/

Hong Kong acusado de conspirar com a China para vigiar e prender quem foge para Taiwan

Jerome Favre / EPA

O Governo de Hong Kong está a ser acusado de conspirar com a China para vigiar e perseguir os habitantes que tentam fugir para o Taiwan. O caso do grupo de 12 detio em agosto é um dos exemplos. 

Em agosto, um grupo de 12 habitantes de Hong Kong embarcou numa lancha na pequena vila de pescadores de Po Toi O. O grupo foi detido na China e quase todos ficaram sob fiança, enfrentavam acusações relacionadas com distúrbios antigovernamentais e esperavam seguir outros que fugiram para a ilha autónoma de Taiwan, a cerca de 700 quilómetros de distância.

A polícia em Shenzhen, na fronteira da China com Hong Kong, disse que “as autoridades de segurança pública protegerão os direitos legítimos dos suspeitos de acordo com a lei”.

A líder de Hong Kong, Carrie Lam, disse que os fugitivos “escolheram fugir e, durante a fuga, entraram noutra jurisdição e cometeram o crime de entrada ilegal noutro lugar”.

Lam refutou qualquer sugestão de que o Governo de Hong Kong estivesse ciente ou envolvido no caso antes de os 12 serem presos.

No entanto, de acordo com a CNN, os dados de voo de código aberto revelam que uma aeronave do Government Flying Services (GFS) foi implantada no leste de Hong Kong, acima de Po Toi O, por volta das 4h do dia 23 de agosto, e permaneceu no área duranr mais de quatro horas.

O movimento do avião – conforme registado pela FlightAware, um serviço de rastreamento de aeronaves – corresponde ao cronograma da viagem dos fugitivos divulgado pelo Governo de Hong Kong.

O avião circulou a área de Po Toi O até as 7h30, quando começou a voar para sudeste – na direção que a lancha tomou. A Guarda Costeira chinesa parou o barco às 9h, menos de uma hora depois de a aeronave ter começado a regressar à base.

De acordo com informações da GFS, a aeronave envolvida – um Bombardier Challenger 605 – está equipada para busca e salvamento, vigilância aerotransportada e fotografia aérea.

Os dados de voo publicamente disponíveis para o avião em particular, B-LVB, mostram que a viagem de 23 de agosto era fora do comum: não voou antes das 7h30 em nenhum outro dia entre 18 de agosto e 7 de outubro nem fez outros voos de mais de três horas durante este período.

A sugestão de que o Governo ou a polícia podem ter conhecimento de que 12 fugitivos, um dos quais enfrentava acusações de acordo com a lei de segurança nacional da cidade, planeavam fugir de Hong Kong e deixá-los ir – expondo-os a penas maiores na China – causou indignação generalizada na cidade.

“Estou chocado e horrorizado porque o Governo de Hong Kong evidentemente foi conivente com as autoridades chinesas para colocar os ativistas em maior perigo, em questões claramente dentro da sua jurisdição”, disse o ativista Joshua Wong.

Em comunicado, um grupo que representa as famílias dos fugitivos acusou o governo de “conspiração” para entregar seus entes queridos à China e pediu a sua libertação imediata.

Um pequeno protesto foi realizado em frente ao quartel-general do serviço de aviação na quinta-feira, mas foi interrompido pela polícia, que acusou os manifestantes de violar as restrições de recolhimento público devido à pandemia.

Hong Kong tem o seu próprio sistema judicial, de acordo com o princípio “um país, dois sistemas”, cujo objetivo era salvaguardar a autonomia limitada da cidade até 2047, com proteções legais e de direitos humanos não desfrutadas no continente.

O medo de ser exposto ao sistema judicial chinês, onde a taxa de condenação é superior a 90% e os processos políticos são comuns, gerou protestos contra um projeto de extradição no ano passado, que se transformou em meses de agitação antigovernamental.

Este ano, quando os protestos se começaram a intensificar novamente após uma interrupção forçada devido à pandemia, o Governo chinês impôs a lei de segurança nacional em Hong Kong, criminalizando a sedição, a secessão e a subversão.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.