“As pessoas idosas têm o mesmo direito à vida”, apela Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) pediu mais proteção para os idosos, os mais vulneráveis à pandemia de covid-19, sublinhando que “ninguém, jovem ou velho, é prescindível”.

“As pessoas idosas têm o mesmo direito à vida e à saúde que as outras”, frisou António Guterres, numa mensagem de vídeo transmitida esta sexta-feira, em que recordou que a taxa de mortalidade por covid-19 nas pessoas com mais de 80 anos é cinco vezes superior à média global.

Segundo o antigo primeiro-ministro português, a pandemia está a gerar “medo e sofrimento incalculáveis” nos idosos, não só devido à doença, mas também por causa do risco de pobreza, discriminação e isolamento.

“Como pessoa idosa que sou, com responsabilidade por uma mãe ainda mais idosa, estou profundamente preocupado com a pandemia a nível pessoal e com os seus efeitos nas nossas comunidades e sociedades”, afirmou Guterres, de 71 anos.

Num relatório apresentado na sexta-feira, o secretário-geral das Nações Unidas pede que as decisões médicas respeitem sempre os direitos e a dignidade humana e mais apoios sociais para que os idosos não fiquem isolados, apesar do confinamento.

“Para ultrapassarmos juntos esta pandemia, precisamos de aumentar a solidariedade global e nacional e os contributos de todos os membros da sociedade, incluindo os idosos”, sustentou António Guterres.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 235 mil mortos e infetou mais de 3,3 milhões de pessoas em 195 países e territórios. Mais de um milhão de doentes foram considerados curados.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.