“Realidade mista”. Hologramas podem mudar a forma como visitamos os museus

Para milhões de crianças, ser arrastado para um museu é uma experiência dolorosa. Porém, isso pode mudar com o desenvolvimento de uma nova tecnologia de “realidade mista” (RM).

A nova tecnologia de “realidade mista” (RM) pode injetar novas formas de narrativa interativa nos museus, introduzindo guias turísticos holográficos e monitores digitais imersivos no lugar de expositores de vidro.

Ao contrário da imersão total de realidade virtual ou da tela do computador necessária para realidade aumentada, o RM usa uma tela de vidro semelhante aos óculos Google Glass, que permite ao utilizador ver os seus arredores no mundo real com recursos virtuais sobrepostos, criando uma sensação de perceção mista.

Os dispositivos RM são equipados com sensores que são cruciais para rastrear o movimento do utilizador. Os dispositivos de RM também são equipados com câmaras, que detetam sinais do ambiente para auxiliar na sobreposição perfeita de recursos virtuais no mundo físico.

Tudo isto é obtido através da projeção de gráficos 3D no display de vidro – um processo que cria um holograma.

Como resultado, os visitantes de futuros museus habilitados para RM podem ver-se a si próprios à procura de ouro pirata perdido, a fugir de armadilhas ou a navegar em águas infestadas de crocodilos.

Uma equipa de investigadores, liderada por Ramy Hammady, incorporou estas características num estudo experimental de RM no Museu Egípcio do Cairo – que viu convidados a esquivar-se de cocheiros em guerra e a procurar relíquias antigas.

Para o estudo experimental, os investigadores usaram o hardware da Microsoft HoloLens e um novo software chamado MuseumEye.

Hologramas do rei Tutankhamon e a sua consorte, a rainha Ankhesenamun, conduzem os visitantes ao redor do museu, falando sobre como costumavam viver e demonstrando como usariam algumas das 120 mil ferramentas e artefactos em exibição.

Tornar estes artefactos antigos mais acessíveis aos visitantes exigiu que os investigadores digitalizassem em 3D muitas das exposições, para que pudessem ser reproduzidos digitalmente como objetos 3D manipuláveis.

Antiguidades digitalizadas foram inseridas num programa chamado “Unidade”, que ajudou a mapear os movimentos das mãos nas tarefas – uma ação de beliscar, por exemplo, era codificada como um comando para diminuir um artefacto.

Os personagens em movimento da exposição MR foram modelados nos programas “zBrush” e “Autodesk Maya”. Como resultado desse trabalho de codificação exaustivo, os visitantes podiam “puxar os objetos da prateleira” e examiná-los em detalhe, usando gestos com as mãos detetados pelo HoloLens.

Os investigadores animaram reconstituições de como o antigo império egípcio entrou em guerra, com soldados a correr pelas salas de exibição.

Além disso, os cientistas deram aos visitantes a oportunidade de se tornarem arqueólogos por um dia, descobrindo tesouros escondidos pelo museu. Ao marcar pontos nas descobertas feitas, o processo de aprendizagem do museu foi transformado num jogo.

Cerca de 171 visitantes de museus avaliaram o aplicativo MuseumEye, com mais de 80% a considerar a experiência de RM uma melhoria significativa na interatividade, entretenimento e valor educacional.

Num estudo separado, os investigadores descobriram que os guias de RM são mais económicos do que os guias de turismo humanos, com a capacidade adicional de fornecer informações em tempo real sobre o comportamento do hóspede e a superlotação da secção.

O software MuseumEye mostrou como a tecnologia de RM pode dar vida à história, trazendo benefícios para museus e seus visitantes.

Os dispositivos atualmente disponíveis são limitados e caros. Um HoloLens custa cerca de 3.500 dólares e grandes museus podem exigir até 300 auriculares para executar visitas guiadas de RM eficazes.

Porém, com o lançamento de um novo hardware de MR com preços razoáveis ​​e o desenvolvimento de software de holograma, os investigadores esperam que os museus aumentem o seu envolvimento com o MR nos próximos anos.

Vários outros museus já começaram a fazer experiências com MR. O National Holocaust Centre and Museum usou o HoloLens com um efeito poderoso na sua exposição “Witnessing the Kindertransport”. Em Nova Iorque, o Intrepid, Air & Sea Museum hospedou uma instalação MR chamada “Defying Gravity: Women in Space”. Em Washington DC, o National Geographic Museum hospedou “Becoming Jane” como uma forma de mergulhar os visitantes na vida e no trabalho da investigadores de chimpanzés Jane Goodall.

Além de museus, o MR está a ser usado com o projeto HoloDentist, que ajuda cirurgiões dentistas em treino a operar pacientes virtuais com segurança. Já o projeto “.rooms” utiliza o MR para auxiliar os designers de interiores, permitindo que as pessoas circulem e alterem os móveis e recursos da sua casa.

PARTILHAR

RESPONDER

”Pouco realista”. Banco de Portugal arrasa plano do Novo Banco para a dívida de Vieira

O Banco de Portugal considera que a reestruturação da dívida de Luís Filipe Vieira no Novo Banco é “pouco realista” e tem “pouca aderência à realidade”. A reestruturação da dívida do grupo de Luís Filipe Vieira …

Um treinador sem medo de errar e um plantel que pouco o fez. As razões para o título do Sporting

O Sporting sagrou-se, esta terça-feira, campeão nacional. Há várias figuras responsáveis pelo título dos 'leões', desde Rúben Amorim ao talentoso plantel. Apito final do Sporting CP-Boavista e os 'leões' voltam a conquistar o campeonato, 19 anos …

Identificada nova espécie de gato dente-de-sabre, uma das maiores de sempre

Usando técnicas detalhadas de comparação de fósseis, cientistas foram capazes de identificar uma nova espécie gigante de gato dente-de-sabre, que teria andado pela América do Norte entre há cinco e nove milhões de anos. De acordo …

Doentes mais graves vão começar a ser vacinados nos hospitais

Os doentes mais graves, sem limite de idade, que são seguidos em consultas hospitalares, vão começar a ser vacinados nos próprios hospitais. O processo de vacinação contra a covid-19 em Portugal está finalmente a acelerar, sendo …

Com um surto grave e hospitais em colapso, a Índia tem um novo problema: um fungo raro e mortal

Um raro fungo que invade o cérebro está a ser cada vez mais visto em pacientes vulneráveis na Índia, incluindo aqueles com covid-19. Este domingo, o ministério da saúde indiano divulgou um comunicado sobre como tratar …

Matos Fernandes reconhece que venda de barragens “é incomum” (e anuncia 30 milhões para casas eficientes)

O ministro do Ambiente e Ação Climática reconheceu que a transmissão de concessões de barragens no Douro “não é comum”, mas considerou que não prejudicarão os territórios que abrangem. Falando numa audição na Comissão Parlamentar de …

Quanto mais longo o bocejo, maior é o cérebro

De acordo com um estudo que analisou mais de cem espécies de mamíferos e pássaros, os vertebrados com cérebros maiores bocejam durante mais tempo. Bocejamos cerca de 5 a 10 vezes por dia e, de acordo …

Dona do Novo Banco não tem funcionários (e o presidente ajudou a vender o Banco ao actual "patrão")

O presidente da dona do Novo Banco, a Nani Holdings que é associada do fundo Lone Star, em Portugal, que detém 75% da instituição financeira, foi assessor do Fundo de Resolução na venda do Novo …

Jogador da NBA queimou um mandado de captura

Autoridades da Turquia não gostaram da análise ao presidente Recep Erdoğan. Enes Kanter foi avisado mas não quis saber. O basquetebolista turco Enes Kanter, que até nasceu na Suíça, volta a ser "alvo" das autoridades da …

No vazio do Espaço, a Voyager 1 detetou um "zumbido" de plasma

A Voyager 1 - uma de duas naves espaciais irmãs da NASA que foi lançada há 44 anos e agora é o objeto de fabricação humana mais distante no espaço - ainda funciona e aproxima-se …