Hashtags políticas como #MeToo tornam as pessoas menos propensas a acreditar em notícias

Tendem a passarem despercebidas, mas as hashtags são mais importantes do que julgamos. A questão que se impõe é: serão benéficas para a saúde democrática da Internet?

Uma hashtag (#) é uma marca funcional, amplamente usada em mecanismos de pesquisa e em serviços de redes sociais que permite que as pessoas pesquisem determinado conteúdo que se enquadre numa palavra ou frase.

A sua rampa de lançamento foi no Twitter, em 2009, mas desde aí, prosperou. Ativistas, políticos e até meios de comunicação usam hashtags políticas como meio de aumentar o número de leitores e contextualizar os seus artigos em publicações curtas e de fácil leitura nas redes sociais.

Segundo a Columbia Journalism Review, esta prática é uma “boa forma de introduzir uma história ou perspetiva no ciclo principal de notícias” e “uma maneira de descobrir o que o público quer discutir e aprender”. Mas será mesmo verdade?

Eugenia Ha Rim Rho, especialista em Ciências da Informação e da Computação na Universidade da Califórnia, decidiu responder a esta pergunta. Para isso, realizou uma experiência online controlada, com 1.979 participantes.

A especialista testou se as pessoas reagiam de forma diferente à presença ou ausência de hashtags políticas, sendo que as mais usadas foram #MeToo e #BlackLivesMatter, em artigos publicados no Facebook pelo The New York Times e NPR.

Os investigadores mostraram aleatoriamente a cada participante uma publicação que continha ou prescindia de uma determinada hashtag política e pediram que comentassem o artigo e respondessem a determinadas perguntas sobre a notícia.

(dr) Eugenia Ha Rim Rho

Surpreendentemente, os investigadores descobriram que as hashtags políticas não são uma boa tática de os meios de comunicação atraírem a atenção dos leitores. Quando a notícia era acompanhada de uma hashtag, os participantes interpretavam aquela publicação como “menos importante“. Além disso, ficavam menos motivados a saber mais sobre o assunto em causa, conta Ha Rim Rho num artigo no The Conversation.

Alguns participantes encaravam as notícias com hashtags como mais tendenciosas a nível político, especialmente os mais conservadores. No entanto, as hashtags também influenciaram negativamente os liberais.

Mas o público que mais interessou a Eugenia Ha Rim Rho foram os politicamente moderados: quando questionado, este grupo mostrou-se mais desconfiado em relação à credibilidade da notícia quando esta surgia acompanhada de uma hashtag numa rede social.

Segundo a investigadora, quando um artigo é divulgado com uma hashtag, as pessoas tendem a envolverem-se em questões sociais relevantes, mas mencionam repetidamente a hashtag em causa. Por outro lado, quando não existem, é mais provável que os leitores discutam as ideias e os valores centrais que a própria hashtag deveria representar.

Além disso, a experiência permitiu concluir que, quando uma hashtag é usada, os comentários dos leitores tendem a ser mais emocionalmente extremados.

Eugenia Ha Rim Rho defende que “se queremos construir discussões online saudáveis, precisamos de questionar de que forma estas práticas influenciam a saúde democrática da Internet”.

Ainda que o uso de uma hashtag possa chamar rapidamente a atenção do público para questões sociais prementes, essa tática pode também ser prejudicial à discussão online sobre tópicos sociais urgentes.

LM, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O envelhecimento celular em humanos foi parcialmente revertido (com o uso de oxigénio)

Investigadores da Universidade de Tel Aviv, em Israel, descobriram uma forma de reverter o processo de envelhecimento celular e podem ter feito um avanço na procura pela juventude eterna. O novo estudo publicado na revista Aging …

Joshua Wong e outros dois ativistas condenados a penas de prisão

Joshua Wong e outros dois ativistas do movimento pró-democracia em Hong Kong foram condenados, esta quarta-feira, a penas de prisão por participarem numa manifestação ilegal contra o Governo da região administrativa em junho de 2019. Os …

Departamento de Justiça nos EUA investiga alegado esquema de "dinheiro por indultos" na Casa Branca

O Departamento da Justiça dos Estados Unidos está a investigar possíveis subornos em troca de indultos presidenciais na Casa Branca. De acordo com documentos judiciais a que a agência Reuters teve acesso, o Departamento da Justiça …

Confinamento, covid-19, discriminação. Eis as 10 candidatas a Palavra do Ano de 2020

A Porto Editora revelou esta terça-feira as dez candidatas a Palavra do Ano de 2020. Este ano, a iniciativa lançada em 2009 decorre, pela primeira vez, em simultâneo com Angola e Moçambique. De acordo com o …

Mais mortes e menos nascimentos. Portugal está com o maior saldo natural negativo do século

Como avança o Público esta quarta-feira, há 12 anos consecutivos que há mais mortes do que nascimentos em Portugal, mas este ano o país a bateu o recorde do saldo natural negativo. Desde 2009 que o …

"Não há plano B". Costa deixa avisos e recados a Hungria e Polónia

O primeiro-ministro português, António Costa, alertou, em Bruxelas, que não há um plano B ao bloqueio na aprovação do orçamento da União Europeia (UE) e do novo Fundo de Recuperação criado para responder à pandemia, …

Santos deu "nega" ao Benfica e Lucas Veríssimo ameaçou não jogar

O Conselho Fiscal do Santos "negou" a transferência de Lucas Veríssimo para o SL Benfica. O jogador ameaçou mesmo não entrar em campo contra o LDU Quito, na noite passada. O Conselho Fiscal do Santos emitiu …

Governo britânico substitui confinamento por restrições (com oposição interna no Partido Conservador)

Boris Johnson conseguiu ver aprovado o novo plano de restrições. Dos votos contra, 56 foram de deputados conservadores e 16 de deputados do Partido Trabalhista. O Governo britânico conseguiu ver aprovado o novo plano de restrições …

Sporting tem sete jogadores na porta de saída e outro para trazer Matheus Reis

O Sporting CP quer livrar-se de sete jogadores excedentários que estão a treinar com a equipa B. O clube quer também trazer Matheus Reis já neste mercado de inverno. Aproxima-se o mercado de inverno e o …

Sindicato acusa TAP de manipulação e diz que não há "trabalhadores a mais"

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) acusou a TAP de “manipulação, falta de ética e desonestidade” e defendeu que a empresa não tem “trabalhadores a mais” e deve procurar os “sorvedouros de …