Inteligência Artificial desenvolvida pela Google aprendeu a andar sozinha

A empresa de inteligência artificial da Google, DeepMind, desenvolveu uma Inteligência Artificial que aprendeu sozinha a andar, correr, saltar e escalar, sem nenhuma orientação prévia.

Para tal, os cientistas do Google usaram uma aprendizagem de reforço, a prática de ensinar e orientar o comportamento através um sistema em que o comportamento desejável produz recompensas e o comportamento indesejável não.

No seu nível mais básico, o sistema funciona da seguinte forma: quanto mais rápido a Inteligência Artificial se movimenta através do terreno, maiores são as recompensas, sendo que foram adicionados incentivos e penalidades em níveis mais complexos.

Foram utilizadas três figuras diferentes em três ambientes diferentes, com níveis de complexidade variáveis: o “caminhante planar”, o “quadrúpede” e o “humanóide”.

A DeepMind utiliza soluções criativas para contornar os obstáculos apresentados mas, na maioria das vezes, o movimento que fornece a solução mais eficiente não possui um aspecto exactamente natural.

Um dos três estudos publicados pela empresa foca-se na definição do objetivo e descreve uma rede neural capaz de ensinar máquinas a navegar por percursos complexos usando um objetivo muito simples: o progresso horizontal.

Como os agentes tinham apenas o objetivo de ultrapassar os obstáculos e não instruções específicas sobre como se devem mover, o sistema de aprendizagem pode ser usado para agentes de qualquer tipo – desde aqueles que imitam comportamento humano, até outros tipos de robôs, como a aranha.

Mas, como não recebem instruções detalhadas, as Inteligências Artificiais podem desenvolver métodos extremamente ineficientes de se movimentar. Por isso, o segundo estudo realizado pela Deep Mind pretende usar de dados de captura de movimentos de humanos a andar para ensinar as máquinas a andar correctamente.

No entanto, as maneiras estranhas de andar que os robôs desenvolvem podem ser úteis em algumas situações, portanto o terceiro estudo divulgado pela empresa foca-se na transição entre comportamentos diferentes.

Para tal, a DeepMind criou um modelo que permite que os sistemas aprendam a imitar comportamentos observados. Assim, se um dos sistemas aprende, por exemplo, a andar em percursos inclinados, o outro consegue aprender a mesma coisa ao observar o primeiro. E não só: o robô também consegue entender quando tem de mudar de comportamento.

Os estudos foram elaborados com base em simulações mas, segundo os especialistas, a existência dos modelos de aprendizagem que permitem ensinar este tipo de movimentos a Inteligências Artificiais é um avanço muito importante.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Depois da polémica, Hank Azaria deixa de dar voz a Apu dos "Simpsons"

O ator que dá voz à personagem indiana Apu Nahasapeemapetilon, da série "Os Simpsons", anunciou que vai deixar de o fazer, depois de vários anos de polémica. Segundo a BBC, Hank Azaria anunciou, este fim-de-semana, que …

"Parasite" vence prémio principal do Sindicato dos Atores dos EUA

O filme do realizador sul-coreano Bong Joon-ho venceu, no domingo, o prémio mais importante do Sindicato dos Atores dos Estados Unidos (SAG), tornando-se o primeiro filme em língua estrangeira a receber tal distinção. A comédia negra …

Cientistas criam método inovador para tratamento de lesões agudas da pele

Investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) de Coimbra desenvolveram um método “inovador e sensível à luz”, que poderá ser útil no tratamento de lesões agudas da pele. Um grupo de investigadores do CNC …

Elon Musk quer enviar 10 mil pessoas a Marte até 2050

O CEO da Space X, Elon Musk, quer construir cem naves por ano e levar pelo menos dez mil pessoas a Marte até 2050, embora os protótipos das naves espaciais Starship ainda estejam sujeitos a …

Como será um iPhone daqui a um milhão de anos? Artista mostra o impacto de lixo eletrónico

https://vimeo.com/386000590 A exposição The World After Us: Imaging techno-aestethic futures tem instalações onde se pode ver a natureza a tomar conta de telemóveis, computadores, tablets e outros dispositivos, mostrando que dificilmente se desintegrarão nos próximos anos. Os …

Marca japonesa acusada de apropriação cultural por perucas de modelos

A marca japonesa Comme Des Garçons foi acusada de apropriação cultural devido às perucas usadas pelos seus modelos caucasianos num desfile na Paris Fashion Week, em França. De acordo com a BBC, as perucas com tranças …

Índia suspende a construção da primeira linha do comboio ultra-rápido Hyperloop

As autoridades estatais do estado indiano de Maharashtra decidiram suspender a construção da primeira linha do comboio ultra-rápido Hyperloop, que iria ligar as movimentadas cidades de Bombaim e Pune. O Governo local decidiu não avançar para …

Regina Duarte inicia "período de testes" na Secretaria da Cultura do Brasil

A atriz brasileira afirmou, esta segunda-feira, que iniciou um "período de testes" na Secretaria Especial da Cultura, pasta que foi convidada a liderar após a exoneração de um governante que parafraseou um discurso nazi. "Nós vamos …

Malásia devolve 150 contentores ilegais de lixo a países desenvolvidos

As autoridades da Malásia anunciaram, esta segunda-feira, que devolveram 150 contentores ilegais de lixo para os seus países de origem e afirmaram que não se querem tornar num "aterro sanitário" dos países desenvolvidos. Os países da …

Vietname contorna Huawei ao desenvolver tecnologia própria para o 5G

O maior grupo de telecomunicações do Vietname vai implementar este ano o 5G com recurso à sua própria tecnologia, contornando os chineses da Huawei, num sinal das implicações geopolíticas da rede de quinta geração. A empresa …