ADN prova a culpa dos humanos na extinção dos “pinguins do hemisfério norte”

O arau-gigante é conhecido como a versão do hemisfério norte dos pinguins que hoje vemos. Um estudo ao ADN deste animal extinto prova que os humanos foram os responsáveis pelo seus desaparecimento.

O norte do Oceano Atlântico já foi lar de um pássaro que apresentava uma notável semelhança com os pinguins. O arau-gigante, também conhecido como “o pinguim original”, era um grande pássaro preto e branco, que não voava, que se diz terem existido milhões deles.

Apesar de sua aparência, o arau-gigante não é um parentes dos pinguins. No entanto, desde cerca de 1844, o hemisfério norte está sem a sua versão do pinguim e parece mesmo que somos os culpados.

O arau-gigante há muito fornecia aos seres humanos uma fonte de carne e ovos. Mas, por volta de 1500, a caça intensificou-se dramaticamente quando os europeus descobriram os ricos pesqueiros da Terra Nova. Num espaço de 350 anos, os últimos araus-gigantes foram mortos para serem colocados num museu, e a espécie foi perdida para sempre.

Dada a velocidade relativa desta extinção, vale a pena perguntar se outros fatores, como alterações ambientais, estão envolvidos. O arau-gigante estava a caminhar para a extinção antes do início da caça intensiva? Ou poderia ter sobrevivido e ainda estar presente hoje, se não fossem os humanos?

NOAA / NGDC

Onde viveu o arau-gigante.

Num estudo recentemente publicado na revista Evolutionary Biology Genetics and Genomics, investigadores não encontraram evidências de que o arau-gigante já estivesse em declínio ou em risco de extinção antes da caça intensiva. Isto sugere que nenhum outro fator estava em jogo e a pressão da caça humana por si só foi suficiente para causar a extinção.

As descobertas destacam como a exploração comercial em escala industrial de recursos naturais tem o potencial de levar à extinção de espécies abundantes, de amplo alcance e altamente móveis, num curto período de tempo.

ADN antigo

Através do estudo de espécies que se extinguiram, somos capazes de aprender coisas que nos podem ajudar na luta para conservar as espécies que ainda vivem hoje. Uma maneira de fazer isso é olhar para a genética de espécies extintas.

Usando o ADN antigo (aDNA), podemos observar coisas como diversidade genética, que pode revelar tendências de quão geneticamente saudável a espécie é. Também nos pode mostrar como uma espécie pode ter respondido às alterações ambientais, à caça ou à introdução de novas espécies no seu habitat.

Há muitas evidências, incluindo registos arqueológicos e relatos escritos, que mostram que o arau-gigante foi caçado ao longo da sua existência. Mas até agora não sabemos o impacto que as alterações ambientais podem ter causado na extinção do pássaro. Se a espécie estivesse em risco de extinção antes do início da caça intensiva no século XVI, esperaríamos ver sinais no seu ADN.

(dr) Jessica Thomas

Ossos do arau-gigante usados para obter o ADN.

Por exemplo, se uma espécie tem baixa diversidade genética e a maioria dos indivíduos é muito semelhante, é menos provável que haja certos espécimes que possam sobreviver a uma alteração ambiental. Portanto, a espécie como um todo será menos capaz de se adaptar a essa mudança.

Sem declínio gradual

Os investigadores descobriram que a diversidade genética era alta entre as amostras, com evidências de um tamanho populacional constante e nenhuma evidência de declínio populacional ou de estrutura populacional.

Isto sugere que o arau-gigante não corria risco de extinção antes da caça intensiva em humanos e que sua extinção ocorreu após um declínio populacional rápido demais para aparecer nos dados. Enquanto isso, a análise de viabilidade populacional revelou que apenas a caça poderia ter sido suficiente para causar a extinção da espécie.

Hoje, as aves marinhas estão mais ameaçadas do que qualquer grupo comparável de aves, com um terço das espécies em risco de extinção e metade em declínio. As ameaças às aves marinhas incluem alterações climáticas, perda de habitat, poluição, pesca humana e exploração direta da colheita de ovos, filhotes e aves adultas para a caça de alimentos e troféus.

As aves marinhas desempenham um papel globalmente importante nos ecossistemas, atuando como predadores, subsidiários de nutrientes e engenheiros de ecossistemas; portanto, é muito importante entender mais sobre o motivo da sua extinção.

PARTILHAR

RESPONDER

Porfírio Silva vê “papel positivo” na candidatura de Ana Gomes, mas critica farpas a Costa

O dirigente socialista Porfírio Silva considera que a candidatura presidencial de Ana Gomes pode ser positiva se não cair na "armadilha" de se centrar no ataque a António Costa e se não "atropelar" o Estado …

Operação Lex. Três juízes acusados de corrupção. Luís Filipe Vieira vai ser julgado por um crime

Os juízes Rui Rangel, Fátima Galante e Vaz das Neves e o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, estão entre os 17 acusados da Operação Lex. Em causa estão crimes de corrupção, abuso de poder, …

Em tempos difíceis, Von der Leyen diz que “sempre vi em Portugal um forte aliado"

Numa entrevista, Ursula von der Leyen disse que Portugal terá “a tarefa de liderar” com a recuperação da pandemia quando chegar à presidência do Conselho da UE em 2021. E promete uma proposta “mais humana …

Caso Eurofin. Salgado recebe coima de 4 milhões de euros do Banco de Portugal

Ricardo Salgado, ex-presidente do BES, foi condenado pelo Banco de Portugal a pagar mais uma coima, no valor de quatro milhões de euros, no processo sobre o veículo suíço Eurofin e por operações que lesaram …

"Último recurso". Governo britânico admite novo confinamento no Reino Unido

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, admitiu esta sexta-feira que o Governo conservador não descarta decretar um segundo confinamento nacional para conter a pandemia de covid-19, embora considere esta opção um "último recurso" “Faremos …

Pais deixaram aluno com covid-19 na escola. Denúncia já chegou à PSP

Um aluno de uma escola de Leiria que está infectado com o coronavírus foi à apresentação do ano lectivo, nesta quarta-feira, quando já havia suspeitas de que teria covid-19, uma vez que o pai também …

A segunda vaga já chegou a Portugal (e há "uma diferença muito importante")

Os especialistas não duvidam que a segunda vaga de covid-19 já chegou a Portugal, mas apontam que há diferenças significativas relativamente ao início da pandemia, em Março. "Há uma diferença muito importante nesta segunda vaga que …

Governo tinha 90 milhões para apoiar criação de emprego (mas pedidos superaram os 487 milhões)

O programa do Governo para apoiar a criação de emprego, lançado em julho, tinha uma verba de 90 milhões de euros. Dois meses depois, a procura excedeu os 487,5 milhões. O jornal Público adiantou esta quinta-feira …

Metade dos portugueses acredita que Portugal está preparado para inverno (mas defende novo confinamento)

Uma sondagem da Aximage para o Jornal de Notícias e TSF revela que 47% dos portugueses defendem um novo confinamento, apesar de 50% acreditar que o país está melhor preparado para o inverno. De acordo …

Corona o melhor, Pizzi a perder bolas: as curiosidades da Liga

A I Liga 2020/2021 começa nesta sexta-feira, ainda com muitas incertezas. Entretanto, voltámos a espreitar o relatório 'Futebol em números', publicado no final de agosto pela própria Liga Portugal. Desta vez deixámos aqui algumas curiosidades …