ADN prova a culpa dos humanos na extinção dos “pinguins do hemisfério norte”

O arau-gigante é conhecido como a versão do hemisfério norte dos pinguins que hoje vemos. Um estudo ao ADN deste animal extinto prova que os humanos foram os responsáveis pelo seus desaparecimento.

O norte do Oceano Atlântico já foi lar de um pássaro que apresentava uma notável semelhança com os pinguins. O arau-gigante, também conhecido como “o pinguim original”, era um grande pássaro preto e branco, que não voava, que se diz terem existido milhões deles.

Apesar de sua aparência, o arau-gigante não é um parentes dos pinguins. No entanto, desde cerca de 1844, o hemisfério norte está sem a sua versão do pinguim e parece mesmo que somos os culpados.

O arau-gigante há muito fornecia aos seres humanos uma fonte de carne e ovos. Mas, por volta de 1500, a caça intensificou-se dramaticamente quando os europeus descobriram os ricos pesqueiros da Terra Nova. Num espaço de 350 anos, os últimos araus-gigantes foram mortos para serem colocados num museu, e a espécie foi perdida para sempre.

Dada a velocidade relativa desta extinção, vale a pena perguntar se outros fatores, como alterações ambientais, estão envolvidos. O arau-gigante estava a caminhar para a extinção antes do início da caça intensiva? Ou poderia ter sobrevivido e ainda estar presente hoje, se não fossem os humanos?

NOAA / NGDC

Onde viveu o arau-gigante.

Num estudo recentemente publicado na revista Evolutionary Biology Genetics and Genomics, investigadores não encontraram evidências de que o arau-gigante já estivesse em declínio ou em risco de extinção antes da caça intensiva. Isto sugere que nenhum outro fator estava em jogo e a pressão da caça humana por si só foi suficiente para causar a extinção.

As descobertas destacam como a exploração comercial em escala industrial de recursos naturais tem o potencial de levar à extinção de espécies abundantes, de amplo alcance e altamente móveis, num curto período de tempo.

ADN antigo

Através do estudo de espécies que se extinguiram, somos capazes de aprender coisas que nos podem ajudar na luta para conservar as espécies que ainda vivem hoje. Uma maneira de fazer isso é olhar para a genética de espécies extintas.

Usando o ADN antigo (aDNA), podemos observar coisas como diversidade genética, que pode revelar tendências de quão geneticamente saudável a espécie é. Também nos pode mostrar como uma espécie pode ter respondido às alterações ambientais, à caça ou à introdução de novas espécies no seu habitat.

Há muitas evidências, incluindo registos arqueológicos e relatos escritos, que mostram que o arau-gigante foi caçado ao longo da sua existência. Mas até agora não sabemos o impacto que as alterações ambientais podem ter causado na extinção do pássaro. Se a espécie estivesse em risco de extinção antes do início da caça intensiva no século XVI, esperaríamos ver sinais no seu ADN.

(dr) Jessica Thomas

Ossos do arau-gigante usados para obter o ADN.

Por exemplo, se uma espécie tem baixa diversidade genética e a maioria dos indivíduos é muito semelhante, é menos provável que haja certos espécimes que possam sobreviver a uma alteração ambiental. Portanto, a espécie como um todo será menos capaz de se adaptar a essa mudança.

Sem declínio gradual

Os investigadores descobriram que a diversidade genética era alta entre as amostras, com evidências de um tamanho populacional constante e nenhuma evidência de declínio populacional ou de estrutura populacional.

Isto sugere que o arau-gigante não corria risco de extinção antes da caça intensiva em humanos e que sua extinção ocorreu após um declínio populacional rápido demais para aparecer nos dados. Enquanto isso, a análise de viabilidade populacional revelou que apenas a caça poderia ter sido suficiente para causar a extinção da espécie.

Hoje, as aves marinhas estão mais ameaçadas do que qualquer grupo comparável de aves, com um terço das espécies em risco de extinção e metade em declínio. As ameaças às aves marinhas incluem alterações climáticas, perda de habitat, poluição, pesca humana e exploração direta da colheita de ovos, filhotes e aves adultas para a caça de alimentos e troféus.

As aves marinhas desempenham um papel globalmente importante nos ecossistemas, atuando como predadores, subsidiários de nutrientes e engenheiros de ecossistemas; portanto, é muito importante entender mais sobre o motivo da sua extinção.

PARTILHAR

RESPONDER

Homem pede "julgamento por combate" com espadas japonesas para resolver disputa legal com a ex-mulher

Para resolver uma disputa legal com a sua ex-mulher, David Ostrom sugere que seja feito um "julgamento por combate" com espadas japonesas. Há precedentes legais que o podem favorecer em tribunal. O insólito aconteceu no Iowa, …

Crimes violentos podem aumentar drasticamente nos EUA devido ao aquecimento global

O número de crimes violentos nos Estados Unidos pode aumentar drasticamente nos próximos anos devido ao aquecimento global, concluiu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade do Colorado, em Boulder. "Dependendo da rapidez …

Twitter pede desculpa por permitir anúncios direcionados a neonazis

O Twitter emitiu esta quinta-feira um pedido de desculpa público depois de a BBC denunciar que a rede social estava a permitir anúncios direcionados a neonazis, islamofóbicos e outros grupos de ódio. A emisorra britânica …

Carlos Silva alega falta de apoio do PS e anuncia saída da liderança da UGT

O secretário-geral da UGT não é candidato a um novo mandato na central sindical, alegando que o “desgaste tem sido tremendo” e que é visto como força de bloqueio. “Não quero continuar”, “já está decidido e …

A maior aeronave do mundo vai ficar ainda maior. Medirá quase 100 metros

A maior aeronave do mundo vai ficar ainda maior: o dirigível híbrido Airlander 10, que media 92 metros de comprimento, vai bater o seu próprio recorde. De acordo com a emissora britânica BBC, a aeronave passará a …

Mortes nos Comandos. Governo só indemniza famílias se for condenado

O Governo deu ordem para parar as negociações com as famílias dos recrutas que morreram durante o 127.º Curso de Comandos, que decorreu na região de Alcochete, em 2016. Segundo o Jornal de Notícias, o Governo …

Eduardo Cabrita diz que polícias compram equipamento "porque querem"

O ministro da Administração Interna afirmou que os agentes policiais que compram equipamento de proteção do seu próprio bolso fazem-no porque o querem. Numa entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, divulgada este fim-de-semana, o …

Chuva deixa Austrália entre incêndios e cheias. Número de mortos sobe para 29

A chuva trouxe algum alívio aos bombeiros e habitantes do leste da Austrália, mas também causou cheias e novos problemas. As equipas ainda combatem cerca 100 focos de incêndio na região e o número de …

Sem Joacine, nova direção do Livre foi eleita com 95 votos a favor e 15 brancos

Este domingo, no segundo dia do IX congresso do Livre, a nova direção do partido foi eleita com 95 votos a favor e 15 brancos (e não conta com a deputada Joacine Katar Moreira). No final …

Juiz pede escusa do caso dos emails por ser adepto do Benfica

O juiz desembargador apresenta vários motivos para pedir escusa do processo, nomeadamente por ser "sócio do Benfica desde 1968". De acordo com o jornal Público, Eduardo Pires, juiz desembargador do Tribunal da Relação do Porto (TRP), …