Quando os humanos se extinguirem, os ossos de galinha serão o seu legado na Terra

Quando os seres humanos desaparecerem do planeta, uma das marcas mais duradouras do nosso impacto na Terra será o súbito aparecimento no registo fóssil de ossos de galinha.

A idade dos humanos constitui uma nova época na história da Terra, conhecida como o Antropoceno. A explosão na criação de galinhas e as rápidas mudanças na forma destes animais devido à criação seletiva fazem deles uma espécie de “mascote” ideal do nosso tempo.

“Consideramos que as galinhas são um símbolo realmente importante e um possível fóssil desta era. Um sinal do impacto do Homem no planeta”, afirmou Carys Bennett, da Universidade de Leicester, no Reino Unido. Se dúvidas restarem, eis a resposta: sim, as galinhas podem ser o índice fóssil do Antropoceno.

O século XX foi o palco de uma explosão no número de galinhas domesticadas em todo o mundo. Atualmente, a população atual é de 21,4 mil milhões, ou seja, mais do que qualquer outro vertebrado terrestre e uma ordem de magnitude superior à de qualquer outra ave.

Além disso, segundo o New Scientist, são abatidas mais de 60 mil milhões galinhas por ano, o que corresponde a uma surpreendente taxa de acumulação de ossos sem precedentes no mundo natural.

“A galinha de aviário moderno é irreconhecível comparativamente aos seus ancestrais ou aos seus congéneres selvagens”, explica a coautora da investigação, publicada na The Royal Society. Apesar de serem domesticadas há já oito mil anos, as galinhas sofreram mudanças especialmente marcantes desde que a agricultura intensiva disparou, em meados do século XX.

Atualmente, as galinhas crescem para tornar-se quatro ou cinco vezes mais pesadas do que as aves de 1957. Além disso, o osso da perna tem o triplo da largura e o dobro do comprimento.

Foi a partir dos anos 50, com a procura por ritmos de crescimento mais elevados, que começaram a formar uma nova espécie morfológica. O momento das mudanças nas galinhas coincide com outros sinais próprios do Antropoceno, como os plásticos, os fertilizantes, os combustíveis fósseis e os depósitos radioativos de armas nucleares.

A maioria das carcaças de galinha é lançada em aterros sanitários, onde as condições livres de oxigénio tendem a mumificar a matéria orgânica. Isto significa que os ossos têm a capacidade de permanecer preservados durante milhões de anos, à semelhança das latas de refrigerantes e restos de embalagens plásticas.

Se os geoquímicos do futuro analisarem os isótopos de carbono e nitrogénio nesses fósseis, encontrariam uma diferença peculiar em comparação com as aves selvagens. Porquê? Porque a galinha é um elemento fundamental e bastante presente na dieta dos seres humanos.

Aliás, os cientistas arriscam mesmo dizer que a galinha vai ultrapassar a carne de porco e tornar-se na carne que os humanos mais consomem. A ascensão da galinha espelha o declínio das aves selvagens, o que significa que a população de aves da Terra é dominada por uma só espécie: a galinha.

É sensato pensar que as alterações climáticas podem obrigar-nos a mudar os nossos hábitos alimentares. Mas, ainda assim, o nosso impacto ficará preservado nas rochas e as galinhas eternizadas no nosso registo fóssil.

LM, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Presidente revela que não está imune e é contra "descompressão" de medidas em abril

O Presidente da República revelou numa entrevista esta terça-feira divulgada pela Antena 1 que já fez um dos novos testes sorológicos para detetar a presença de anticorpos para o novo coronavírus e não está imunizado. "Depois …

Ministros das finanças procuram entendimento. Itália ameaça consenso de Centeno

Os ministros das Finanças da zona euro voltam a reunir-se esta terça-feira, por videoconferência, com a responsabilidade de chegarem a um compromisso sobre uma resposta comum para minimizar os efeitos da pandemia covid-19, precisando para …

Empresas estão a cobrar às farmácias 150 euros por caixa de máscaras

Empresas, muitas das quais nem sequer são do ramo farmacêutico, estão a cobrar às farmácias 150 euros por uma caixa de máscaras. Antes, eram vendidas por cinco euros. A pandemia de covid-19 levou a que a …

Governo alarga apoios a sócios-gerentes sem trabalhadores

O Governo enviou esta segunda-feira para promulgação pelo Presidente da República um decreto com alterações ao regime de apoio extraordinário dos trabalhadores independentes, estendendo agora os benefícios aos sócios-gerentes sem trabalhadores por conta de outrem. Este …

"Futebol precisa de dar e sofrer porque pode." Anúncio de lay-off do Liverpool gera críticas e um pedido de desculpas

O Liverpool anunciou que ia avançar com um mecanismo do Governo britânico semelhante ao lay-off que está a ser usado em Portugal, para receber apoios para pagar aos funcionários do clube que não são jogadores, …

"Semana D" na Educação. Alunos do 12.º com prioridade no regresso às aulas

O Ministério da Educação, liderado por Tiago Brandão Rodrigues, reúne-se esta terça-feira com os vários representantes da comunidade escolar para discutir como será o 3.º período de aulas numa época de contenção do novo coronavírus. Esta …

Benfica, Sporting e FC Porto querem cortar salários em 50%

Os 'três grandes' do futebol português querem cortar a folha salarial dos jogadores em 50%. Em causa está o controlo dos danos financeiros da pandemia de covid-19. Benfica, Sporting e FC Porto querem reduzir os salários …

Mais 34 vítimas mortais e 44 recuperados. Novos casos sobem 6%

Portugal regista nesta terça-feira 12.442 casos positivos de covid-19, mais 731 do que esta segunda-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral de Saúde. Trata-se de um aumento de 5,7% no número de novos casos. Esta taxa …

Emigrante infetado foi detido no domingo por andar a passear. Agora fugiu

Está a ser procurado pela polícia o emigrante infetado com o novo coronavírus que foi detido na Póvoa de Varzim, este domingo, por violar o dever de confinamento. De acordo com o Jornal de Notícias, o …

"Já fizemos", "não por enquanto" e "desatualizadas". Governo arruma propostas do PSD em três gavetas

O PSD anunciou, esta segunda-feira, as propostas económicas para fazer face ao impacto do novo coronavírus. O Governo já respondeu e "arrumou-as" em três gavetas: "já fizemos", "não vamos fazer por enquanto" e "desatualizado". A resposta …