Hashtags políticas como #MeToo tornam as pessoas menos propensas a acreditar em notícias

Tendem a passarem despercebidas, mas as hashtags são mais importantes do que julgamos. A questão que se impõe é: serão benéficas para a saúde democrática da Internet?

Uma hashtag (#) é uma marca funcional, amplamente usada em mecanismos de pesquisa e em serviços de redes sociais que permite que as pessoas pesquisem determinado conteúdo que se enquadre numa palavra ou frase.

A sua rampa de lançamento foi no Twitter, em 2009, mas desde aí, prosperou. Ativistas, políticos e até meios de comunicação usam hashtags políticas como meio de aumentar o número de leitores e contextualizar os seus artigos em publicações curtas e de fácil leitura nas redes sociais.

Segundo a Columbia Journalism Review, esta prática é uma “boa forma de introduzir uma história ou perspetiva no ciclo principal de notícias” e “uma maneira de descobrir o que o público quer discutir e aprender”. Mas será mesmo verdade?

Eugenia Ha Rim Rho, especialista em Ciências da Informação e da Computação na Universidade da Califórnia, decidiu responder a esta pergunta. Para isso, realizou uma experiência online controlada, com 1.979 participantes.

A especialista testou se as pessoas reagiam de forma diferente à presença ou ausência de hashtags políticas, sendo que as mais usadas foram #MeToo e #BlackLivesMatter, em artigos publicados no Facebook pelo The New York Times e NPR.

Os investigadores mostraram aleatoriamente a cada participante uma publicação que continha ou prescindia de uma determinada hashtag política e pediram que comentassem o artigo e respondessem a determinadas perguntas sobre a notícia.

(dr) Eugenia Ha Rim Rho

Surpreendentemente, os investigadores descobriram que as hashtags políticas não são uma boa tática de os meios de comunicação atraírem a atenção dos leitores. Quando a notícia era acompanhada de uma hashtag, os participantes interpretavam aquela publicação como “menos importante“. Além disso, ficavam menos motivados a saber mais sobre o assunto em causa, conta Ha Rim Rho num artigo no The Conversation.

Alguns participantes encaravam as notícias com hashtags como mais tendenciosas a nível político, especialmente os mais conservadores. No entanto, as hashtags também influenciaram negativamente os liberais.

Mas o público que mais interessou a Eugenia Ha Rim Rho foram os politicamente moderados: quando questionado, este grupo mostrou-se mais desconfiado em relação à credibilidade da notícia quando esta surgia acompanhada de uma hashtag numa rede social.

Segundo a investigadora, quando um artigo é divulgado com uma hashtag, as pessoas tendem a envolverem-se em questões sociais relevantes, mas mencionam repetidamente a hashtag em causa. Por outro lado, quando não existem, é mais provável que os leitores discutam as ideias e os valores centrais que a própria hashtag deveria representar.

Além disso, a experiência permitiu concluir que, quando uma hashtag é usada, os comentários dos leitores tendem a ser mais emocionalmente extremados.

Eugenia Ha Rim Rho defende que “se queremos construir discussões online saudáveis, precisamos de questionar de que forma estas práticas influenciam a saúde democrática da Internet”.

Ainda que o uso de uma hashtag possa chamar rapidamente a atenção do público para questões sociais prementes, essa tática pode também ser prejudicial à discussão online sobre tópicos sociais urgentes.

Liliana Malainho LM, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Com os zoos fechados, tudo serve para entreter uma família de lontras. Até um simples galho de bambu

O confinamento serviu como um lembrete indesejado de que ficar preso dentro de casa sem muito o que fazer pode ser desgastante. O mesmo é verdade para os animais, por isso os jardins zoológicos tiveram …

Uma ilha, cinco géneros. Os Bugis têm palavras para as "cinco maneiras de estar no mundo"

Uma ilha, cinco géneros. O povo Bugis é um poderoso grupo étnico que se destaca pelo reconhecimento de cinco géneros distintos. Na Indonésia, a ilha Sulawesi é a casa de um povo que reconhece cinco …

O "aeroporto do amanhã" está abandonado no meio de um pântano dos Estados Unidos

Era para ser o "aeroporto do amanhã", um centro intercontinental para aviões supersónicos com seis pistas e conexões ferroviárias de alta velocidade para as cidades vizinhas. Hoje, é pouco mais do que uma pista no …

Facebook remove (acidentalmente) página oficial de Ville de Bitche, uma remota cidade francesa

O Facebook apagou a página de Ville de Bitche, uma remota cidade francesa. O município passou um mês a apelar à rede social para repor a página. "Recebemos uma mensagem no Facebook e também percebemos que …

NASA escolheu SpaceX de Elon Musk para a próxima missão tripulada à Lua

Elon Musk fecha contrato de 2,9 mil milhões de dólares para levar o Homem novamente à Lua. O contrato é a mais importante vitória da SpaceX e reforça a posição da empresa como parceira …

Benfica 1-2 Gil Vicente | Galo canta e silencia águia na Luz

STOP. O Gil Vicente visitou na tarde deste sábado o Benfica e saiu do palco da Luz com os três pontos na bagagem e a “cantar de galo”, ao vencer por 2-1, num duelo relativo …

"Longa vida à monarquia." Realeza britânica tende a viver mais três décadas do que a população geral

As diferenças na longevidade de alguns membros da família real em comparação com a população em geral são extremamente grandes, mas não incomuns. O príncipe Filipe, marido da rainha Isabel II e o consorte mais antigo …

Abominável (e falso) Homem das Neves. Líder russo usou Yeti para atrair turistas para a Sibéria

Um dos líderes regionais mais antigos de Vladimir Putin confessou ter encenado avistamentos falsos de Yetis numa tentativa de encorajar o turismo na Sibéria. Aman Tuleev, um dos líderes regionais de longa data do Presidente russo …

Irão já está a enriquecer urânio a 60%

O Irão avisou e já está a cumprir. Menos de uma semana depois de ter acusado Israel de um ataque contra a sua principal central nuclear, o país diz estar a enriquecer urânio com uma …

Salvini vai a julgamento em Itália por bloqueio de migrantes em navio

Matteo Salvini, líder do partido de extrema-direita italiano Liga, vai ser julgado por acusações de sequestro pela sua decisão de impedir o desembarque de 147 migrantes resgatados no Mediterrâneo pela Open Arms, em agosto de …