foi a grande figura das eleições europeias deste domingo, tendo 68,7% dos portugueses optado por não votar. A abstenção em Portugal voltou a atingir um novo recorde, enquanto que a taxa de participação …

Neurocirurgia do Hospital de São João deixa os contentores ao fim de 12 anos

O novo serviço de neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto, está a funcionar desde este sábado. Ao fim de 12 anos, os serviços de neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto, deixaram de …

Derrota histórica para o PSD. O PS resiste, o Bloco chega-se à frente e o PAN estreia-se

A derrota do PSD, com uma desvantagem de mais de 10 pontos percentuais sobre o PS que foi o vencedor da noite eleitoral, o reforço do Bloco de Esquerda como a terceira força política e …

Sindicalista que parou o país vai representar seguranças privados

O vice-presidente do Sindicato Nacional de Motoristas e Matérias Perigosas (SNMMP), Pedro Pardal Henriques, vai acumular este cargo com a vice-presidência de um outro sindicato, o Sindicato de Segurança e Vigilantes de Portugal (SSVP), que …