Impreparação para segunda vaga “pode levar a recessão ainda maior”

foreignoffice / Flickr

O ex-ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira

O economista Álvaro Santos Pereira diz que os países têm de estar preparados para uma segunda vaga da pandemia covid-19 porque, se não o fizerem, a recessão económica pode ser ainda maior do que a projetada pelo FMI.

Em entrevista à agência Lusa, o diretor de estudos específicos por país do departamento de Economia da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) diz que as previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI), que apontam para uma queda em Portugal de 8% do Produto Interno Bruto (PIB) e uma taxa de desemprego de 13,9% em 2020, vão em linha com o que a OCDE já previa, mas são um cenário central.

“O que os números do FMI mostram claramente é que no melhor dos cenários vamos ter a maior recessão mundial, pelo menos desde a Segunda Guerra Mundial, talvez mesmo desde a Grande Depressão”, sublinha o economista.

Ainda assim, o antigo ministro da Economia no governo liderado por Passos Coelho alerta para que se não se conseguir arranjar um tratamento eficaz contra o vírus rapidamente “é muito possível que se verifique um cenário de uma segunda vaga [da pandemia] daqui a uns meses em muitos países” e, se for esse o caso, é essencial estar preparado.

“Se isso acontecer, o que interessa é estarmos preparados para minorar o impacto. Se tivermos outra vez os países não tão preparados como deviam, sem os meios de proteção, não só dos profissionais de saúde, mas também das populações, é muito provável que esta pandemia possa causar uma recessão ainda maior”, alerta o economista.

Álvaro Santos Pereira diz ainda que a confiança total só regressará aos agentes económicos quando houver uma vacina ou um tratamento eficaz para a pandemia, e que, até lá, a recuperação da atividade económica não será igual em todos os setores.

“Se conseguimos um tratamento eficaz, a confiança vai voltar. E quando isso acontecer vamos reagir de uma forma bastante forte. E a economia vai recuperar”, mas enquanto isso não acontecer, haverá setores que “vão continuar com negócios, no mínimo, muito reduzidos”, adverte o economista, exemplificando que áreas como a dos cruzeiros, a aviação, o turismo ou a restauração “vão continuar a ser bastante afetadas”.

Álvaro Santos Pereira diz esperar que as previsões agora conhecidas estejam erradas e que a realidade mostre uma recessão menos profunda e uma recuperação mais rápida. Mas lembra que os números que vão sendo conhecidos um pouco por todo o mundo “não são animadores”. “Estamos a falar, por exemplo, nos Estados Unidos”, refere o economista, que num mês viu mais de 22 milhões de americanos a cair numa situação de desemprego.

“O desemprego em quatro semanas aumentou mais do que a recuperação de toda a criação de emprego nos últimos 10 anos. Em quatro semanas destruíram-se mais empregos do que se criaram em dez anos. E a economia tem estado numa expansão contínua nos últimos dez anos”, explica o antigo ministro.

“Estamos a falar de magnitudes e uma rapidez que não conhecíamos até agora, portanto, é muito provável que, quer em Portugal, quer na Europa, ou noutros países, infelizmente, os cenários sejam muito realistas. Ainda há muita incerteza, mas recessões acima de 5% quase de certeza que vão acontecer”, lamenta o economista.

O responsável por um dos departamentos da OCDE exemplifica ainda com outros dados: se a recessão em Portugal atingir os 8%, como prevê o FMI, será uma queda maior à registada “durante todo o período da ‘troika’”. “Obviamente, também estamos à espera, se tudo correr bem, de uma recuperação da economia muito mais dinâmica. Mas obviamente isto vai gerar muito desemprego, falências de empresas e obviamente vai causar-nos bastantes problemas ao nível do défice e da dívida”, conclui.

O “Grande Confinamento” levou o FMI a fazer previsões sem precedentes nos seus quase 75 anos: a economia mundial poderá cair 3% em 2020, arrastada por uma contração de 5,9% nos Estados Unidos, de 7,5% na zona euro e de 5,2% no Japão.

Para Portugal, o FMI prevê uma recessão de 8% e uma taxa de desemprego de 13,9% em 2020.

// Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. «…é muito possível que se verifique um cenário de uma segunda vaga [da pandemia] daqui a uns meses em muitos países…» – Álvaro Pereira in ZAP aeiou

    Um vírus ou uma pandemia não provocam recessão económica ou um agravamento da crise económica.

    O que leva à recessão económica, são as crises económicas feitas acontecer propositadamente e não uma pandemia ou um vírus.

  2. Este senhor sabe do que fala? a imagem que deixou no país enquanto ministro da economia foi de desastre total. Foi o “inventor” dos “PER,S” para safar as empresas da falência e não pagar a ninguém.
    Lembrem-se Caros Compatriotas do Alvaro Santos Pereira. Guardo na memória os tempos de 2012, 2013 em que fui obrigado, ao abrigo de uma “ideia ???????….. de Passos Coelho e outros e outros…” e deste senhor a ficar sem muitos meses de salário (como tantos nossos compatriotas) e depois ficar desempregado e a facilitar a falência de tanta empresa neste país à beira mar plantado, que até aí eram de sucesso (não houve vírus, mas houve outra coisa que foi oportunismo de muito “empresário”, que em cadeia desgraçou muita gente.
    Que guarde a língua onde deve guardar e que não opine nem adiante futurismo sobre Portugal e os portugueses. Que tenha sucesso onde esteja e que se mantenha longe de nós.

RESPONDER

Concorrência condena MEO a pagar 84 milhões por combinar preços com a NOWO

A Autoridade da Concorrência (AdC) aplicou uma coima de 84 milhões de euros à MEO por combinar preços e repartir mercados com a operadora NOWO nos serviços de comunicações móveis e fixas. “A Autoridade da Concorrência …

PEV quer reverter privatização dos CTT. PS admite todos os cenários

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) defendeu hoje, no parlamento, a “reversão da nacionalização” dos CTT, e ouviu o PS admitir “todos os cenários”. Numa declaração política no parlamento, o deputado José Luís Ferreira afirmou que, …

Voltar à normalidade "não está longe, mas não é já", avisa Pfizer

O administrador executivo da Pfizer, Albert Bourla, apelou na quarta-feira para que os governos de todo o mundo não reabram as suas economias demasiado depressa devido ao otimismo gerado pelas vacinas de covid-19. Bourla, de 59 …

Biden quer retomar acordo nuclear com o Irão, embora reconheça que será "difícil"

O vencedor das eleições presidenciais norte-americanas, Joe Biden, pretende retomar o acordo nuclear com Irão antes mesmo de novas negociações, assumiu o democrata numa entrevista ao New York Times. Joe Biden afirmou, durante a campanha eleitoral, …

Processo de reprivaticação da Efacec atrasado devido à discussão do OE2021

Apesar de as avaliações no âmbito do processo de nacionalização e futura reprivatização da Efacec já estarem concluídas, o processo esteve condicionado pela discussão do Orçamento de Estado para 2021 (OE2021). De acordo com o Jornal …

Costa sobre vacinação: “Há uma luz ao fundo do túnel, mas o túnel é muito comprido e penoso”

O primeiro-ministro, António Costa, advertiu esta quinta-feira que o processo de vacinação terá imponderabilidades externas a Portugal, sendo também complexo ao nível interno, com as dificuldades a aumentarem quanto maior for o universo de cidadãos …

Alterações climáticas podem colapsar os sistemas de saúde, alertam especialistas

O quinto relatório anual da Lancet sobre saúde e clima revelou que todos os países enfrentam ameaças à saúde humana, "que se multiplicam e se intensificam" à medida que as alterações climáticas originam novas pandemias …

Obama, Bush e Clinton vão vacinar-se publicamente para encorajar os norte-americanos

Os ex-presidentes dos EUA Barack Obama, George W. Bush e Bill Clinton disseram que estão prontos para serem vacinados publicamente contra a covid-19, a fim de encorajar os seus concidadãos a fazer o mesmo. Obama disse …

Retenção na fonte mensal reduzida em cerca de 2%. Salários terão um "ligeiro aumento"

As retenções na fonte em 2021 sobre salários de trabalho dependente vão reduzir-se em cerca de 2% face às praticadas este ano e irão permitir um “ligeiro aumento” do rendimento líquido mensal, segundo simulações da …

Em março já deverá haver imunização “suficientemente grande” da população

O epidemiologista Manuel do Carmo Gomes defendeu esta quinta-feira que “se tudo correr normalmente” com a vacinação contra a covid-19, no final de março haverá uma imunização “suficientemente grande” na população para evitar “grandes aumentos …