Implante neural permite que pessoas paralisadas escrevam. Basta imaginar as letras

F. Willett et al. / Nature 2021 / E rika Woodrum

Pela primeira vez, uma equipa de investigadores descodificou os sinais neurais associados à escrita de letras e, em seguida, exibiu versões digitadas dessas letras em tempo real.

Quando uma lesão ou doença priva uma pessoa da capacidade de se mover, a atividade neural do cérebro para caminhar, pegar numa chávena ou dizer uma frase permanece.

Algumas pessoas que perderam o uso das mãos conseguem usar um computador com reconhecimento de fala. Para aqueles que têm dificuldade em falar, os cientistas têm desenvolvido outras formas de os ajudar a comunicar.

Os cientistas estão a explorar várias formas de as pessoas com deficiência conseguirem comunicar com os seus pensamentos. Agora, pela primeira vez, uma equipa de investigadores decifrou a atividade cerebral associada à tentativa de escrever cartas à mão.

A equipa trabalhou com um participante de 65 anos que teve uma lesão medular que o deixou paralisado do pescoço para baixo. Jaimie Henderson, um neurocirurgião da Universidade de Stanford, implantou dois minúsculos sensores na parte do cérebro que controla a mão e o braço.

Usando sinais que os sensores captaram de neurónios individuais quando o homem se imaginou a escrever, um algoritmo de aprendizagem de máquina reconheceu os padrões que o cérebro produzia com cada letra. Entretanto, o sistema exibia o texto numa tela – em tempo real.

Segundo um comunicado, o participante escreveu 90 caracteres por minuto – mais do dobro do recorde anterior de digitação com esta “interface cérebro-computador”.

Este interface cérebro-computador (BCI, na sigla em inglês) chamado “Brain-to-Text” é tão rápido porque cada letra elicia um padrão de atividade altamente distinto, tornando relativamente fácil para o algoritmo distingui-los uns dos outros, afirmou o neurocientista Frank Willett.

Segundo Krishna Shenoy, investigadora do Howard Hughes Medical Institute da Universidade de Stanford, esta inovação poderia, com mais desenvolvimento, permitir que pessoas com paralisia digitassem rapidamente sem usar as mãos.

A equipa prevê o uso de tentativa de escrita à mão para entrada de texto como parte de um sistema mais abrangente que também inclui navegar, apontar e clicar.

Em seguida, a equipa pretende trabalhar com um participante que não consegue falar, como alguém com esclerose lateral amiotrófica, um distúrbio neurológico degenerativo que resulta na perda de movimento e fala.

O estudo foi publicado este mês na revista cientifica Nature.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Barbosa Ribeiro, que não quer ser o Rei Sol, distribuiu álcool gel para "desinfetar" a Câmara

Tiago Barbosa Ribeiro, candidato socialista à Câmara Municipal do Porto, rejeita a ideia de que não é muito conhecido, afasta a ambição de querer ser o "Rei Sol" e admite ficar na Invicta nos próximos …

Coronavírus: há 21 mil anos a causar pandemias

Os coronavírus só foram identificados como distintos dos vírus da gripe nos anos 60 do século passado, e neste houve apenas duas pandemias de coronavírus —  MERS e SARS — registadas antes da atual, mas …

Parlamento discute propostas para travar preços dos combustíveis e da eletricidade

Os deputados votam esta sexta-feira, no Parlamento, o diploma do Governo para limitar as margens de combustíveis, assim como uma série de outras propostas sobre energia, da responsabilidade de vários partidos. O Governo aprovou em julho, …

Marcelo admite que se "fechou uma página" - mas já deixou recados para o Natal

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta quinta-feira que Portugal é visto por outros países europeus como exemplo pela taxa de vacinação e combate à covid-19, mas que este "é um processo …

UGT quer salário mínimo de 1.000 euros em 2028

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, defendeu a necessidade de acabar com a política de baixos salários e precariedade. Carlos Silva, secretário-geral da UGT, defendeu esta quinta-feira que o Governo socialista tem obrigação de aumentar os …

Vermes partilham "memórias" através do ARN para avisar do perigo

Um artigo publicado recentemente na Cell mostra que os vermes têm uma forma peculiar de partilhar memórias: transmitem-nas através do ARN. Partilhar informação é crucial para a sobrevivência das espécies, mas como é que formas de …

Manchester United: jogador expulso e chamado a tribunal em 48 horas

Aaron Wan-Bissaka irá depor em tribunal, no final deste ano. Jovem futebolista foi apanhado a conduzir sem carta e sem seguro. Não estão a ser dias fáceis para Aaron Wan-Bissaka. O futebolista do Manchester United soube …

15 mil cadeiras vazias: Guardiola não gostou mas já ouviu um "recado"

Estádio do Manchester City voltou a ficar longe de lotação esgotada, num jogo da Liga dos Campeões. "Espero que apareça mais gente no sábado", admitiu o treinador. As palavras foram estas, depois da goleada que o …

"Fomos enganados, geologicamente enganados." Novos segredos vulcânicos revelados

Um estudo levado a cabo por cientistas da Universidade de Queensland revelou novos detalhes sobre a composição geológica da crosta terrestre. Até agora, os cientistas pensavam que a lava arrefecida dos chamados vulcões "hot spot" era …

Os planetas formam-se em sopas orgânicas — e não há duas iguais

Uma série de novas imagens revela que os planetas formam-se em sopas orgânicas — e não há duas sopas iguais. Astrónomos mapearam os produtos químicos dentro dos berços planetários com detalhe extraordinário. Os mapas revelam a …