Hashtags políticas como #MeToo tornam as pessoas menos propensas a acreditar em notícias

Tendem a passarem despercebidas, mas as hashtags são mais importantes do que julgamos. A questão que se impõe é: serão benéficas para a saúde democrática da Internet?

Uma hashtag (#) é uma marca funcional, amplamente usada em mecanismos de pesquisa e em serviços de redes sociais que permite que as pessoas pesquisem determinado conteúdo que se enquadre numa palavra ou frase.

A sua rampa de lançamento foi no Twitter, em 2009, mas desde aí, prosperou. Ativistas, políticos e até meios de comunicação usam hashtags políticas como meio de aumentar o número de leitores e contextualizar os seus artigos em publicações curtas e de fácil leitura nas redes sociais.

Segundo a Columbia Journalism Review, esta prática é uma “boa forma de introduzir uma história ou perspetiva no ciclo principal de notícias” e “uma maneira de descobrir o que o público quer discutir e aprender”. Mas será mesmo verdade?

Eugenia Ha Rim Rho, especialista em Ciências da Informação e da Computação na Universidade da Califórnia, decidiu responder a esta pergunta. Para isso, realizou uma experiência online controlada, com 1.979 participantes.

A especialista testou se as pessoas reagiam de forma diferente à presença ou ausência de hashtags políticas, sendo que as mais usadas foram #MeToo e #BlackLivesMatter, em artigos publicados no Facebook pelo The New York Times e NPR.

Os investigadores mostraram aleatoriamente a cada participante uma publicação que continha ou prescindia de uma determinada hashtag política e pediram que comentassem o artigo e respondessem a determinadas perguntas sobre a notícia.

(dr) Eugenia Ha Rim Rho

Surpreendentemente, os investigadores descobriram que as hashtags políticas não são uma boa tática de os meios de comunicação atraírem a atenção dos leitores. Quando a notícia era acompanhada de uma hashtag, os participantes interpretavam aquela publicação como “menos importante“. Além disso, ficavam menos motivados a saber mais sobre o assunto em causa, conta Ha Rim Rho num artigo no The Conversation.

Alguns participantes encaravam as notícias com hashtags como mais tendenciosas a nível político, especialmente os mais conservadores. No entanto, as hashtags também influenciaram negativamente os liberais.

Mas o público que mais interessou a Eugenia Ha Rim Rho foram os politicamente moderados: quando questionado, este grupo mostrou-se mais desconfiado em relação à credibilidade da notícia quando esta surgia acompanhada de uma hashtag numa rede social.

Segundo a investigadora, quando um artigo é divulgado com uma hashtag, as pessoas tendem a envolverem-se em questões sociais relevantes, mas mencionam repetidamente a hashtag em causa. Por outro lado, quando não existem, é mais provável que os leitores discutam as ideias e os valores centrais que a própria hashtag deveria representar.

Além disso, a experiência permitiu concluir que, quando uma hashtag é usada, os comentários dos leitores tendem a ser mais emocionalmente extremados.

Eugenia Ha Rim Rho defende que “se queremos construir discussões online saudáveis, precisamos de questionar de que forma estas práticas influenciam a saúde democrática da Internet”.

Ainda que o uso de uma hashtag possa chamar rapidamente a atenção do público para questões sociais prementes, essa tática pode também ser prejudicial à discussão online sobre tópicos sociais urgentes.

LM, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Descoberto sistema de túneis da I Guerra onde estarão enterrados dezenas de soldados

A Agência do Património da Bélgica anunciou esta semana a descoberta de um sistema de túneis alemão da I Guerra Mundial, onde estarão, muito provavelmente, dezenas de soldados enterrados. Em comunicado, citado pela Russia Today, …

Cinco funcionários da Tesla dizem ter sido despedidos por terem ficado em casa durante a pandemia

Cinco funcionários da produtora automóvel Tesla dizem ter sido despedidos por terem ficado em casa durante a pandemia, avança o The Washington Post. De acordo com o jornal norte-americano, foram cinco os colaboradores dispensados da …

"Qual o lugar mais seguro?". Costa compara infetados no Reino Unido e Algarve

O primeiro-ministro apresentou hoje uma tabela que mostra o Reino Unido muito acima do Algarve em número de infetados com covid-19 por cem mil habitantes e pergunta qual o lugar mais seguro para umas férias …

Azul anuncia venda de 6% da TAP ao Estado por 10 milhões de euros

A companhia aérea brasileira Azul, de David Neeleman, anunciou hoje a venda de 6% da TAP, no âmbito do acordo anunciado esta quinta-feira entre o Estado e os acionistas privados, que “garante a continuação” da …

NASA cria dispositivo que o avisa para não tocar no rosto (e pode ser reproduzido em casa)

A pensar na pandemia, a NASA desenvolveu o PULSE, um colar vibratório que nos alerta se formos tocar no rosto com as nossas mãos. A pandemia de covid-19 alastrou pelo mundo e, enquanto não chega um …

Há mais 11 mortes e 374 novos casos de infecção (300 são na Grande Lisboa)

Portugal regista hoje mais 11 mortos devido à doença covid-19 do que na quinta-feira e mais 374 infectados, dos quais 300 na Região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo o boletim da Direcção-Geral da …

Gestão da pandemia: PGR francesa vai abrir investigação judicial a PM e ministros

Em causa estão 90 queixas contra o anterior chefe do Governo Edouard Philippe, e os ministros Olivier Véran e Agnès Buzyn, tendo 53 delas sido examinadas e nove consideradas admissíveis para seguirem eventualmente para tribunal. O …

Benfica perto de garantir Taremi e Helton Leite para a próxima época

O SL Benfica está perto de assegurar as contratações do avançado do Rio Ave, Mehdi Taremi, e do guarda-redes do Boavista, Helton Leite, para a próxima temporada. Mehdi Taremi e Helton Leite deverão ser reforços do …

Operação Marquês. Ivo Rosa não marca data de início do julgamento

O juiz de instrução Ivo Rosa optou por não marcar data de início do julgamento dada a complexidade do processo da Operação Marquês. O anúncio foi feito no final do debate instrutório, esta sexta-feira. "É manifesta …

Bolsonaro veta obrigatoriedade do uso de máscaras em lojas e igrejas

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, vetou hoje parte de uma lei que estipulava o uso obrigatório de máscaras em órgãos públicos, lojas, indústrias, templos religiosos e locais fechados em que haja concentrações de pessoas. O …