Investigadores vão registar as memórias da I Guerra Mundial dos portugueses

Centro de Documentação e Informação do APL – Administração do Porto de Lisboa / portugal1914.org

Encalhe do Navio "Hadiotis" entrando na doca de Alcântara em 10 de Maio de 1941.

Encalhe do Navio “Hadiotis” entrando na doca de Alcântara em 10 de Maio de 1941.

Uma equipa de investigadores quer registar as memórias de familiares dos 100.000 portugueses que participaram na I Guerra Mundial, dos relatos que fizeram aos diários que escreverem, passando pelos postais, e objetos diversos.

Trata-se da iniciativa “Dias da Memória” que irá decorrer de 17 a 19 de outubro, na Assembleia da República, em Lisboa, que abre portas a todos que que queiram partilhar histórias de família, postais, cartas, objetos ou quaisquer “registos que ajudem a perpetuar a memória da I Grande Guerra”, disse à Lusa a historiadora Fernanda Rollo.

“Além das memórias deixadas pelos que participaram, interessa-nos também muito, como a guerra foi vivida dentro do território nacional, os racionamentos, o clima social, as greves, os motins, as contestações, por exemplo a revolta da batata em 1917 envolveu 400 presos e a morte de 40 pessoas”, enfatizou.

Maria_Fernanda_Rollo / ResearchGate

Fernanda Rollo, investigadora do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa

Fernanda Rollo, investigadora do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa

Esta é a primeira iniciativa da Europeana, a maior biblioteca digital da Europa, onde todo o material digitalizado será disponibilizado, tornando as memórias dos portugueses acessíveis a todos e em todo o mundo, “desde o vulgar cidadão aos investigadores de diferentes áreas, não apenas da história”, realçou.

“Já algumas pessoas disponibilizaram materiais, através do Facebook, por exemplo diários. Há um maior exercício diarístico dos portugueses do que se pensava, tendo em conta que só os oficiais saberiam escrever, pois havia um elevado nível e analfabetismo em Portugal”, disse Fernanda Rollo.

Outra área em que “parece haver muito material são os postais, que os militares enviavam de onde estavam“, tendo em conta que as tropas portuguesas não só combateram em França e na Flandres, como nas então colónias portuguesas, “um dos pontos de honra da República”, regime recentemente implantado.

“Há uma pessoa que nos disse que tem em seu poder 500 postais que é uma riqueza incalculável”, disse a historiadora.

Uma mala médica com uma cápsula de cafeína, espingardas, um capacete de um soldado, muitas cartas e postais, são alguns dos materiais já revelados pelas famílias.

Todo o material que for disponibilizado, “ficará de imediato online quer na Europeana, quer no site do Instituto de História COntemporânea.

portugal1914.org

Soldados portugueses embarcam para a guerra

Soldados portugueses embarcam para a guerra

A historiadora salientou a possibilidade de as famílias “colocarem em depósito nas instituições públicas esses objetos, onde podem ser devidamente salvaguardados, sem nunca perder a sua propriedade, inclusive da utilização das imagens”.

A iniciativa coordenada por Fernanda Rollo, do Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, conta com uma equipa de 40 pessoas, e os apoios de várias instituições públicas como o arquivo e museu da Assembleia da República, o arquivo Histórico Diplomático e o Militar, entre outros.

Fernanda Rollo reconheceu a importância desta iniciativa decorrer noutras partes do país, como o Porto ou nos Açores “onde há uma memória muito viva do conflito mundial”, mas não adiantou se se realizariam.

Todavia, disse, foi pedido o apoio a todos os municípios que facilitassem o transporte, de modo a que as pessoas possam participar na iniciativa na Assembleia da República.

“Esta é uma ação de mobilização na construção da nossa memória”, realçou.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. acho notável a recolha da informação com fins hestoricos ,pois comparativamente sabe-se muito sobre a segunda guerra mundial e muito pouco acerca da primeira ,acho que devia existir um esforço de recolha de informação a nível mundial

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …