Instabilidade, conflito e “à deriva”. Inteligência dos EUA prevê como será o mundo em 2040

A Comunidade de Inteligência dos Estados Unidos divulgou um estudo sobre como será o mundo em 2040. A análise alerta para uma volatilidade política e uma crescente competição internacional – ou mesmo conflito.

De acordo com a BBC, o relatório “A More Contested World” é uma tentativa de examinar as principais tendências e descreve uma série de cenários possíveis. É o sétimo relatório deste tipo do Conselho Nacional de Inteligência dos Estados Unidos, que começou a divulgar um a cada quatro anos a partir de 1997.

Esta tentativa aponta para incerteza e instabilidade.

Em primeiro lugar, concentra-se nos fatores-chave que impulsionam a mudança. Um deles é a volatilidade política. “Em muitos países, as pessoas estão pessimistas sobre o futuro e estão cada vez mais desconfiadas dos líderes e instituições que consideram incapazes ou relutantes em lidar com tendências económicas, tecnológicas e demográficas disruptivas”, adverte o relatório.

A análise argumenta que as pessoas estão a gravitar em torno de grupos com ideias semelhantes e a fazer demandas maiores e mais variadas aos governos num momento em que estes estão cada vez mais limitados no que podem fazer.

“Essa incompatibilidade entre as habilidades dos governos e as expetativas do público tende a expandir-se e a levar a mais volatilidade política, incluindo crescente polarização e populismo dentro dos sistemas políticos, ondas de ativismo e movimentos de protesto e, nos casos mais extremos, violência, conflito interno ou mesmo colapso do estado”.

Expecativas não atendidas, alimentadas por redes sociais e tecnologia, podem levar a riscos para a democracia. “Olhando para o futuro, muitas democracias provavelmente serão vulneráveis a mais erosão e até mesmo ao colapso”, adverte o relatório.

O relatório afirma que a atual pandemia é a “perturbação global mais significativa e singular desde a Segunda Guerra Mundial”, que alimentou divisões, acelerou as mudanças existentes e desafiou suposições, inclusive sobre a forma como os governos conseguem lidar com crises.

O último relatório, divulgado em 2017, incluía essa possibilidade, imaginando que “a pandemia global de 2023” reduziria drasticamente as viagens globais para conter a sua propagação.

Os autores reconhecem que não esperavam a covid-19, que dizem ter “abalado suposições antigas sobre resiliência e adaptação e criado novas incertezas sobre a economia, governança, geopolítica e tecnologia”.

As alterações climáticas e as mudanças demográficas também serão impulsionadores principais, assim como a tecnologia, que pode ser prejudicial, mas também capacitar aqueles que a utilizam mais depressa.

Risco de conflito

Internacionalmente, os analistas esperam que a intensidade da competição pela influência global alcance o seu nível mais alto desde a Guerra Fria nas próximas duas décadas.

Organizações não governamentais, incluindo grupos religiosos e as gigantes tecnológicas também podem ter a capacidade de construir redes que competem com – ou até mesmo – contornam os estados.

O risco de conflito pode aumentar, tornando-se mais difícil impedir o uso de novas armas.

O terrorismo jihadista provavelmente continuará ativo, mas há um aviso de que terroristas de extrema direita e esquerda que promovem questões como racismo, ambientalismo e extremismo antigovernamental podem reaparecer na Europa, América Latina e América do Norte.

Os grupos podem usar inteligência artificial para se tornarem mais perigosos ou usar realidade aumentada para criar “campos de treino de terroristas virtuais”.

A competição entre os Estados Unidos e a China está no centro de muitas das diferenças nos cenários – se um deles se torna mais bem-sucedido, se os dois competem igualmente ou dividem o mundo em silos separados.

Democracias mais fortes ou “o mundo à deriva”?

Existem alguns cenários otimistas para 2040: o “o renascimento das democracias”.

Esta previsão envolve os Estados Unidos e os seus aliados a aproveitar a tecnologia e o crescimento económico para lidar com os desafios domésticos e internacionais, enquanto as repressões da China e da Rússia  sufocam a inovação e fortalecem o apelo da democracia.

Porém, nem tudo é positivo. “O cenário do mundo à deriva” imagina as economias de mercado a nunca conseguir recuperar da pandemia, tornando-se internamente profundamente divididas e vivendo num sistema internacional “sem direção, caótico e volátil”, já que as regras e instituições internacionais são ignoradas por países, empresas e outros grupos.

Já o cenário “tragédia e mobilização” imagina um mundo no meio de uma catástrofe global no início de 2030, graças às mudanças climáticas, fome e agitação. Contudo, isso leva a uma nova coligação global, impulsionada em parte por movimentos sociais, para resolver os problemas.

  Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Bem adaptado e bem exposto, cara Maria Campos. Sim, de facto todos estes cenários são possíveis ainda que uns possam ser mais prováveis que outros. Espero que as democracias se fortaleçam e desenvolvam melhores mecanismos anti-corrupção para devolver confiança entre governantes e governados.

RESPONDER

Pintor da corte tentou impedir Henrique VIII de casar com Ana de Cleves. O rei ignorou - e arrependeu-se

A aristocrata alemã Ana de Cleves foi a quarta das seis esposas de Henrique VIII, casando-se com o rei inglês a 6 de janeiro de 1540. Depois de mais um divórcio, e de estar dois anos …

Com guerra de palavras à esquerda, Costa recebe apoio de Marcelo. "É o ano com mais alterações"

Estalou o verniz entre Bloco de Esquerda e Governo, pelo que a última esperança para António Costa é a de que os comunistas reconsideram os sinais que têm vindo a dar num passado recente. Marcelo …

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

Graça Freitas não fecha a porta a novos confinamentos. "Está tudo em aberto"

Em entrevista ao Diário de Notícias, a diretora-geral da Saúde fez um balanço da pandemia no país. Além de falar sobre o que se pode esperar no inverno, Graça Freitas não afastou a hipótese de …

A extinção dos mamutes-lanosos não foi culpa dos humanos

Durante várias décadas, os cientistas acreditaram que os ancestrais dos atuais elefantes se extinguiram porque eram constantemente caçados pelos humanos. No entanto, a análise de ADN dos antigos campos de pasto dos mamutes-lanosos revela uma …

O candidato à liderança do Partido Social Democrata (PSD), Paulo Rangel, durante um encontro com militantes

Rio não "pica" Rangel. "O que me pica é a fraca governação do PS"

O primeiro objetivo de Paulo Rangel é vencer a Rui Rio e liderar o Partido Social Democrata. O segundo é vencer a António Costa e liderar o país. O comício que marcou o arranque da …

A ministra da Saúde, Marta Temido

Carreira de técnico auxiliar de saúde avança já em 2022 (como reivindicava o BE)

A ministra da Saúde, Marta Temido, anunciou este domingo que a carreira de técnico auxiliar de saúde vai avançar em 2022, numa antecipação reivindicada pelo Bloco de Esquerda. A criação da carreira de técnico auxiliar de …

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

"Não houve proibição nenhuma" de cânticos no Dia do Exército, foi recomendação sanitária

O Presidente da República foi questionado sobre o incidente que levou a que, nas celebrações do Dia do Exército, o ministro da Defesa tenha sido vaiado e pedida a sua demissão por centenas de ex-paraquedistas. …

Até 2030, o plástico irá emitir mais gases de efeito de estufa do que o carvão

Um novo relatório mostra que, até 2030, os plásticos irão emitir mais gases de efeito de estufa do que o carvão, caso a indústria norte-americana mantenha os planos futuros. O aumento contínuo da produção de plástico …

Titã pode estar condenada a chocar contra Saturno

A maior lua de Saturno, Titã, tem um enorme efeito na inclinação do planeta, e o seu afastamento do planeta pode derrubá-lo e condenar a própria Titã. A cada ano que passa, Titã afasta-se 11 centímetros …

É um cenário de filme de ficção científica - mas será possível a Lua colidir contra a Terra?

Está sempre aparentemente calma no céu, mas será que a Lua pode algum dia vir a chocar com a Terra? Há simulações que ajudam a ter uma ideia do que aconteceria neste cenário. Um novo filme …