Hashtags políticas como #MeToo tornam as pessoas menos propensas a acreditar em notícias

Tendem a passarem despercebidas, mas as hashtags são mais importantes do que julgamos. A questão que se impõe é: serão benéficas para a saúde democrática da Internet?

Uma hashtag (#) é uma marca funcional, amplamente usada em mecanismos de pesquisa e em serviços de redes sociais que permite que as pessoas pesquisem determinado conteúdo que se enquadre numa palavra ou frase.

A sua rampa de lançamento foi no Twitter, em 2009, mas desde aí, prosperou. Ativistas, políticos e até meios de comunicação usam hashtags políticas como meio de aumentar o número de leitores e contextualizar os seus artigos em publicações curtas e de fácil leitura nas redes sociais.

Segundo a Columbia Journalism Review, esta prática é uma “boa forma de introduzir uma história ou perspetiva no ciclo principal de notícias” e “uma maneira de descobrir o que o público quer discutir e aprender”. Mas será mesmo verdade?

Eugenia Ha Rim Rho, especialista em Ciências da Informação e da Computação na Universidade da Califórnia, decidiu responder a esta pergunta. Para isso, realizou uma experiência online controlada, com 1.979 participantes.

A especialista testou se as pessoas reagiam de forma diferente à presença ou ausência de hashtags políticas, sendo que as mais usadas foram #MeToo e #BlackLivesMatter, em artigos publicados no Facebook pelo The New York Times e NPR.

Os investigadores mostraram aleatoriamente a cada participante uma publicação que continha ou prescindia de uma determinada hashtag política e pediram que comentassem o artigo e respondessem a determinadas perguntas sobre a notícia.

(dr) Eugenia Ha Rim Rho

Surpreendentemente, os investigadores descobriram que as hashtags políticas não são uma boa tática de os meios de comunicação atraírem a atenção dos leitores. Quando a notícia era acompanhada de uma hashtag, os participantes interpretavam aquela publicação como “menos importante“. Além disso, ficavam menos motivados a saber mais sobre o assunto em causa, conta Ha Rim Rho num artigo no The Conversation.

Alguns participantes encaravam as notícias com hashtags como mais tendenciosas a nível político, especialmente os mais conservadores. No entanto, as hashtags também influenciaram negativamente os liberais.

Mas o público que mais interessou a Eugenia Ha Rim Rho foram os politicamente moderados: quando questionado, este grupo mostrou-se mais desconfiado em relação à credibilidade da notícia quando esta surgia acompanhada de uma hashtag numa rede social.

Segundo a investigadora, quando um artigo é divulgado com uma hashtag, as pessoas tendem a envolverem-se em questões sociais relevantes, mas mencionam repetidamente a hashtag em causa. Por outro lado, quando não existem, é mais provável que os leitores discutam as ideias e os valores centrais que a própria hashtag deveria representar.

Além disso, a experiência permitiu concluir que, quando uma hashtag é usada, os comentários dos leitores tendem a ser mais emocionalmente extremados.

Eugenia Ha Rim Rho defende que “se queremos construir discussões online saudáveis, precisamos de questionar de que forma estas práticas influenciam a saúde democrática da Internet”.

Ainda que o uso de uma hashtag possa chamar rapidamente a atenção do público para questões sociais prementes, essa tática pode também ser prejudicial à discussão online sobre tópicos sociais urgentes.

LM, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Luanda Leaks. Administradores não executivos da NOS chamados pelo Comité de Ética

O Comité de Ética e a Comissão de Governo Societário da NOS decidiu chamar os três administradores não executivos da operadora citados no escândalo Luanda Leaks. Esta decisão foi tomada antes de uma reunião do …

"Ataque contra a imprensa livre." Justiça brasileira acusa jornalista Glenn Greenwald de cometer cibercrimes

O Ministério Público Federal acusou o jornalista Glenn Greenwald por "auxiliar, orientar e incentivar" um grupo de hackers que acedeu aos telemóveis do ex-juiz e ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e dos …

United faz nova proposta por Bruno Fernandes. Saída pode ficar fechada esta quarta-feira

Sporting e Manchester United retomaram as negociações por Bruno Fernandes esta semana, podendo a saída do médio dos leões ser confirmada ainda esta quarta-feira, segundo escreve o desportivo A Bola. De acordo com o jornal, …

Portugal tem de ser "implacável" no combate à corrupção, diz Santos Silva

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, assegurou na terça-feira que o Governo vai continuar a aprofundar a cooperação com Angola, a respeitar a independência judicial e "não ser precipitado a tirar conclusões", após as …

Ministério das Finanças já admite “documento de trabalho” sobre injeção no Novo Banco

Depois de negar ter recebido uma proposta do Banco de Portugal (BdP) com a hipótese de uma injeção final de 1,4 mil milhões no Novo Banco, o Ministério das Finanças, liderado por Mário Centeno, já …

Lobo d'Ávila: "No dia em que quisermos ser um Chega II não seremos o CDS"

O candidato à liderança do CDS Filipe Lobo d’Ávila acha que o partido “não deve cair na tentação” nem cometer o “erro tremendo” de tornar-se num “Chega II”, porque há “um mundo de diferenças” entre …

Em busca da câmara oculta. Cientistas querem voltar a "bombardear" a Grande Pirâmide de Gizé com raios cósmicos

Uma equipa de cientistas quer "bombardear" a Grande Pirâmide de Gizé, no Egito, com raios cósmicos para confirmar a existência de uma câmara interna, detetada numa outra investigação anterior. A informação é avançada pelo portal …

Primo de Sócrates garante que o dinheiro que tinha nas contas era seu

José Paulo Pinto de Sousa, primo de José Sócrates e arguido na Operação Marquês, afirmou ao juiz que era dono do dinheiro que o Ministério Público diz pertencer ao antigo primeiro-ministro, segundo fonte ligada ao …

Telemóvel de Jeff Bezos terá sido hackeado por príncipe herdeiro saudita

O telemóvel do dono da Amazon Jeff Bezos terá sido hackeado pelo príncipe da coroa saudita Mohammed bin Salman em maio de 2018, revela uma investigação do The Guardian. O multimilionário norte-americano Jeff Bezos, CEO da …

"Muu". O mugido de uma vaca pode revelar como se sente

https://vimeo.com/386240607 Ao ouvido humano, os mugidos parecem indistintos. No entanto, um estudo recente revelou que cada vaca tem a sua própria voz - e esta persiste em inúmeras situações. De acordo com um estudo recente, levado a …