Há mais recuperados do que apontam os dados oficiais

António Cotrim / Lusa

A diretora-geral da Saúde admitiu esta segunda-feira que o número de doentes recuperados de covid-19 é superior ao apontado pelos dados oficiais, disponibilizados no boletim diário da DGS, por atrasos na notificação.

“Sabemos que há mais recuperados do que aqueles que, oficialmente, estão a ser notificados como recuperados”, respondeu Graça Freitas durante a habitual conferência de imprensa sobre a pandemia da covid-19.

De acordo com os últimos dados, nas últimas 24 horas 140 doentes recuperaram, pelo que 45.736 pessoas já superaram da infeção desde o início da pandemia em Portugal.

No entanto, o número real será superior.

O balanço diário da DGS é feito com base no reporte dos médicos no Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) que, segundo a diretora-geral, poderá não estar a acontecer de forma tão atualizada como seria ideal.

“À medida que os casos são mais jovens, com menos sintomas, e que vão surgindo mais novos casos, a prioridade está a ser dada para tratar os novos casos e, se calhar, menos para registar os recuperados”, explicou Graça Freitas.

No entanto, nos próximos dias a DGS, em colaboração com os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, vai trabalhar no sentido de atualizar esses dados.

Perfil de novos casos é diferente

Sobre a atual situação epidemiológica em Portugal, a diretora-geral confirmou ainda que a tendência nos novos casos registados e nos casos ativos é atualmente diferente daquela que marcou os primeiros meses da pandemia em Portugal, altura em que a covid-19 incidia, sobretudo, na população mais velha.

No início tínhamos mais casos idosos e, portanto, tínhamos uma maior percentagem de casos em internamento, de casos em unidades de cuidados intensivos e também de letalidade. Com o evoluir da epidemia, esta tendência sofreu uma alteração”, referiu.

Nas últimas 24 horas, apenas 11% dos novos casos confirmados tinha mais de 70 anos, exemplificou Graça Freitas, explicando que este número está relacionado, sobretudo, com o padrão de transmissão, mas também com uma maior proteção dos mais velhos.

Na mesma conferência de imprensa, a diretora-geral foi questionada sobre como as pessoas notificadas pela aplicação de rastreio ‘StayAway Covid’ devem proceder, e explicou que a primeira coisa a fazer é entrar em contacto com a linha de saúde SNS 24.

Depois, acrescentou a mesma responsável da DGS, será feito um inquérito, de forma a tentar perceber se o contacto sobre o qual foi notificada terá sido prolongado e desprotegido ou casual, sendo, a partir dessa informação, classificada ou não como um contacto de alto risco, devendo ficar em isolamento profilático.

Médico é que decide regresso à escola das crianças com cancro

Também na conferência desta segunda-feira, a diretora-geral da Saúde defendeu que cabe ao médico ou à equipa de saúde avaliar a situação particular de cada criança com cancro e decidir se deve ou não frequentar a escola.

A posição de Graça Freitas surge depois de o Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa defender que, na generalidade dos casos, as crianças com cancro devem continuar a ir à escola, por não terem riscos acrescidos de contrair o novo coronavírus.

A diretora-geral da Saúde não contrariou a ideia, salientando que é preciso diferenciar os diversos estágios de cancro: “Uma criança com cancro não é necessariamente igual a outra criança com cancro”. A decisão de ir à escola “depende da fase em que está” a criança e, por isso, da avaliação feita pela equipa que a segue.

Nos casos em que as crianças já estão na fase de recuperação devem voltar a frequentar a escola, salientou Graça Freitas, durante a conferência de imprensa da DGS de balanço da pandemia de covid-19 em Portugal.

Cada criança terá de ser avaliada pelo seu médico assistente e é o seu médico ou a sua equipa que decidirá. Cada uma destas situações deverá ser vista em particular”, defendeu Graça Freitas. Nos casos em que as crianças não podem regressar à escola, existem mecanismos que permitem minimizar este impacto.

Há cerca de dois anos que existe uma portaria que prevê soluções para que estas crianças não percam o contacto com a turma nem se atrasem muito nas matérias que estão a ser dadas na sala de aula. Graça Freitas salientou ainda que “o que é desejável é que retomem a sua via plena em sociedade”.

A diretora do serviço de pediatria do IPO de Lisboa, Filomena Pereira, considerou esta segunda-feira que não existem atualmente evidências que indiquem que estas crianças têm mais risco de contrair a covid-19 ou de desenvolver formas mais graves da doença, isto, “dependendo da fase de tratamento em que se encontram”.

Portugal contabiliza mais oito mortos relacionados com a covid-19 e 623 novos casos de infeção, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 1.920 mortes e 69.200 casos de infeção.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Curados da covid-19 continuam com sintomas meses depois de terem contraído o vírus

Um estudo da Universidade de Oxford indica que 64% dos pacientes hospitalizados com o novo coronavírus apresenta falta de ar 2 a 3 meses depois de serem infetados. E quase 40% tem sintomas de depressão. Já …

Portugal vai estar no Mundial sub-20 (sem jogar o apuramento)

Todas as fases do Europeu sub-19 foram canceladas e a seleção portuguesa foi uma das eleitas para participar no Mundial do próximo ano. Portugal já sabe que vai estar na fase final do Mundial sub-20 (se …

Novos implantes cardíacos podem salvar 10 mil vidas por ano

O chamado envelope antibiótico envolve o implante cardíaco e previne infeções no paciente. Por ano, morrem cerca de 10 mil pessoas devido a infeções geradas pelo implante. O pacemaker é um pequeno aparelho que é colocado …

Banda dá concerto com músicos e público envoltos em bolhas de plástico para evitar contágio

A banda norte-americana Flaming Lips utilizou bolhas insufláveis ​​de tamanho humano num concerto em Oklahoma, uma solução para proteger os músicos e o público do novo coronavírus, enquanto tenta encontrar uma forma segura para atuar …

EUA. Especialista diz que as próximas semanas "vão ser as mais negras de toda a pandemia"

Um especialista em doenças infecciosas disse que no caso dos Estados Unidos, as próximas seis a 12 semanas vão ser as mais negras de toda a pandemia de covid-19. Michael Osterholm, diretor do Centro de Investigação …

Chelsea inscreve... Petr Cech

Antigo guarda-redes poderá voltar aos relvados nesta época, embora seja pouco provável, para já. Petr Čech entrou em campo pela última vez em maio de 2019, há quase um ano e meio. Já tinha anunciado a …

Disparos de satélites e naves do Star Trek? Relatório revela como seria uma guerra no Espaço

A criação da Força Espacial dos Estados Unidos evocou todos os tipos de noções fantasiosas sobre o combate no Espaço. Assim, um novo relatório explica o que é física e praticamente possível quando se trata …

Japão prepara-se para lançar água tratada de Fukushima no mar

O Japão vai libertar mais de um milhão de toneladas de água tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, numa operação que levará cerca de 30 anos para ficar concluída. Ambientalistas e pescadores locais …

Turismo de mergulho? Submarino da "frota perdida" de Hitler aguarda o seu destino no fundo do Mar Negro

Coberto por “redes fantasmas” deixadas por pescadores, os destroços de um submarino U-20 enviado para o Mar Negro pela Alemanha nazi tornou-se recentemente tema de um documentário produzido na Turquia. Localizado a uma profundidade de 20 …

Novo estudo diz que Remdesivir não tem "impacto significativo" nos doentes com covid-19

Ao contrário do que se pensava, o medicamento antiviral remdesivir não reduz as mortes entre os pacientes com covid-19, sobretudo quando comparado com o tratamento padrão, de acordo com os resultados de um estudo internacional. Em …