ADN prova a culpa dos humanos na extinção dos “pinguins do hemisfério norte”

O arau-gigante é conhecido como a versão do hemisfério norte dos pinguins que hoje vemos. Um estudo ao ADN deste animal extinto prova que os humanos foram os responsáveis pelo seus desaparecimento.

O norte do Oceano Atlântico já foi lar de um pássaro que apresentava uma notável semelhança com os pinguins. O arau-gigante, também conhecido como “o pinguim original”, era um grande pássaro preto e branco, que não voava, que se diz terem existido milhões deles.

Apesar de sua aparência, o arau-gigante não é um parentes dos pinguins. No entanto, desde cerca de 1844, o hemisfério norte está sem a sua versão do pinguim e parece mesmo que somos os culpados.

O arau-gigante há muito fornecia aos seres humanos uma fonte de carne e ovos. Mas, por volta de 1500, a caça intensificou-se dramaticamente quando os europeus descobriram os ricos pesqueiros da Terra Nova. Num espaço de 350 anos, os últimos araus-gigantes foram mortos para serem colocados num museu, e a espécie foi perdida para sempre.

Dada a velocidade relativa desta extinção, vale a pena perguntar se outros fatores, como alterações ambientais, estão envolvidos. O arau-gigante estava a caminhar para a extinção antes do início da caça intensiva? Ou poderia ter sobrevivido e ainda estar presente hoje, se não fossem os humanos?

NOAA / NGDC

Onde viveu o arau-gigante.

Num estudo recentemente publicado na revista Evolutionary Biology Genetics and Genomics, investigadores não encontraram evidências de que o arau-gigante já estivesse em declínio ou em risco de extinção antes da caça intensiva. Isto sugere que nenhum outro fator estava em jogo e a pressão da caça humana por si só foi suficiente para causar a extinção.

As descobertas destacam como a exploração comercial em escala industrial de recursos naturais tem o potencial de levar à extinção de espécies abundantes, de amplo alcance e altamente móveis, num curto período de tempo.

ADN antigo

Através do estudo de espécies que se extinguiram, somos capazes de aprender coisas que nos podem ajudar na luta para conservar as espécies que ainda vivem hoje. Uma maneira de fazer isso é olhar para a genética de espécies extintas.

Usando o ADN antigo (aDNA), podemos observar coisas como diversidade genética, que pode revelar tendências de quão geneticamente saudável a espécie é. Também nos pode mostrar como uma espécie pode ter respondido às alterações ambientais, à caça ou à introdução de novas espécies no seu habitat.

Há muitas evidências, incluindo registos arqueológicos e relatos escritos, que mostram que o arau-gigante foi caçado ao longo da sua existência. Mas até agora não sabemos o impacto que as alterações ambientais podem ter causado na extinção do pássaro. Se a espécie estivesse em risco de extinção antes do início da caça intensiva no século XVI, esperaríamos ver sinais no seu ADN.

(dr) Jessica Thomas

Ossos do arau-gigante usados para obter o ADN.

Por exemplo, se uma espécie tem baixa diversidade genética e a maioria dos indivíduos é muito semelhante, é menos provável que haja certos espécimes que possam sobreviver a uma alteração ambiental. Portanto, a espécie como um todo será menos capaz de se adaptar a essa mudança.

Sem declínio gradual

Os investigadores descobriram que a diversidade genética era alta entre as amostras, com evidências de um tamanho populacional constante e nenhuma evidência de declínio populacional ou de estrutura populacional.

Isto sugere que o arau-gigante não corria risco de extinção antes da caça intensiva em humanos e que sua extinção ocorreu após um declínio populacional rápido demais para aparecer nos dados. Enquanto isso, a análise de viabilidade populacional revelou que apenas a caça poderia ter sido suficiente para causar a extinção da espécie.

Hoje, as aves marinhas estão mais ameaçadas do que qualquer grupo comparável de aves, com um terço das espécies em risco de extinção e metade em declínio. As ameaças às aves marinhas incluem alterações climáticas, perda de habitat, poluição, pesca humana e exploração direta da colheita de ovos, filhotes e aves adultas para a caça de alimentos e troféus.

As aves marinhas desempenham um papel globalmente importante nos ecossistemas, atuando como predadores, subsidiários de nutrientes e engenheiros de ecossistemas; portanto, é muito importante entender mais sobre o motivo da sua extinção.

PARTILHAR

RESPONDER

Passos Coelho cancela participação em fórum para afastar "especulações infundadas" sobre o seu regresso

O antigo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, decidiu cancelar a presença numa conversa via Zoom agendada para 25 de março, inserida num ciclo denominado “Repensar Portugal”. Esta quinta-feira, o semanário Expresso adiantou que o antigo primeiro-ministro Pedro …

A física quântica pode causar mutações no nosso ADN

Simulações de computador e métodos de mecânica quântica têm sido usados ​​para determinar o papel que o tunelamento de protões, um fenómeno puramente quântico, desempenha nas mutações espontâneas no ADN. A biologia quântica é um campo …

Buracos negros minúsculos podem estar a "esconder-se" dentro de estrelas (e a devorá-las por dentro)

Uma equipa de investigadores tem um novo palpite sobre onde procurar a misteriosa matéria escura: esta pode estar a assumir a forma de buracos negros endoparasitários. De acordo com o ScienceAlert, buracos negros primordiais minúsculos, quase …

Maionese está a salvar tartarugas após derrame de petróleo em Israel

Membros do Centro Nacional de Resgate de Tartarugas Marinhas de Israel estão a usar maionese para limpar as vias respiratórias de tartarugas que inalaram petróleo em alto-mar. Israel fechou este domingo as praias mediterrânicas dias após …

Itália investiga empresas de entrega de comida. Há estafetas tratados "como escravos"

Itália está a investigar as empresas de entrega de comida online, com um promotor a lamentar que os estafetas que fazem as entregas, muitos deles imigrantes, são praticamente tratados "como escravos". Procuradores de Milão avançaram que …

O IONIQ 5 é o novo carro elétrico da Hyundai (e é enorme entre eixos)

O ano 2021 vai ser promissor na apresentação e lançamento de carros elétricos no mercado mundial. Algumas marcas, como a Hyundai, têm produtos prontos para serem comercializados. Agora, a marca sul-coreana apresenta o IONIQ 5. Com …

Em Moscovo, qualquer um pode ser vacinado contra a covid-19 (e até ganha um gelado)

Em Moscovo, capital da Rússia, a vacina Sputnik V está disponível gratuitamente a qualquer pessoa que queira ser vacinada desde 18 de janeiro. Os interessados não precisam de agendar a toma e até ganham um …

As abelhas convenceram-nos de que sabiam matemática. Mas mentiram-nos

O novo estudo não significa necessariamente que as abelhas não entendam números, mas sugere que os animais usam propriedades não numéricas para resolver problemas matemáticos. Vários estudos convenceram-nos de que as abelhas são pequenos génios matemáticos: …

Liam Thorpe era prioritário na vacinação contra a covid-19 por ter 6,2 cm. Foi um erro

Liam Thorp, um homem de 32 anos sem comorbilidades, foi incorporado na lista de cidadãos prioritários para a vacinação contra a covid-19 no Reino Unido. Tudo por causa de um erro no sistema, que o registou …

Decisão de Lyon de retirar carne das ementas escolares gera protestos em França

A decisão temporária do presidente da Câmara de Lyon, membro do partido Europa Ecologia - Os Verdes, está a ser recebida com protestos em França. De acordo com o jornal The Guardian, Grégory Doucet decidiu retirar …