ADN prova a culpa dos humanos na extinção dos “pinguins do hemisfério norte”

O arau-gigante é conhecido como a versão do hemisfério norte dos pinguins que hoje vemos. Um estudo ao ADN deste animal extinto prova que os humanos foram os responsáveis pelo seus desaparecimento.

O norte do Oceano Atlântico já foi lar de um pássaro que apresentava uma notável semelhança com os pinguins. O arau-gigante, também conhecido como “o pinguim original”, era um grande pássaro preto e branco, que não voava, que se diz terem existido milhões deles.

Apesar de sua aparência, o arau-gigante não é um parentes dos pinguins. No entanto, desde cerca de 1844, o hemisfério norte está sem a sua versão do pinguim e parece mesmo que somos os culpados.

O arau-gigante há muito fornecia aos seres humanos uma fonte de carne e ovos. Mas, por volta de 1500, a caça intensificou-se dramaticamente quando os europeus descobriram os ricos pesqueiros da Terra Nova. Num espaço de 350 anos, os últimos araus-gigantes foram mortos para serem colocados num museu, e a espécie foi perdida para sempre.

Dada a velocidade relativa desta extinção, vale a pena perguntar se outros fatores, como alterações ambientais, estão envolvidos. O arau-gigante estava a caminhar para a extinção antes do início da caça intensiva? Ou poderia ter sobrevivido e ainda estar presente hoje, se não fossem os humanos?

NOAA / NGDC

Onde viveu o arau-gigante.

Num estudo recentemente publicado na revista Evolutionary Biology Genetics and Genomics, investigadores não encontraram evidências de que o arau-gigante já estivesse em declínio ou em risco de extinção antes da caça intensiva. Isto sugere que nenhum outro fator estava em jogo e a pressão da caça humana por si só foi suficiente para causar a extinção.

As descobertas destacam como a exploração comercial em escala industrial de recursos naturais tem o potencial de levar à extinção de espécies abundantes, de amplo alcance e altamente móveis, num curto período de tempo.

ADN antigo

Através do estudo de espécies que se extinguiram, somos capazes de aprender coisas que nos podem ajudar na luta para conservar as espécies que ainda vivem hoje. Uma maneira de fazer isso é olhar para a genética de espécies extintas.

Usando o ADN antigo (aDNA), podemos observar coisas como diversidade genética, que pode revelar tendências de quão geneticamente saudável a espécie é. Também nos pode mostrar como uma espécie pode ter respondido às alterações ambientais, à caça ou à introdução de novas espécies no seu habitat.

Há muitas evidências, incluindo registos arqueológicos e relatos escritos, que mostram que o arau-gigante foi caçado ao longo da sua existência. Mas até agora não sabemos o impacto que as alterações ambientais podem ter causado na extinção do pássaro. Se a espécie estivesse em risco de extinção antes do início da caça intensiva no século XVI, esperaríamos ver sinais no seu ADN.

(dr) Jessica Thomas

Ossos do arau-gigante usados para obter o ADN.

Por exemplo, se uma espécie tem baixa diversidade genética e a maioria dos indivíduos é muito semelhante, é menos provável que haja certos espécimes que possam sobreviver a uma alteração ambiental. Portanto, a espécie como um todo será menos capaz de se adaptar a essa mudança.

Sem declínio gradual

Os investigadores descobriram que a diversidade genética era alta entre as amostras, com evidências de um tamanho populacional constante e nenhuma evidência de declínio populacional ou de estrutura populacional.

Isto sugere que o arau-gigante não corria risco de extinção antes da caça intensiva em humanos e que sua extinção ocorreu após um declínio populacional rápido demais para aparecer nos dados. Enquanto isso, a análise de viabilidade populacional revelou que apenas a caça poderia ter sido suficiente para causar a extinção da espécie.

Hoje, as aves marinhas estão mais ameaçadas do que qualquer grupo comparável de aves, com um terço das espécies em risco de extinção e metade em declínio. As ameaças às aves marinhas incluem alterações climáticas, perda de habitat, poluição, pesca humana e exploração direta da colheita de ovos, filhotes e aves adultas para a caça de alimentos e troféus.

As aves marinhas desempenham um papel globalmente importante nos ecossistemas, atuando como predadores, subsidiários de nutrientes e engenheiros de ecossistemas; portanto, é muito importante entender mais sobre o motivo da sua extinção.

PARTILHAR

RESPONDER

Engenheiros japoneses fizeram levitar objectos com "armadilha acústica"

Engenheiros japoneses descobriram uma forma de fazer pequenos objectos levitar usando apenas ondas sonoras, o que pode ser um passo importante para a tecnologia. A engenharia biomédica, o desenvolvimento de farmacêuticos e a nanotecnologia podem vir …

Juno fez a maior aproximação a Ganimedes das duas últimas décadas (e as imagens são de cortar a respiração)

A NASA divulgou, recentemente, um vídeo da sonda Juno a passar por Júpiter e Ganimedes, uma das suas luas. As imagens são de cortar a respiração. Juno visitou Ganimedes em junho. As imagens foram captadas no …

Homicídio com 32 anos resolvido com a menor amostra de ADN de sempre

Um caso de homicídio ocorrido há 32 anos, que muitos consideraram impossível de ser resolvido, foi finalmente desvendado (e tudo graças à amostra de ADN mais pequena de sempre usada para decifrar um caso). De acordo …

Braços robóticos controlados remotamente podem vir a realizar cirurgias delicadas

Um equipa de investigadores está a trabalhar para eliminar movimentos rígidos nos braços robóticos, de modo a torná-los mais ágeis. O objetivo é que no futuro estes possam empilhar pratos ou até realizar cirurgias delicadas. Os …

Alemão foi forçado a remover estátua do pai por esta se parecer com Hitler

Um alemão foi obrigado a retirar uma figura de madeira de um cemitério, que seria para homenagear o seu falecido pai, por ter semelhanças com o antigo ditador nazi. As autoridades do município de Weil im …

Podcast evita morte de um condenado (seis vezes)

Curtis Flowers foi julgado seis vezes pelo mesmo promotor de justiça. Um programa de investigação mudou o seu destino. O promotor continua a acreditar que Curtis é culpado. A própria equipa responsável pelo 60 Minutes, programa …

EUA venderam álbum único dos Wu-Tang Clan (que pertencia a Martin Shkreli)

O álbum do grupo Wu-Tang Clan, confiscado em 2018 ao antigo gestor de fundos Martin Shkreli, também conhecido como "o empresário mais odiado do mundo", foi agora vendido pelo Governo norte-americano. Num comunicado divulgado esta terça-feira, …

Bezos ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA para entrar na corrida da próxima viagem à Lua

O empresário norte-americano ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA numa tentativa de reacender a batalha espacial entre a sua empresa, a Blue Origin, e a do "rival" Elon Musk, a SpaceX. De acordo com …

Clientes com certificado digital válido impedidos de entrar em restaurantes

Estão a ser reportados vários casos de clientes que, ao apresentarem o certificado digital para poderem entrar num restaurante, não conseguem fazê-lo porque o documento está a ser considerado inválido pelos dispositivos eletrónicos. Segundo a rádio …

Covid-19 trouxe "paranoia" ao mercado

Diretor do Norwich City, da Premier League, acha que os responsáveis por alguns clubes não sabem bem o que estão a fazer nos últimos tempos. O Norwich City iria jogar contra o Coventry City, num encontro …