Holanda. Material didático em escolas islâmicas insta crianças a escolherem castigos a homossexuais

“Ajuda-me! Estou a crescer” pode parecer um título inofensivo em primeira análise, mas o livro educativo difundido entre 44 escolas islâmicas oficiais na Holanda, e subsidiadas pelo governo holandês, contém diversos trechos com conteúdo extremista e agressivo.

Segundo as denúncias feitas pelos jornais Nieuwsuur e NRC Handelsblad, citados pelo Observador, entre os temas tratados estão a condenação da homossexualidade e a classificação do contacto visual entre duas pessoas de diferentes sexos como um ato proibido de adultério.

O material foi criado por uma holandesa convertida ao Islão chamada Asma Claassen e refere que Alá, o deus da religião islâmica, “odeia homossexuais” e “proíbe a união com alguém” do mesmo sexo, além de ter diferentes versões para os rapazes e raparigas.

“O povo da cidade de Lot tinha-se desviado completamente do caminho de Alá. Os homens de Sodoma começaram a fazer sexo um com o outro, em vez de o fazerem com suas esposas. Isso nunca antes tinha acontecido na história e Alá considerou-o como um grande pecado. Alá instruiu Gabriel a destruir as sete cidades de Sodoma com todos os edifícios, pessoas e animais. Deixou as pedras de barro choverem, e em cada pedra, constava o nome da pessoa a ser atingida”, refere trecho na página 75 do material didático.

Na versão para raparigas, o conteúdo sugere às crianças não utilizarem “roupas de não-crentes”, como roupas apertadas. Além disso, defende que deve ser utilizado um lenço para cobrir os cabelos e condena o uso de maquilhagem ou o arranjo das sobrancelhas.

Segundo descreveu o El Confidencial, as raparigas foram obrigadas a recortar imagens de roupas “adequadas” e “não adequadas” e colar nas paredes das casas de banho.

“É horrível, inaceitável e contrário à lei. Os estudantes têm direito a uma escola em que se sintam seguros e aceites”, disse Astrid Oosenbrug, presidente da Associação de Defesa dos Direitos dos LGBTQ+ holandês.

“Deus enviou um castigo às pessoas porque elas não ouviram ou melhoraram. Se olharmos para o comportamento dos dois profetas que viveram naquele tempo na história – Abraão e Lot -, veremos que tratam o povo de Sodoma de maneira educada e gentil. Permaneceram calmos, firmes, justos, gentis e educados e não foram tentados por mau comportamento ou linguagem inapropriada”, é possível ler nas alterações que a entidade reguladora fez aos livros depois da denúncia dos jornais holandeses.

Estes são apenas alguns exemplos de alterações que foram efetuadas nos livros educativos sem a aprovação do Ministério da Educação da Holanda. Também há escolas aos finais de semana instaladas em mesquitas salafistas que escapam ao controle oficial. Nestas escolas informais, professores glorificam um sistema em que o castigo da lei islâmica (sharia) é aplicado a todos os infiéis e pecadores, contou El Confidencial.

Existem mesmo exames em que as crianças são submetidas a exercícios de resposta múltipla para escolher a punição correta para cada pecado cometido: chicotadas, apedrejamento ou morte com uma espada.

Além disso, os menores de idade têm definir que tipo de pessoas são “inimigas” ou “não-crentes” e decidirem “a pena de morte que adúlteros, homossexuais, apóstatas e feiticeiros merecem”.

Existirão cerca de 50 centros de ensino salafistas na Holanda que oferecem este tipo de ensino a mais de mil crianças durante a noite ou nos finais de semana e são promovidas pelo financiamento externo de diferentes países do Golfo Pérsico.

“Usam a máscara religiosa para espalhar ideias e envenenar crianças e adolescentes. Aproveitam o facto de muitas ainda estarem em busca de conhecimento e a definirem a sua identidade”, disse Ahmed Marcouch, presidente das câmaras de Arnhem e Muslim.

Ahmed Marcouch alertou para a possibilidade dessas crianças “acabarem por pegar em armas contra sua própria sociedade ou emigrando para territórios da jihad”, como a Síria ou Iraque. Somente nas cidades em que é presidente, cerca de 70 jovens juntaram-se a grupos terroristas.

“Com essas ideias, são capazes de matar a sua própria família”, frisou Ahmed Marcouch.

O presidente do Conselho das Mesquitas Marroquinas da Holanda, Said Bouharrou, declarou que “uma mudança na Constituição é uma medida sem sentido, porque levará anos para ser realizada e dar resultados. Essas crianças não têm esse tempo. Se queremos ser eficazes na luta contra os abusos na educação salafista, devemos resolver o problema na raiz, conversar com pais e mesquitas”, conclui.

ZAP // //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Daqui a uns anos temos um problema interno de choque de civilizações por causa da tolerância ocidental à intolerância Islâmica nas suas formas mais radicais.
    Se os jovens se radicalizarem e se juntarem à Jihad na Síria ou no Iraque não tem problema porque vão para lá lutar e o mais provável é morrerem em batalha e fica o assunto desses resolvido.
    O maior problema são os radicalizados a viver no seio dos ocidentais.
    Lei que devia existir: Mesquita apanhada a ensinar extremismos deveria ser encerrada por 10 anos, vigilancia constante sobre todos os manuais utilizados nessas escolas e penalidades grandes para livros de ensino extremista ou valores radicais.
    Se a sociedade ocidental não assumir o problema e montar formas eficazes de combater este flagelo iremos ter cada vez mais insegurança e episódios extremistas no nosso seio.

      • O seu comentário pretende demonstrar que quem está preocupado com isso são os próprios muçulmanos, o que sendo verdade para os moderados que se vêem naturalmente envolvidos, não deixa de preocupar e penalizar essencialmente os ocidentais.
        Se reparar o objecto das acções radicais não são os islâmicos moderados mas sim os ocidentais não islâmicos.
        As religiões infelizmente são usadas para justificar choques de civilizações e preconceitos sociais de cada sociedade.
        Só quando um dia o mundo se conseguir libertar das convicções postuladas e sem comprovação deixaremos de ter justificações religiosas para as contendas.
        Passarão a ser só políticas, mas aí o esforço intelectual terá de ser maior para se conseguir convencer os seguidores de razões que têm de ser demonstradas.
        Não basta dizer porque deus mandou; porque ala assim quer; porque Javé escolheu o povo eleito contra os ímpios e outras convicções assentes na fé.
        Já reparou que cada vez mais se exige comprovativos reais para tudo? Alguém faz um empréstimo bancário ou compra uma casa com base em acordos de fé? Claro que não, logo essas convicções só servem para dominar as mentes e o povo no seu conjunto e tudo justificar ao que à causa possa interessar.
        Temos muito que caminhar para uma grande parte do mundo deixar de viver na idade média.

        • “o objecto das acções radicais não são os islâmicos moderados mas sim os ocidentais não islâmicos.”
          Não é verdade. Diga antes: “eu nas notícias só ouço falar de ataques contra ocidentais não islâmicos”. Mas se escutar ou ler com mais atenção vai descobrir que a maior parte das vítimas dos radicais islâmicos são muçulmanos.

          Que uma fonte? Aqui a tem:
          https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Islamist_terrorist_attacks

RESPONDER

Linha SNS 24 está a atender mais de 18 mil chamadas por dia

O secretário de Estado da Saúde saudou a capacidade de adaptação dos profissionais de saúde e do Governo à pandemia covid-19, dando como exemplo a Linha SNS 24 que está a atender mais de 18 …

Bolsonaro mais moderado. "A minha preocupação sempre foi salvar vidas”

O Presidente brasileiro adotou um tom mais moderado naquele que foi o seu quarto discurso ao país sobre o novo coronavírus, mas voltou a insistir na importância de a população manter os empregos durante a …

Diabéticos representam 9% das mortes por covid-19

Os doentes da diabetes são um grupo de risco, representando “mais de 9% das pessoas falecidas com covid-19”, mas não têm mais probabilidades de ser infetados pelo novo coronavírus. A informação foi avançada esta quarta.feira pelo …

Covid-19: Infarmed diz que nenhum medicamento provou eficácia no tratamento

O Infarmed assegurou, na terça-feira, estar a acompanhar todos os esforços nacionais e internacionais para o desenvolvimento de potenciais tratamentos e vacinas para a covid-19, mas insistiu que nenhum fármaco provou ainda a sua eficácia …

Adolescente de 13 anos morre no Reino Unido devido a Covid-19

Um adolescente britânico de 13 anos morreu na segunda-feira depois de testar positivo para o novo coronavírus, informou na terça-feira o hospital. Segundo a família, o jovem não sofria de nenhuma outra doença. Segundo noticiou a …

"Por favor, não venham". Autarca de Vila Real apela a emigrantes que não regressem a Portugal

O presidente da Câmara de Vila Real, Rui Santos, apela aos emigrantes para que, "por favor", não regressem agora ao país e nesta Páscoa "fiquem nas terras" que os "acolheram em segurança". "Este vírus infernal que …

84 pessoas detidas por desobediência ao estado de emergência

A PSP e a GNR detiveram, até esta terça-feira, 84 pessoas pelo crime de desobediência e encerraram 1600 estabelecimentos, no âmbito do estado de emergência. Em comunicado, o Ministério da Administração Interna (MAI) refere que, entre as …

Há creches, ATL e colégios privados a cobrar valores indevidos na quarentena

Há creches, ATL e colégios privados a cobrarem valores indevidos referentes a alimentação, transporte e atividades extracurriculares. O alerta foi dado pela Associação de Defesa do Consumidor (Deco). De acordo com a jurista da Deco, Carolina …

Pedro Proença acredita que "vai ser possível jogar na presente temporada"

O Presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) admitiu, esta terça-feira, a possibilidade de realizar jogos à porta fechada e ainda esta temporada. Em entrevista à rádio TSF, Pedro Proença disse acreditar que ainda "vai …

Centeno deixa aviso à Zona Euro. Futuro da UE depende da resposta que der à pandemia

Mário Centeno escreveu aos ministros das Finanças da Zona Euro para os alertar que o futuro da União Europeia depende da forma como conseguir lidar com a crise económica devida à pandemia de Covid-19. Uma …